Estas serpentes gigantes estão entre as maiores gravuras rupestres do mundo - e terão dividido dois países

CNN , Jacopo Prisco
29 jun, 12:00
Pinturas Rupestres (Philip Riris et al)

A obra pode ser observado no Cerro Pintado na Venezuela e tem cerca de 42 metros de comprimento. Em tempos, poderá ter sido uma fronteira

De acordo com um novo estudo, as antigas gravuras rupestres na atual América do Sul - que se acredita estarem entre as maiores do mundo - destinavam-se a marcar os limites dos territórios habitados pelos seus criadores.

Aves, centopeias amazónicas, figuras humanas e formas geométricas estão entre os desenhos, encontrados em 14 sítios diferentes - a maioria já conhecida, mas alguns recentemente descobertos - ao longo de um trecho de 60 milhas (97 quilómetros) do rio Orinoco, na atual Venezuela e Colombia.

No entanto, o motivo mais representado são as cobras gigantescas, e uma em particular - num local chamado Cerro Pintado na Venezuela - com cerca de 42 metros de comprimento é provavelmente a maior pintura rupestre alguma vez registada em todo o mundo, sugeriram os investigadores.

Cerro Pintado na Venezuela

"Há duas hipóteses que sustentam o facto de estas gravuras rupestres serem marcadores territoriais", disse o Philip Riris, principal autor do estudo publicado na revista Antiquity. "Uma pode ser um sinal de aviso - estás no nosso quintal, é melhor comportares-te. A outra poderia ser um marcador de identidade - está no nosso quintal, está entre amigos. Mas não creio que tivessem um objetivo único, pelo que poderiam facilmente ser ambos".

Mitologia da serpente

O estudo centra-se no significado e no papel desempenhado pelas serpentes na mitologia dos povos indígenas da região, disse Riris, professor sénior de modelação ambiental arqueológica na Universidade de Bournemouth, no Reino Unido. O especialista acredita que os habitantes locais provavelmente esculpiram as rochas há mil ou dois mil anos atrás, tendo em conta a base em cerâmica e vestígios dessa época encontrados na mesma área.

"As serpentes são muito interessantes, porque são criadoras e protetoras. De acordo com a mitologia local, elas moldaram os rios à medida que viajavam, mas também são predadoras, cheias de energias perigosas que é preciso respeitar para não cair na sua ira", disse Riris, explicando por que razão podem também ter um duplo significado como gravuras rupestres.

Todos os desenhos das serpentes partilham uma consistência visual e Riris acredita que poderiam representar jibóias ou anacondas, embora os artistas não estivessem necessariamente interessados em representar com exatidão determinadas espécies: "Os povos indígenas nem sempre distinguem as espécies da mesma forma que nós fazemos na taxonomia científica - podem ser apenas cobras grandes e predadoras que matam por constrição", disse.

As figuras humanas são frequentemente representadas ao lado das cobras, tal como as centopeias gigantes da Amazónia, que são predadoras das cobras do Orenoco. Os desenhos geométricos incluem círculos concêntricos, espirais e retângulos, mas o seu significado não é muito claro, segundo Riris.

O uso de tais marcas monumentais antigas como marcadores territoriais já foi observado antes, mas as gravuras do Orenoco se destacam, observou Riris.

"O que torna as gravuras do Orenoco especiais é o seu tamanho, a sua quantidade e densidade e o esforço que os seus criadores tiveram de fazer para as realizar", afirmou. Algumas das formações rochosas em que estão esculpidas são "perigosas", acrescentou Riris, observando que os artistas podem ter tido de usar cordas ou escadas para as alcançar.

A arte rupestre monumental de uma cauda de serpente na Colombia ofusca os humanos nesta imagem. Philip Riris et al.

Guardiões indígenas

O estudo é o resultado de dados recolhidos durante dez anos de trabalho de campo por Riris e os seus colegas - os co-autores José Oliver e Natalia Lozada Mendieta - embora parte da investigação tenha sido utilizada noutros estudos. Oliver é especialista em arqueologia latino-americana na University College London e Lozada Mendieta é professora assistente de história da arte na Universidad de Los Andes, na Colombia.

As marcas estão localizadas num troço do rio chamado "Atures Rapids", conhecido por ter sido uma importante rota de comércio e viagens nos tempos pré-históricos. A equipa utilizou um software especial para recriar o ponto de vista dos antigos habitantes e visualizar como as marcas lhes teriam parecido.

Hoje em dia, com o rápido crescimento do turismo, os sítios podem estar em risco de vandalismo, pelo que os investigadores os registaram junto dos organismos nacionais do património da Colombia e da Venezuela.

"Felizmente, tanto quanto sabemos, nenhum deles foi danificado, mas com mais pessoas à volta, estão mais expostos", disse Riris, acrescentando que tanto as autoridades como os povos indígenas, que se sentem proprietários dos sítios, precisam de ser envolvidos na sua proteção.

Um grande plano mostra um pormenor de arte rupestre na ilha de Picure, Venezuela. (Philip Riris et al)

As obras antigas dão-nos um raro vislumbre da forma como os grupos nativos do Orenoco percepcionavam a sua paisagem e a tornavam sagrada e instrumental através de gravuras rupestres, disse George Lau, professor de arte e arqueologia das Américas na Universidade de East Anglia, no Reino Unido. Ele não esteve envolvido no estudo.

"Também mostra a resiliência a longo prazo deste tipo de arte para as paisagens nativas, especialmente a importância das criaturas míticas para os sistemas de crenças locais. O estudo é apenas a ponta do icebergue da enorme riqueza arqueológica e das culturas antigas desta região", acrescentou.

De acordo com o Alexander Geurds, professor associado de arqueologia da América Central e do Sul na Universidade de Oxford, no Reino Unido, esta investigação é um contributo fundamental para a compreensão da arte rupestre no norte da América do Sul. Geurds também não esteve envolvido no trabalho.

O estudo vai além de trabalhos anteriores, disse Geurds, porque não se limita a registar a localização e o estilo das representações esculpidas, mas também lida com o seu tamanho extraordinário. A aplicação da análise visual baseada em computador é um passo inovador, acrescentou, pois ajuda a compreender como a escala da escultura se relaciona com a possibilidade de as ver de longe - um cenário provável se os grupos indígenas viajassem ao longo do rio Orinoco.

Parte da importância fundamental destas esculturas em grande escala é o trabalho coletivo que exigiam: "Especialmente nos rios maiores e nas junções de rios, estes podem ter sido pontos onde as pessoas se reuniam para forjar laços intercomunitários durante os últimos tempos pré-hispânicos", disse Geurds. "Além disso, os rápidos são (ironicamente) onde o tráfego de canoas abranda, permitindo um teatro adequado para contemplar as imagens. Estas serpentes monumentais são testemunhas silenciosas deste mundo social passado".

Relacionados

Ciência

Mais Ciência

Mais Lidas

Patrocinados