José Castelo Branco sai em liberdade mas fica proibido de se aproximar a menos de 1km de Betty Grafstein

8 mai, 20:09

Suspeito está ainda proibido de contactar com Betty e de visitá-la no hospital enquanto estiver internada. Tribunal de Sintra alertou Castelo Branco que qualquer violação das medidas de coação poderá justificar o respetivo agravamento das mesmas

Já são conhecidas as medidas de coação de José Castelo Branco. Perante as suspeitas de violência doméstica, o socialite sai em em liberdade, mas fica proibido de se aproximar a menos de um quilómetro de Betty Grafstein.

O juiz decretou a "proibição de contactos por qualquer meio com a vítima", a "proibição de permanecer, no estabelecimento hospitalar em que a mesma se encontre" e a "proibição de permanecer na residência que a vítima vier a ocupar quando tiver alta hospitalar ou de dela se aproximar, a menos de um quilómetro, com recurso a meios técnicos de controlo à distância".

José Castelo Branco pode ainda ausentar-se do país, não havendo qualquer proibição em sentido contrário.

O Tribunal de Sintra avisou ainda José Castelo Branco que a violação destas medidas de coacção poderá justificar o respetivo agravamento das medidas de coação.

As autoridades mantêm Castelo Branco como suspeito do crime de violência doméstica e vão prosseguir com a investigação.

À saída do tribunal, Fernando José Silva garantiu que Betty Grafstein não testemunhou contra José Castelo Branco e deu a entender que o socialite está a ser vítima do seu próprio mediatismo.

José Castelo Branco passou a última noite no Posto da GNR de Alcabideche, depois do interrogatório ter sido adiado por causa da greve de funcionários judiciais. Já esta quarta-feira, deslocou-se ao Tribunal de Sintra onde foi ouvido pelo juiz de instrução Criminal, Pedro Brito.

Betty Grafstein, internada desde 20 de abril

Recorde-se que a Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou na sexta-feira a receção de uma queixa contra José Castelo Branco por violência doméstica contra a mulher, Betty Grafstein, de 95 anos. Que está internada na CUF de Cascais desde 20 de abril com uma fratura e uma "ferida traumática".

A denúncia deu origem a um inquérito, com a investigação a realizar-se na Secção Integrada de Violência Doméstica de Sintra (SEIVD), no Departamento de Investigação e Ação Penal Regional de Lisboa.

Apesar de inicialmente se ter falado numa queda, Betty contou aos profissionais de saúde que foi empurrada pelo marido, o que motivou a queixa do hospital, já que se trata de um crime público. 

A direção da CUF de Cascais proibiu mesmo a entrada de José Castelo Branco na unidade para visitar a mulher. Segundo informações recolhidas pela CNN Portugal, o facto não impediu o negociador de arte de se dirigir à unidade hospitalar, tendo numa das vezes levado um saco com joias que pediu para entregaram a Betty, alegando que não precisava do dinheiro dela. A PSP terá sido chamada nessa situação.

Relacionados

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça

Patrocinados