"Ninguém faz ideia" de quantos reféns israelitas ainda estão vivos, reconhece alto funcionário do Hamas

CNN , Ben Wedeman, Muhammad Darwish e Ivana Kottasová
14 jun, 14:56

Plano de cessar-fogo gera receios no grupo militarizado: a duração é uma questão fundamental para o Hamas, que está preocupado com o facto de Israel não ter intenção de cumprir a segunda fase do acordo - o fim definitivo da guerra e a retirada total de Israel de Gaza

O destino dos 120 reféns que continuam presos em Gaza é crucial para qualquer acordo que ponha fim ao prolongado e sangrento conflito entre Israel e o Hamas. Mas um alto funcionário do Hamas disse à CNN que "ninguém faz ideia" de quantos deles estão vivos e que qualquer acordo para os libertar deve incluir garantias de um cessar-fogo permanente e a retirada total das forças israelitas de Gaza.

Numa entrevista à CNN, o porta-voz do Hamas e membro do gabinete político, Osama Hamdan, deu a conhecer a posição do grupo militante relativamente ao impasse das conversações sobre o cessar-fogo, uma opinião sobre se o Hamas lamenta a sua decisão de atacar Israel, tendo em conta o número crescente de mortos palestinianos, e um comentário sobre a fuga, no início desta semana, de mensagens do seu chefe em Gaza, Yahya Sinwar, o homem que se pensa ser o decisor final de qualquer acordo de paz.

Os EUA acreditam que o Hamas tem a chave para as conversações. O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken instou, durante uma entrevista à NBC na quinta-feira, Sinwar a acabar com a guerra. "Ele está relativamente seguro na clandestinidade; as pessoas que ele diz representar estão a sofrer todos os dias."

Em declarações à CNN, em Beirute, capital do Líbano, Hamdan disse que a última proposta em cima da mesa - um plano israelita que foi anunciado publicamente pelo Presidente dos EUA, Joe Biden, no final do mês passado - não satisfaz as exigências do grupo para pôr fim à guerra.

Hamdan, que fez parte da equipa de negociações do Hamas no terreno, disse à CNN que o grupo precisava de "uma posição clara de Israel para aceitar o cessar-fogo, uma retirada completa de Gaza e deixar os palestinianos determinarem o seu futuro por si próprios, a reconstrução, o (levantamento) do cerco ... e estamos prontos para falar sobre um acordo justo sobre a troca de prisioneiros".

Blinken mostrou-se frustrado com o que disse ser a decisão do Hamas de apresentar "numerosas alterações", descrevendo algumas delas como indo "além das posições que (o Hamas) tinha tomado anteriormente".

"Algumas das alterações são viáveis. Outras não", disse Blinken numa conferência de imprensa em Doha, na quarta-feira.

O plano de cessar-fogo apoiado pelos EUA, aprovado pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas na segunda-feira, prevê uma abordagem faseada. Na primeira fase, haveria um cessar-fogo de seis semanas em que alguns reféns seriam trocados por prisioneiros palestinianos e os militares israelitas sairiam das zonas povoadas de Gaza. A segunda fase - o fim definitivo da guerra e a retirada total de Israel de Gaza - só seria implementada após novas negociações entre as duas partes.

Mas Hamdan disse à CNN que a duração do cessar-fogo é uma questão fundamental para o Hamas, que está preocupado com o facto de Israel não ter intenção de cumprir a segunda fase do acordo. O fim das hostilidades deve ser permanente, disse ele, e Israel deve retirar-se completamente de Gaza.
 

Pessoas caminham entre escombros, na sequência de ataques israelitas na área onde reféns israelitas foram resgatados no sábado, no campo de refugiados de Nuseirat, no centro de Gaza, no domingo, 9 de junho. Abed Khaled/Reuters

 

"Os israelitas querem o cessar-fogo apenas por seis semanas e depois querem voltar à luta, o que penso que os americanos, até agora, não convenceram os israelitas a aceitar (um cessar-fogo permanente)", disse, acrescentando que acredita que os EUA precisam de convencer Israel a aceitar um cessar-fogo permanente como parte do acordo.

Israel ainda não se comprometeu publicamente com o acordo, apesar de a Casa Branca ter sublinhado repetidamente que se tratava de um plano israelita que o governo tinha aceite. O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, que tem estado sob pressão para anunciar o seu apoio ao plano atual, tem dito repetidamente que a guerra não terminará enquanto Israel não eliminar o Hamas.

Blinken disse à NBC que Netanyahu "reconfirmou" "que Israel apoiava esta proposta e estava pronto para dizer sim" quando o viu há alguns dias, e colocou a culpa pelo impasse das negociações diretamente no Hamas.

"O Hamas tem de demonstrar que também quer acabar com esta situação. Se o fizer, podemos pôr-lhe termo. Se não o fizer, isso significa que quer que a guerra continue", afirmou Blinken.

Uma questão de responsabilidade

À CNN dentro de um modesto escritório decorado com um grande mapa de Gaza e uma fotografia panorâmica da Cúpula da Rocha em Jerusalém, Hamdan desviou repetidamente quaisquer perguntas sobre o papel do Hamas no sofrimento dos palestinianos em Gaza. Considerou os ataques terroristas de 7 de outubro, que desencadearam a atual guerra em Gaza, "uma reação contra a ocupação".

