Juíza diz que Presidente da República não foi "neutro" no caso das gémeas

21 jun, 11:25
Marcelo Rebelo de Sousa (LUSA/EPA)

REVISTA DE IMPRENSA || Magistrada considera que Marcelo poderia ser investigado por coautoria no crime de prevaricação

A juíza de Instrução do processo das gémeas luso-brasileiras diz que o Presidente da República não teve um comportamento "neutro” e defende que a atuação de Marcelo Rebelo de Sousa no caso deveria ter conduzido a uma investigação do Ministério Público.

A posição de Gabriela Assunção consta do despacho enviado ao Supremo Tribunal, documento a que o semanário "Expresso" teve acesso.

Segundo o jornal, a juíza considera que Marcelo poderia ser investigado por coautoria no crime de prevaricação, que é imputado ao filho, um dos três arguidos do caso.

No despacho, a magistrada lembra que Nuno Rebelo de Sousa não desempenha qualquer cargo público e "nunca poderia intervir no exercício das suas funções".

O requerimento da juíza de Instrução Criminal foi chumbado tanto pelo Supremo como pelo Ministério Público.

No caso das gémeas luso-brasileiras tratadas no SNS com um medicamento que custou quatro milhões de euros foram constituídos três arguidos:  além do filho de Marcelo, também o ex-secretário de Estado da Saúde Lacerda Sales e o antigo diretor clínico do hospital de Santa Maria.

Relacionados

Política

Mais Política

Mais Lidas

Patrocinados