Governo recolheu novas informações, mas continuem sem "qualquer indício" de linchamento de criança nepalesa

Agência Lusa , PP
17 mai, 23:02
"Vai para a tua terra", "Tu não és daqui": criança nepalesa de nove anos agredida por seis colegas em escola de Lisboa

"O caso está agora a ser acompanhado pelas autoridades competentes”, confirmou o Ministério da Educação

O Ministério da Educação, Ciência e Inovação (MECI) referiu esta sexta-feira, após ter recolhido novas informações, que “não há qualquer indício” que tenha ocorrido um linchamento contra uma criança nepalesa, numa escola do concelho da Amadora.

Em comunicado, o ministério liderado por Fernando Alexandre explicou que uma equipa do MECI reuniu hoje com a direção do Centro Padre Alves Correia (CEPAC), a "pedido desta instituição", que denunciou o caso da alegada agressão a uma criança nepalesa, com 9 anos.

O MECI adiantou que a direção do CEPAC relatou a sua versão do caso noticiado em 14 de maio, destacando que apresentou “detalhes e contornos distintos face à informação divulgada a um órgão de comunicação social”.

“Mesmo com as novas informações disponibilizadas pelo CEPAC, não há qualquer indício de ter ocorrido um “linchamento” na escola da Amadora indicada pela associação. O caso está agora a ser acompanhado pelas autoridades competentes”, sublinhou.

O ministério liderado por Fernando Alexandre garantiu ainda que “está atento e condena todos os casos de violência, sejam sobre crianças estrangeiras ou portuguesas, que obviamente têm de ser sempre denunciados”.

O Ministério Público abriu um inquérito à alegada agressão a uma criança nepalesa numa escola, mas esclareceu que a queixa apresentada não indica a nacionalidade da vítima, informou esta quinta-feira a Procuradoria-Geral da República (PGR).

Também em resposta à Lusa, a PSP tinha referido esta quinta-feira que não recebeu qualquer queixa por parte do CEPAC.

A Rádio Renascença noticiou na terça-feira que um menino nepalês de 9 anos foi agredido numa escola de Lisboa e que a denúncia foi feita pela diretora executiva de uma instituição da Igreja, o Centro Padre Alves Correia, que considerou que “as motivações dos outros menores foram xenófobas e racistas”.´

Na quarta-feira, o Ministério da Educação já tinha apontado que a escola, do concelho da Amadora, distrito de Lisboa, onde foi denunciada uma agressão violenta a uma criança nepalesa de 9 anos desconhecia “o alegado episódio” e que os únicos estudantes nepaleses do estabelecimento frequentam o ensino secundário.

Relacionados

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça

Patrocinados