É prima da dieta mediterrânica e é tradicional do norte de Portugal e do noroeste de Espanha: a dieta atlântica explicada

CNN , Sandee LaMotte
21 abr, 15:00
Comida

A dieta atlântica inclui peixe fresco, alguma carne vermelha, laticínios, leguminosas, vegetais frescos, batatas, pão integral e consumo moderado de vinho. Foca-se ainda nas interações sociais durante as refeições e caminhar ou andar de bicicleta diariamente

Inscreva-se para o Eat, But Better da CNN: Estilo Mediterrânico. O nosso guia em oito partes mostra-lhe um delicioso estilo de vida alimentar apoiado por especialistas que irá estimular a sua saúde para toda a vida.

A dieta tradicional do norte de Portugal e do noroeste de Espanha, conhecida como Dieta Tradicional Atlântica do Sul da Europa, ou, para abreviar, dieta atlântica, pode conter algumas pistas para uma melhor saúde do coração e um menor risco de morte precoce por cancro, doença cardíaca ou qualquer outra causa, de acordo com estudos realizados na Europa.

O último estudo, publicado recentemente na revista JAMA Network Open, concluiu que a dieta também reduziu modestamente a incidência da síndrome metabólica, uma combinação de pressão arterial mais elevada, açúcares no sangue, triglicéridos e gordura na barriga que aumenta o risco de doença arterial coronária, diabetes, acidente vascular cerebral (AVC) e outros problemas de saúde graves.

A dieta é baseada em alimentos cultivados ou encontrados nessa parte da Europa, tal como a sua famosa prima, a dieta mediterrânica.

"Este é um estudo importante porque confirma que os princípios da Dieta Mediterrânica Tradicional (que tem sido estudada mais intensamente) podem ser aplicados a outras culturas também", disse o principal investigador em nutrição, Walter Willett, professor de epidemiologia e nutrição na Harvard T.H. Chan School of Public Health e professor de medicina na Harvard Medical School em Boston, num e-mail. Ele não esteve envolvido no estudo.

Uma vez que é baseada em plantas e de origem local, a dieta atlântica também ajuda a proteger o planeta ao contribuir para os objetivos de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas, observaram os autores do estudo.

"Esta é uma boa demonstração de que uma dieta deste tipo, com ênfase no abastecimento local na medida do possível, oferece benefícios semelhantes tanto para as pessoas como para o planeta. É uma boa conclusão", disse David Katz, especialista em medicina preventiva e de estilo de vida que fundou a True Health Initiative, uma coligação global de especialistas dedicados à medicina de estilo de vida baseada em provas e sem fins lucrativos. Ele também não participou do estudo.

O que é a dieta atlântica?

A dieta atlântica inclui peixe fresco, especialmente bacalhau, com alguma carne vermelha e produtos de porco, laticínios, leguminosas, vegetais frescos, batatas tipicamente consumidas em sopas de vegetais, pão integral e consumo moderado de vinho. Embora algumas das ementas possam ser exclusivas desta região de Portugal e Espanha, é possível encontrar uma dieta semelhante em algumas regiões da Chéquia, da Polónia e do Reino Unido, afirmam os especialistas.

Em comparação, a premiada dieta mediterrânica é baseada em vegetais, com a maior parte de cada refeição centrada em frutas e legumes, cereais integrais, feijões e sementes, com alguns frutos secos e uma grande ênfase no azeite extra-virgem.

A carne vermelha é utilizada com moderação, normalmente apenas para dar sabor a um prato. Incentiva-se o consumo de peixe saudável e gordo, que está repleto de ácidos gordos ómega 3, enquanto os ovos, os laticínios e as aves são ingeridos em porções muito mais pequenas do que na dieta ocidental tradicional.

Tal como a dieta mediterrânica, a dieta atlântica foca-se na comida caseira servida em família, com ênfase nas interações sociais entre amigos e familiares. Comer com atenção, socializar durante as refeições e caminhar ou andar de bicicleta diariamente constituem a base da dieta mediterrânica - considerada tão ou mais importante do que os alimentos consumidos.

"Encorajamos pelo menos 20 minutos por refeição" de alimentação e socialização conscientes, disse à CNN o dietista registado em Atlanta, Rahaf Al Bochi, numa entrevista anterior sobre a dieta mediterrânica.

"Compreendo que pode ser difícil para muitas pessoas implementarem, mas comecem por pequenas coisas", disse Al Bochi, uma porta-voz da Academia de Nutrição e Dietética. "Desligue a televisão, guarde o telemóvel, concentre-se em conversas significativas, mastigue devagar e faça uma pausa entre as dentadas. Isso pode ser o início da sua jornada de alimentação consciente".

A investigação está a crescer

Um estudo publicado em dezembro de 2023 revelou que uma elevada adesão à dieta atlântica, também conhecida como dieta atlântica do sul da Europa, reduziu o risco de morte por qualquer causa ao longo de um período de 14 anos em Espanha, na Chéquia, na Polónia e no Reino Unido para pessoas sem doenças crónicas graves. A dieta também reduziu o risco de morte por doenças cardiovasculares e cancro nos cerca de 36.000 participantes no estudo com idades compreendidas entre os 18 e os 96 anos.

Estudos anteriores apontam para algumas das razões pelas quais estes grupos de alimentos podem ser benéficos, afirmam os autores. Comer mais peixe, leguminosas e vegetais está associado a níveis mais baixos de proteína C-reativa, um sinal de inflamação no organismo.

Os peixes gordos como o salmão, o bacalhau, a truta e o arenque estão repletos de ácidos gordos ómega 3, saudáveis para o coração (LauriPatterson/E+/Getty Images)

O consumo de bacalhau, leguminosas e vegetais foi benéfico para a redução da tensão arterial, enquanto o peixe em geral ajuda a reduzir os níveis de triglicéridos, uma gordura no sangue que contribui para o endurecimento das artérias e para as doenças cardíacas.

Outros estudos demonstraram que uma dieta maioritariamente atlântica pode reduzir a insulina, a resistência à insulina, a pressão arterial sistólica, o colesterol total, o índice de massa corporal (IMC) e o perímetro da cintura. E um estudo de 2021 concluiu que a adesão à dieta atlântica durante três anos produziu um risco 14% menor de morte precoce por qualquer causa ao longo de 10 anos em adultos com mais de 60 anos.

No entanto, outros estudos demonstraram que nem todos os grupos de alimentos da dieta tradicional atlântica são benéficos. O peixe, as leguminosas, os vegetais e os cereais integrais foram associados a uma redução do risco de morte por qualquer causa em duas meta-análises recentes. Mas o consumo de laticínios e batatas não foi, enquanto que comer carne vermelha e processada aumentou o risco.

As carnes vermelhas e processadas, incluindo os produtos à base de carne de porco, demonstraram em vários estudos aumentar o risco de doenças cardiometabólicas e de cancro, especialmente o cancro do cólon, enquanto que as batatas podem favorecer o risco de diabetes tipo 2.

Vida Saudável

Mais Vida Saudável

Patrocinados