Caso das gémeas. Filho de Marcelo recusa ser ouvido pelos deputados

18 jun, 20:32

A TVI, do mesmo grupo da CNN Portugal, apurou que o advogado de Nuno Rebelo de Sousa fez saber ao Parlamento que o seu cliente não está disponível para prestar declarações nem enviar documentos à Comissão Parlamentar de Inquérito

O filho do Presidente da República recusa ser ouvido na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) às gémeas luso-brasileiras, tão-pouco vai enviar documentos aos deputados, sabe a TVI, do mesmo grupo da CNN Portugal.

Nuno Rebelo de Sousa invoca o facto de ser um dos visados no processo-crime sobre o caso para dizer que só pretende depor perante o Ministério Público, terá argumentado o seu advogado, Rui Patrício, junto da CPI.

O filho de Marcelo foi notificado para esclarecer o país sobre o papel que teve no caso das gémeas perante os deputados e respondeu, através do seu advogado, que "não pretenderá (...) prestar qualquer depoimento na comissão parlamentar de inquérito em causa ou fornecer qualquer esclarecimento ou ponderar fornecer qualquer documento, e, aliás, não apenas perante a CPI, mas perante qualquer outra entidade que não a entidade do (...) inquérito criminal, (...) o Ministério Público". 

Uma justificação que poderá não ser aceite, apurou a TVI. Isto porque em causa pode estar um crime de desobediência qualificada, que, de acordo com o regimento, terá de ser transmitido ao Ministério Público.

Desde novembro do ano passado, altura em que a TVI e a CNN Portugal revelaram a alegada cunha presidencial, Nuno Rebelo de Sousa remeteu-se sempre ao silêncio. 

Seis meses depois, o Presidente da República confessou que cortou relações com o filho após a polémica. 

Nuno Rebelo de Sousa é a chave deste caso que envolve quatro milhões de euros do erário público, tal como a mãe das gémeas que fez estalar a polémica quando admitiu que foi através dos contactos com o chefe de Estado que conseguiu ter acesso ao medicamento, então o mais caro do mundo.

Relacionados

País

Mais País

Patrocinados