Itália
104'
2 - 1
Albânia

Quais são os alimentos com mais plásticos? Pode ficar surpreendido

CNN , Sandee LaMotte
27 abr, 09:00
Microplásticos

“Quanto plástico vai comer ao jantar, senhor? E a senhora?” Embora possa parecer uma frase de um sketch de humor, a investigação está a mostrar que está demasiado perto da realidade.

Noventa por cento das amostras de proteínas animais e vegetais deram positivo para microplásticos, pequenos fragmentos de polímeros que podem variar entre menos de 5 milímetros e 1 micrómetro, de acordo com um estudo de fevereiro de 2024. Qualquer coisa mais pequena do que 1 micrómetro é um nanoplástico que deve ser medido em bilionésimos de metro.

Nem os vegetarianos escapam, de acordo com um estudo de 2021. Se o plástico for suficientemente pequeno, as frutas e os legumes podem absorver microplásticos através dos seus sistemas radiculares e transferir esses pedaços químicos para os caules, folhas, sementes e frutos da planta.

O sal pode ser embalado com plástico. Um estudo de 2023 concluiu que o sal rosa dos Himalaias extraído do solo era o que tinha mais microplásticos, seguido do sal preto e do sal marinho. O açúcar é também “uma importante via de exposição humana a estes micropoluentes”, de acordo com um estudo de 2022.

Até os sacos de chá, muitos dos quais são feitos de plástico, podem libertar enormes quantidades de plástico. Investigadores da Universidade McGill, no Quebeque, Canadá, descobriram que a preparação de um único saquinho de chá de plástico libertava cerca de 11,6 mil milhões de microplásticos e 3,1 mil milhões de partículas nanoplásticas na água.

O arroz também é um dos culpados. Um estudo da Universidade de Queensland concluiu que, por cada 100 gramas (1/2 chávena) de arroz que as pessoas comem, consomem três a quatro miligramas de plástico - o número salta para 13 miligramas por porção no caso do arroz instantâneo. (Segundo os investigadores, é possível reduzir a contaminação por plástico em até 40% lavando o arroz. Isso também ajuda a reduzir o arsénico, que pode ser elevado no arroz).

Não nos esqueçamos da água engarrafada. Um litro de água - o equivalente a duas águas engarrafadas de tamanho normal - continha uma média de 240 mil partículas de plástico de sete tipos de plásticos, incluindo nanoplásticos, de acordo com um estudo de março de 2024.

Perigos para a saúde humana

Embora tenham sido encontrados microplásticos no pulmão humano, nos tecidos placentários maternos e fetais, no leite materno humano e no sangue humano, até há pouco tempo havia muito pouca investigação sobre a forma como estes polímeros afectam os órgãos e as funções do corpo.

Um estudo realizado em março de 2024 revelou que as pessoas com microplásticos ou nanoplásticos nas artérias do pescoço tinham duas vezes mais probabilidades de sofrer um ataque cardíaco, um acidente vascular cerebral ou de morrer por qualquer causa nos três anos seguintes do que as pessoas que não tinham nenhum.

Os nanoplásticos são o tipo de poluição plástica mais preocupante para a saúde humana, segundo os especialistas. Isto porque as minúsculas partículas podem invadir células e tecidos individuais nos principais órgãos, interrompendo potencialmente os processos celulares e depositando substâncias químicas desreguladoras do sistema endócrino, tais como bisfenóis, ftalatos, retardadores de chama, substâncias per e polifluoradas, ou PFAS, e metais pesados.

“Todos estes produtos químicos são utilizados no fabrico de plástico, por isso, se um plástico chega até nós, transporta consigo esses produtos químicos”, disse Sherri “Sam” Mason, directora de sustentabilidade da Penn State Behrend em Erie, Pensilvânia, à CNN numa entrevista anterior.

E como a temperatura do corpo é mais elevada do que a do exterior, esses produtos químicos vão migrar para fora do plástico e acabar no nosso corpo", disse Mason.

“Esses químicos podem ser transportados para o fígado, para os rins e para o cérebro e até atravessar a fronteira placentária e acabar num nascituro”, afirmou.

“Atualmente, não existe consenso científico sobre os potenciais impactos na saúde das partículas nano e microplásticas. Por conseguinte, os relatos dos meios de comunicação social baseados em suposições e conjecturas não fazem mais do que assustar desnecessariamente o público", disse anteriormente à CNN um porta-voz da Associação Internacional de Água Engarrafada, uma associação industrial.

