Crânio com mais de 4.000 anos mostra que egípcios foram os primeiros a remover tumores cirurgicamente: "É um marco na história da medicina"

CNN , Mindy Weisberger
30 jun, 19:00
Skull E270 (Courtesy Tondini, Isidro, Camarós)

Esta descoberta "fornece uma direção nova e sólida para reavaliar a história da medicina", como explicam os especialista. As dúvidas permanecem quanto ao facto de se o paciente estaria vivo ou morte no momento do procedimento médico

O cancro é frequentemente considerado como uma doença da era moderna. No entanto, textos médicos do antigo Egipto indicam que os curandeiros da época tinham conhecimento desta doença. Agora, novas evidências encontradas num crânio com mais de quatro mil anos revelaram que estes antigos médicos egípcios podem ter tentado tratar certos cancros através de cirurgias.

O crânio pertenceu a um homem que tinha cerca de 30 a 35 anos quando morreu e encontra-se na coleção do Laboratório Duckworth da Universidade de Cambridge, no Reino Unido. Desde meados do século XIX, os cientistas têm estudado a superfície cicatrizada do crânio, incluindo múltiplas lesões que se pensa representarem danos ósseos provocados por tumores malignos. Os arqueólogos consideram que o crânio, identificado como o número 236 da coleção, é um dos exemplos mais antigos de cancros malignos no mundo antigo, datando de entre 2686 AC e 2345 AC.

Mas quando os investigadores examinaram mais de perto as cicatrizes tumorais com um microscópio digital e tomografia micro-computada (TC), detectaram sinais de marcas de corte à volta dos tumores, sugerindo que tinham sido utilizados instrumentos metálicos afiados para remover os tumores. Os cientistas apresentaram os resultados na quarta-feira na revista Frontiers in Medicine.

"Foi a primeira vez que a humanidade lidou cirurgicamente com aquilo a que hoje chamamos cancro", afirmou o autor sénior do estudo, Edgard Camarós, professor do departamento de história da Universidade de Santiago de Compostela, na Corunha, Espanha.

No entanto, não se sabe se os curandeiros tentaram remover os tumores enquanto o paciente ainda estava vivo, ou se os tumores foram removidos após a morte, para análise, disse Camarós à CNN.

"Se essas marcas de corte foram feitas com a pessoa viva, estamos a falar de algum tipo de tratamento diretamente relacionado com o cancro", disse. Mas se as marcas de corte foram feitas postumamente, "significa que se trata de uma exploração de autópsia médica relacionada com esse cancro".

De qualquer forma, "é espantoso pensar que fizeram uma intervenção cirúrgica", acrescentou Camarós. "Mas, na verdade, não podemos distinguir entre um tratamento e uma autópsia".

Várias das lesões metastáticas no crânio 236 apresentam marcas de corte. É mostrado um grande plano de marcas de corte, provavelmente feitas com um objeto afiado. Cortesia de Tondini, Isidro, Camarós

Medicina "conhecimento e mestria

A medicina no antigo Egipto, amplamente documentada em textos médicos como o Papiro Ebers e o Papiro Kahun, era inquestionavelmente sofisticada e as novas descobertas oferecem provas importantes e directas desse conhecimento, afirmou o Ibrahem Badr, professor associado do departamento de restauro e conservação de antiguidades da Universidade Misr para a Ciência e Tecnologia em Gizé, Egipto.

"Podemos ver que a medicina egípcia antiga não se baseava apenas em remédios à base de ervas, como a medicina noutras civilizações antigas", disse Badr, que não esteve envolvido na nova investigação. "Baseava-se diretamente em práticas cirúrgicas".

Mas, embora estas provas da antiguidade tenham sido bem estudadas durante os séculos XIX e XX, as tecnologias do século XXI, como as utilizadas no novo estudo, estão a revelar pormenores anteriormente desconhecidos sobre as artes médicas do antigo Egipto, acrescentou Badr.

