É a primeira taxa de carbono do mundo sobre o gado: cada vaca custará 90€ por ano aos agricultores pela emissão de gases

CNN , Hanna Ziady
3 jul, 08:00
Manada de vacas. Gado bovino. Foto Michal Fludra/NurPhoto/Getty Images

A primeira experiência é na Dinamarca. Agricultores falam de "experiência assustadora"

Os produtores de leite da Dinamarca vão ter de pagar um imposto anual de 672 coroas (90 euros) por vaca por causa das emissões de gases com efeito de estufa que geram.

O governo de coligação do país concordou esta semana em introduzir a primeira taxa do mundo sobre as emissões de carbono na agricultura. A partir de 2030, serão cobradas novas taxas sobre o gado.

A Dinamarca é um grande exportador de lacticínios e de carne de porco e a agricultura é a maior fonte de emissões do país. O acordo da coligação - que também implica o investimento de 40 mil milhões de coroas (5,4 mil milhões de euros) em medidas como a reflorestação e a criação de zonas húmidas - visa ajudar o país a atingir os seus objectivos climáticos.

"Com o acordo de hoje, estamos a investir milhares de milhões na maior transformação da paisagem dinamarquesa dos últimos tempos", afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros, Lars Lokke Rasmussen, numa declaração na terça-feira. "Ao mesmo tempo, seremos o primeiro país do mundo com um imposto (de carbono) sobre a agricultura".

A indústria dinamarquesa de lacticínios acolheu favoravelmente o acordo e os seus objectivos, mas irritou alguns agricultores.

A medida surge poucos meses depois de os agricultores terem realizado protestos em toda a Europa, bloqueando estradas com tratores e enchendo o Parlamento Europeu de ovos, devido a uma longa lista de queixas, incluindo reclamações sobre a regulamentação ambiental e o excesso de burocracia.

O sistema alimentar mundial contribui em grande medida para a crise climática, produzindo cerca de um terço das emissões de gases com efeito de estufa.

A criação de gado tem um impacto particularmente grande, sendo responsável por cerca de 12% das emissões globais em 2015, de acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura. Uma parte desta poluição provém do metano, um gás potente que aquece o planeta, produzido pelas vacas e outros animais através dos seus arrotos, gases expelidos e estrume.

Reduzir as emissões da pecuária

A taxa, que deverá ser aprovada pelo parlamento dinamarquês ainda este ano, ascenderá a 300 coroas (40 euros) por tonelada de emissões de CO2 equivalentes provenientes da pecuária a partir de 2030, aumentando para 750 coroas (100 euros ) em 2035.

Será aplicada uma redução fiscal de 60%, o que significa que será efetivamente cobrada aos agricultores uma taxa de 120 coroas (16 dólares) por tonelada de emissões do gado por ano a partir de 2030, aumentando para 300 coroas (40 euros) em 2035.

Em média, as vacas leiteiras dinamarquesas, que representam grande parte da população bovina, emitem 5,6 toneladas de equivalente CO2 por ano, de acordo com o Concito, um grupo de reflexão ecológico da Dinamarca. Utilizando a taxa de imposto mais baixa, de 120 coroas, obtém-se um custo de 672 coroas por vaca, ou seja, 90 euros.

Com o desagravamento fiscal em vigor, essa taxa aumentará para 1.680 coroas por vaca em 2035 (225 euros).

Nos primeiros dois anos, as receitas do imposto serão utilizadas para apoiar a transição ecológica do sector agrícola, sendo depois reavaliadas.

"O objetivo da taxa é levar o sector a procurar soluções para reduzir as emissões", disse à CNN Torsten Hasforth, economista-chefe da Concito. Por exemplo, os agricultores poderiam mudar a ração que utilizam.

Mas o grupo de agricultores dinamarquês Bæredygtigt Landbrug disse que as medidas equivalem a uma "experiência assustadora".

"Acreditamos que o acordo é pura burocracia", afirmou o presidente Peter Kiær em comunicado. "Reconhecemos que existe um problema climático... Mas não acreditamos que este acordo vá resolver os problemas, porque vai colocar areia na engrenagem dos investimentos verdes da agricultura".

Peder Tuborgh, diretor executivo da Arla Foods, o maior grupo europeu de produtos lácteos, afirmou que o acordo é "positivo", mas que os agricultores que "fazem verdadeiramente tudo o que podem para reduzir as emissões" não devem ser sujeitos a um imposto.

"É essencial que a base tributária de um imposto (sobre o carbono) se baseie apenas nas emissões para as quais existem meios de as eliminar", acrescentou em comunicado.

Kristian Hundeboll, Diretor Executivo do Grupo DLG, uma das maiores empresas agrícolas da Europa e uma cooperativa de 25 mil agricultores dinamarqueses, afirmou que é "crucial para a competitividade" que o imposto esteja "ancorado" na legislação da União Europeia. "Nem o clima, nem a agricultura, nem as indústrias conexas beneficiam do facto de a Dinamarca agir unilateralmente", afirmou.

 

Laura Paddison contribuiu para este artigo.

Europa

Mais Europa

Mais Lidas

Patrocinados