Todos os tipos de proteínas continham microplásticos

No estudo de fevereiro, publicado na revista Environmental Research, os investigadores analisaram mais de uma dúzia de proteínas de consumo corrente, incluindo carne de vaca, camarão panado e outros tipos de camarão, peitos e nuggets de frango, carne de porco, marisco, tofu e várias alternativas de carne à base de plantas, como nuggets, crumbles de plantas semelhantes a carne moída e palitos de peixe à base de plantas.

O camarão panado continha, de longe, o maior número de pequenos plásticos, com uma média de 300 peças de microplástico por porção. Os nuggets à base de plantas ficaram em segundo lugar, com menos de 100 peças por porção, seguidos dos nuggets de frango, dos palitos de peixe pollock, do camarão branco do Golfo minimamente processado, do camarão rosa de Key West capturado fresco e de um palito de peixe à base de plantas.

As proteínas menos contaminadas foram os peitos de frango, seguidos das costeletas de lombo de porco e do tofu.

Depois de comparar os resultados com os dados de consumo dos consumidores, os investigadores estimaram que a exposição média dos adultos americanos aos microplásticos poderia variar entre 11 mil e 29 mil partículas por ano, com uma exposição máxima estimada de 3,8 milhões de microplásticos por ano.

Frutas e legumes testados com alto teor de plásticos

Os oceanos estão cheios de plásticos, e vários estudos captaram a forma como estes vão parar ao marisco que comemos. No entanto, menos estudos analisaram os vegetais e as proteínas de animais terrestres, como o gado e os porcos, de acordo com um estudo de agosto de 2020.

O estudo, publicado na revista Environmental Science, encontrou entre 52.050 e 233 mil partículas de plástico com menos de 10 micrómetros - cada micrómetro tem aproximadamente o diâmetro de uma gota de chuva - numa variedade de frutos e legumes.

As maçãs e as cenouras foram as frutas e os legumes mais contaminados, respetivamente, com mais de 100 mil microplásticos por grama. As partículas mais pequenas foram encontradas nas cenouras, enquanto os maiores pedaços de plástico foram encontrados na alface, que foi também o vegetal menos contaminado.

Os plásticos estão em todo o lado

De acordo com uma análise recente, existe atualmente um número impressionante de plásticos no mundo: 16 mil substâncias químicas plásticas, das quais pelo menos 4.200 são consideradas “altamente perigosas” para a saúde humana e para o ambiente.

À medida que estes produtos químicos se decompõem no ambiente, podem transformar-se em microplásticos e depois em nanoplásticos, partículas tão pequenas que a ciência se esforçou durante décadas para as ver.

Um estudo recente, que utilizou uma nova tecnologia, descobriu que o número de nanoplásticos em três marcas populares de água vendidas nos Estados Unidos se situa entre 110 mil e 370 mil por litro, se não for superior. (Os autores não quiseram mencionar as marcas de água engarrafada que estudaram).

Investigações anteriores, utilizando tecnologia mais antiga, tinham identificado apenas cerca de 300 nanoplásticos na água engarrafada, juntamente com microplásticos de maiores dimensões.

Existem pelo menos 16 mil substâncias químicas nos plásticos, das quais pelo menos 4 200 são consideradas "altamente perigosas" para a saúde humana e para o ambiente, segundo um estudo (Lisovskaya/iStockphoto/Getty Images)

Formas de reduzir o plástico

Os níveis de contaminação encontrados na água engarrafada reforçam os conselhos de longa data dos especialistas no sentido de beber água da torneira em recipientes de vidro ou de aço inoxidável para reduzir a exposição, afirmou Mason. Este conselho estende-se também a outros alimentos e bebidas embalados em plástico, acrescentou.

"As pessoas não pensam que os plásticos se desprendem, mas é verdade", afirmou. "Quase da mesma forma que estamos constantemente a perder células da pele, os plásticos estão constantemente a perder pequenos pedaços que se partem, como quando se abre o recipiente de plástico para a salada comprada na loja ou um queijo que é embrulhado em plástico.

Enquanto a ciência aprende mais sobre os plásticos que consumimos, há coisas que as pessoas podem fazer para reduzir a sua exposição, de acordo com os especialistas.

  • Tente evitar comer qualquer coisa que tenha sido armazenada num recipiente de plástico. Procure alimentos armazenados em vidro, esmalte ou folha de alumínio.
     
  • Use roupas feitas de tecidos naturais e compre produtos de consumo feitos de materiais naturais.
     
  • Não leve os alimentos ao micro-ondas em plástico. Em vez disso, aqueça os alimentos no fogão ou no micro-ondas em vidro.
     
  • Se puder, coma o máximo de alimentos frescos possível e limite a compra de alimentos processados e ultraprocessados embrulhados em plástico.

Relacionados

Vida Saudável

Mais Vida Saudável

Patrocinados