"A investigação fornece uma direção nova e sólida para reavaliar a história da medicina e da patologia entre os antigos egípcios", afirmou. Os métodos dos autores do estudo "fazem a transição dos seus resultados do domínio da incerteza e das possibilidades arqueológicas para o domínio da certeza científica e médica".

Os cientistas também encontraram lesões cancerígenas num segundo crânio da coleção Duckworth. Com a designação E270 e datado de 664 a.C. a 343 a.C., pertencia a uma mulher adulta com pelo menos 50 anos de idade. A equipa identificou três lesões no espécime onde tumores malignos tinham danificado o osso.

A equipa de investigação examinou crânios da coleção do Laboratório Duckworth da Universidade de Cambridge, utilizando análise microscópica e tomografia computadorizada. (Cortesia de Tondini, Isidro, Camarós)

Ao contrário do crânio 236, o E270 não apresentava sinais de cirurgia relacionados com a doença. Mas o crânio da mulher continha fracturas há muito saradas, mostrando o sucesso da intervenção médica prévia para lesões na cabeça.

"Essa pessoa sobreviveu muitos anos após o trauma", disse Camarós.

Escrever a "biografia" do cancro

A análise de ambos os crânios "é um trabalho de investigação notável que fornece provas científicas novas e claras sobre o campo da patologia e o desenvolvimento da medicina entre os antigos egípcios", afirmou Badr.

Badr, que colabora com cientistas da Europa e dos Estados Unidos para estudar a aterosclerose (acumulação de placas nas paredes arteriais) em múmias egípcias antigas, explicou que o seu trabalho segue a mesma direção científica que a investigação do crânio. Ao efetuar exames pormenorizados das múmias utilizando tecnologias do século XXI, como a tomografia computorizada e a sequenciação do ADN, Badr e os seus colegas esperam iluminar ainda mais a extensão dos conhecimentos médicos na antiguidade egípcia.

"Há uma necessidade urgente de reavaliar a história da medicina egípcia utilizando estas metodologias científicas", afirmou Badr. "Ao utilizar estas técnicas modernas, poderemos estudar e obter uma compreensão mais abrangente e precisa da medicina no antigo Egipto."

As novas descobertas também ajudam a completar uma parte da "biografia obscura" do cancro, acrescentando um capítulo que foi escrito há milhares de anos, acrescentou Camarós.

"Quanto mais olhamos para o nosso passado, mais sabemos que o cancro era muito mais prevalecente, muito mais presente do que pensávamos", afirmou.

Um marco médico

A perceção que os antigos egípcios tinham do cancro centrava-se nos tumores visíveis que a doença produzia. A mais antiga observação registada sobre o cancro encontra-se num antigo texto médico egípcio conhecido como Papiro Cirúrgico de Edwin Smith, que data de cerca de 3000 a.C. a 2500 a.C. Este texto contém 48 estudos de casos sobre diversas doenças, incluindo uma descrição do cancro da mama.

Mostra-se uma das lesões metastáticas com marcas de corte no crânio 236. Cortesia de Tondini, Isidro, Camarós

Embora os curandeiros do antigo Egipto pudessem ter conhecimento do cancro, tratá-lo já era outra história. A maioria dos casos médicos no papiro de Edwin Smith incluía a menção de medicamentos ou estratégias de cura. Mas não havia nenhuma para os tumores da paciente com cancro da mama, disse Camarós.

"Diz especificamente que não há tratamento", afirmou. "Perceberam que se tratava de uma fronteira no que diz respeito aos seus conhecimentos médicos".

No entanto, as incisões em torno dos tumores do crânio sugerem que os curandeiros do antigo Egipto estavam a tentar mudar isso, removendo cirurgicamente os tumores para curar o paciente ou para examinar os tumores mais de perto.

"Temos duas possibilidades: uma que eles tenham tentado tratar os casos, ou outra que é que eles tentaram entender medicamente, em termos de provavelmente tratá-lo no futuro", disse Camarós. "Acho que isso é um marco na história da medicina".

Ciência

Mais Ciência

Mais Lidas

Patrocinados