O ataque de 7 de outubro foi o mais mortífero da história de Israel. O Hamas e outros grupos armados palestinianos mataram mais de 1200 pessoas, na sua maioria civis, e fizeram cerca de 250 pessoas reféns em Gaza.

Israel não tardou a retaliar, declarando imediatamente guerra ao Hamas e lançando uma intensa campanha de bombardeamentos, seguida de uma invasão terrestre várias semanas mais tarde.

Esta operação teve um impacto devastador nos palestinianos de Gaza. Mais de 37.000 pessoas foram mortas, a maioria das quais mulheres e crianças, segundo o Ministério da Saúde da Faixa de Gaza. Calcula-se que cerca de 90% das pessoas que vivem no território tenham sido deslocadas pelos combates.

Embora as autoridades de Gaza não façam distinção entre as vítimas civis e os combatentes do Hamas, um porta-voz das Forças de Defesa de Israel (IDF) admitiu anteriormente que a maioria dos mortos na operação eram civis.

Questionado repetidamente pela CNN sobre se o Hamas lamentava a sua decisão de atacar Israel, Hamdan respondeu culpando Israel pela situação e afirmando que o ataque era "uma reação contra a ocupação".

"Quem está no comando ou é responsável por isso é a ocupação (israelita). Se resistires à ocupação, eles matam-te, se não resistires à ocupação, eles também te matam e deportam-te para fora do teu país. Por isso, o que é suposto fazermos é esperar?", afirmou.

Hamdan também rejeitou como falsas as notícias de que Sinwar teria sugerido que a morte de milhares de palestinianos era um "sacrifício necessário".

Sinwar não tem sido visto em público desde os ataques de 7 de outubro. Acredita-se que esteja escondido em Gaza, algures dentro da rede de túneis que passa por baixo da faixa. Foi designado como terrorista pelos Estados Unidos, pela União Europeia, pelo Reino Unido e por outros países.

 

Yahya Sinwar, chefe do Hamas em Gaza, participa numa reunião com membros de grupos palestinianos na cidade de Gaza, a 13 de abril de 2022. Ali Jadallah/Agência Anadolu/Getty Images

Israel acusou repetidamente o Hamas de utilizar civis em Gaza como escudos humanos e, no início desta semana, o Wall Street Journal publicou o que disse serem mensagens de Sinwar a outros líderes do Hamas, nas quais alegadamente expressava uma determinação intransigente de continuar a lutar, independentemente dos custos humanos.

Hamdan disse à CNN que as mensagens "eram falsas".

"Eram mensagens falsas feitas por alguém que não é palestiniano e foram enviadas (ao) Wall Street Journal como parte da pressão contra o Hamas e para provocar o povo contra o líder", disse ele sem fornecer provas. "Ninguém pode aceitar a morte dos palestinianos, do seu próprio povo".

Destruir o Hamas?

Quando Israel lançou a guerra contra o Hamas, Netanyahu disse que os objetivos eram "destruir o Hamas e trazer de volta os reféns detidos em Gaza".

Mas mais de oito meses depois, o objetivo de eliminar completamente o grupo parece inatingível. Embora as FDI tenham matado alguns comandantes do Hamas, a liderança de topo em Gaza, incluindo Sinwar, continua a escapar-lhes. E apesar dos danos causados às suas infra-estruturas, o Hamas também continua a disparar foguetes contra Israel, embora muito mais esporadicamente do que no início do conflito.

Os oficiais da inteligência americana acreditam que Sinwar provavelmente confia que o Hamas pode sobreviver à tentativa de Israel de o destruir.

Ao mesmo tempo, Netanyahu está sob pressão crescente para chegar a um acordo que garanta o regresso dos restantes reféns que ainda se encontram em Gaza. Israel acredita que mais de 70 reféns dos mais de 100 que ainda estão detidos em Gaza estão vivos.

Em declarações à CNN, Hamdan disse não saber quantos ainda estão vivos. "Não tenho qualquer ideia sobre isso. Ninguém faz ideia disso", disse, alegando - sem apresentar provas - que a operação israelita para libertar quatro dos reféns no sábado resultou na morte de três outros, incluindo um cidadão americano.

Teme-se que haja mais reféns mortos do que é do conhecimento público. Em abril, o Hamas disse aos mediadores internacionais que não podia cumprir a exigência de Israel de libertar 40 dos reféns restantes na primeira fase de um acordo, incluindo todas as mulheres, bem como homens doentes e idosos, porque não tinha 40 reféns vivos que correspondessem a esses critérios de libertação.

O líder da oposição Benny Gantz, que abandonou o gabinete de guerra israelita no passado fim de semana, foi questionado por um canal de televisão israelita na quinta-feira se Israel sabia quantos reféns estavam vivos. Respondeu assim: "Sabemos um número muito próximo".

Questionado sobre o testemunho de um médico que tratou os reféns libertados e disse que estes sofreram abusos mentais e físicos e foram espancados de hora a hora, Hamdan voltou a culpar Israel pelo seu sofrimento.

"Acredito que se eles têm problemas mentais, é por causa do que Israel tem feito em Gaza. Porque (ninguém) consegue lidar com o que Israel está a fazer, bombardeando todos os dias, matando civis, mulheres e crianças... eles viram isso (com) os seus próprios olhos", disse, acrescentando que a comparação das imagens dos reféns tiradas antes e depois dos oito meses de cativeiro mostra que "estavam melhores do que antes" - uma afirmação que é comprovadamente falsa.

Médio Oriente

Mais Médio Oriente

Mais Lidas

Patrocinados