Saiba tudo sobre o Euro aqui

Exclusivo. Imagens de satélite mostram caças russos e edifícios destruídos na base aérea da Crimeia

CNN , Paul P. Murphy e Helen Regan
17 mai, 10:49
Imagens de satélite exclusivas da CNN mostram caças e um edifício destruídos na base aérea de Belbek, na Crimeia, a 15 de maio de 2024. Imagem de satélite ©2024 Maxar Technologies

É a segunda vez que a base aérea de Belbek foi alvo dos ucranianos nas últimas 48 horas

Imagens de satélite obtidas em exclusivo pela CNN mostram três caças russos destruídos e edifícios danificados na base aérea de Belbek, na cidade portuária ocupada de Sevastopol, na quarta-feira.

As perdas materiais ocorrem após dois dias de ataques ucranianos a Sebastopol, na Crimeia, que foi ilegalmente anexada pela Rússia em 2014.

Nas imagens captadas pela empresa de imagens de satélite norte-americana BlackSky e pela empresa de tecnologia espacial Maxar podem ver-se dois caças queimados na linha de voo principal em Belbek, para além de um terceiro estacionado num aterro. As imagens de satélite também mostram um edifício destruído nas proximidades e outro que sofreu danos significativos.

Mikhail Razvozhaev, o governador de Sebastopol nomeado pela Rússia, disse no Telegram na sexta-feira que os russos “repeliram com sucesso um ataque inimigo maciço a Sebastopol”. Razvozhaev disse que “dezenas” de veículos aéreos não tripulados e “mais de cinco drones marítimos foram destruídos”. A cidade sofreu um corte parcial de energia devido à queda de destroços de drones numa subestação eléctrica, acrescentou.

É a segunda vez que Belbek foi alvo dos ucranianos nas últimas 48 horas.

Quando questionado sobre um possível ataque ucraniano a Belbek, Dmytro Pletenchuk, o porta-voz do exército ucraniano do Sul foi evasivo. “Não podemos anunciar quaisquer detalhes neste momento porque não há informações verificadas neste momento”, disse na quinta-feira. A CNN contactou o exército ucraniano para obter mais informações.

Imagens de satélite exclusivas da CNN mostram caças russos e edifício destruídos na base aérea de Belbek, na Crimeia, a 15 de maio de 2024. Imagem de satélite ©2024 Maxar Technologies

 

Imagens de satélite exclusivas da CNN mostram caças russos e edifício destruídos na base aérea de Belbek, na Crimeia, a 15 de maio de 2024. Imagem de satélite ©2024 Maxar Technologies

Um grupo ucraniano insurgente na Crimeia, Atesh, afirmou no Telegram, após o segundo ataque, que um armazém de artilharia no aeródromo de Belbek foi danificado.

“Também foram registados danos significativos nas infraestruturas do aeródromo na sequência da detonação secundária”, indicou.

Mas nenhuma das imagens de satélite vistas pela CNN mostra sinais de que um armazém de mísseis ou de armas de artilharia tenha sido atingido, ou que tenham ocorrido detonações secundárias.

Embora Moscovo pareça ter levado a melhor na sua campanha terrestre mais recentemente, as forças de Kiev têm tido sucessos sustentados no que respeita à frota russa do Mar Negro, quer através de ataques com mísseis, quer através de ataques com drones marítimos.

Em março, a Ucrânia disse ter atingido dois navios russos, bem como um centro de comunicações e várias outras instalações pertencentes à Frota do Mar Negro, num enorme ataque noturno. Segundo a Ucrânia, os navios atingidos foram dois navios de desembarque anfíbio, o Yamal e o Azov.

Mais de 20 navios da marinha russa foram já desativados ou destruídos, um terço de toda a frota. Embora a Ucrânia não disponha praticamente de marinha própria, a inovação tecnológica, a audácia e a incompetência russa deram-lhe vantagem em grande parte do Mar Negro. Em outubro do ano passado, imagens de satélite indicavam que a Rússia tinha deslocado alguns dos seus navios para longe de Sebastopol, após uma série de ataques ucranianos.

Imagens de satélite exclusivas da CNN mostram caças russos e edifício destruídos na base aérea de Belbek, na Crimeia, a 15 de maio de 2024. Imagem de satélite ©2024 Maxar Technologies
Imagens de satélite exclusivas da CNN mostram caças russos e edifício destruídos na base aérea de Belbek, na Crimeia, a 15 de maio de 2024. Imagem de satélite ©2024 Maxar Technologies

Rússia avança na Ucrânia

O ataque a Belbek ocorre num momento em que a Rússia avança no nordeste da Ucrânia, levando o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, a adiar a sua participação em todos os eventos internacionais nos próximos dias, enquanto as suas tropas se defendem da ofensiva surpresa na região de Kharkiv.

A ofensiva é o mais grave ataque terrestre transfronteiriço desde que a Ucrânia recapturou a região de Kharkiv no final do verão de 2022. A ofensiva ocorre num momento em que os ucranianos lutam com forças pouco numerosas, artilharia e defesas aéreas inadequadas, enquanto aguardam munições e armas muito necessárias, prometidas como parte de um pacote de financiamento militar dos EUA, há muito adiado, no valor de 2 mil milhões de dólares.

As forças russas tomaram o controlo de mais de nove aldeias próximas da fronteira desde o início da ofensiva de Moscovo. A cidade de Vovchansk, cerca de 60 quilómetros a nordeste de Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia, é palco de algumas das batalhas mais intensas.

No entanto, a NATO acredita que as tropas russas não têm o número necessário para um avanço “estratégico” em Kharkiv, disse na quinta-feira um comandante sénior da aliança militar.

O general Christopher Cavoli, Comandante Supremo Aliado na Europa, disse numa conferência de imprensa em Bruxelas que, embora os russos tenham a “capacidade de fazer avanços locais”, “não têm a habilidade e a capacidade para o fazer, para operar à escala necessária para explorar qualquer avanço com vantagem estratégica”.

Zelensky reuniu-se com altos responsáveis militares em Kharkiv, na quinta-feira. Zelensky descreveu um cenário “extremamente difícil” para as tropas de Kiev no terreno, onde a Ucrânia “está a reforçar” as suas unidades.

O presidente russo Vladimir Putin encontrou-se com o líder chinês Xi Jinping em Pequim, na quinta-feira, e os dois comprometeram-se a aprofundar a sua parceria estratégica, numa demonstração clara do seu crescente alinhamento.

A economia russa tem vindo a tornar-se cada vez mais dependente da China desde a invasão da Ucrânia por Putin e uma declaração conjunta abrangente definiu o alinhamento dos dois países numa série de questões, incluindo energia, comércio, segurança e geopolítica, com referências específicas à Ucrânia.

*Radina Gigova, Maria Kostenko, Alex Hardie e Simone McCarthy contribuíram para este artigo

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados