China tem plano para conquistar Taiwan sem precisar de invadir. Mas há dois riscos: guerra com EUA e crise mundial

CNN , Brad Lendon
24 jun, 22:00
Taiwan (fonte Getty)

A ideia passa por criar uma zona cinzenta, uma espécie de área de "quarentena" em torno da ilha e fazê-la capitular pela escassez de recursos e economicamente. Ainda se lembra dos impactos da crise dos semicondutores - peças presentes em todos os aparelhos eletrónicos? Taiwan é um dos principais exportadores destes componentes à escala global

As forças armadas chinesas podem estar a preparar-se para isolar Taiwan, paralisar a sua economia e fazer com que a ilha democrática sucumba à vontade do Partido Comunista de Pequim, no poder, tudo isto sem nunca disparar um tiro, o alerta vem de um importante grupo de reflexão norte-americano.

Os receios de que o Partido Comunista possa cumprir a sua promessa de um dia assumir o controlo de Taiwan, pela força se necessário, têm sido intensificados nos últimos anos pelas ações cada vez mais bélicas do líder chinês Xi Jinping em relação à ilha auto-governada.

Sendo que a recusa da China em condenar a invasão da Ucrânia pela Rússia só veio aumentar esses receios.

Num tal cenário, os analistas e estrategas militares há muito que se concentram nas duas principais opções disponíveis para a China - uma invasão em grande escala ou um bloqueio militar.

Mas um grupo de reflexão de Washington, o Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS), alerta para a existência de uma terceira via, que tornará muito mais difícil aos Estados Unidos e a outras democracias com ideias semelhantes contrariar: esta quarentena.

Recorrendo a táticas de "zona cinzenta" - ações que se situam um pouco abaixo do que podem ser consideradas atos de guerra - a Guarda Costeira da China, a sua chamada milícia marítima e várias agências policiais e de segurança marítima poderiam iniciar uma quarentena total ou parcial de Taiwan, possivelmente cortando o acesso aos seus portos e impedindo que fornecimentos vitais, como a energia, cheguem aos 23 milhões de habitantes da ilha, segundo um relatório recentemente publicado pelo CSIS (Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais).

Um navio de guerra chinês navega nas águas perto da ilhota de Pengjia, no norte de Taiwan, nesta imagem de divulgação divulgada a 23 de maio de 2024. (Guarda Costeira de Taiwan/Handout/Reuters)

Os ramos naval, aéreo e terrestre do Exército Popular de Libertação (PLA, sigla em inglês), a maior força militar do mundo, poderão desempenhar apenas papéis auxiliares e de apoio, escrevem os autores Bonny Lin, Brian Hart, Matthew Funaiole, Samantha Lu e Truly Tinsley.

"A China tem aumentado significativamente a pressão sobre Taiwan nos últimos anos, alimentando o receio de que as tensões possam explodir num conflito total. Tem sido dada muita atenção à ameaça de uma invasão, mas Pequim tem outras opções para além da invasão, como coagir, punir ou anexar Taiwan", refere o relatório.

Gráfico: Henrik Pettersson, CNN

Na cimeira de Defesa do Diálogo de Shangri-La, realizada em Singapura no início deste mês, o Ministro da Defesa chinês, Almirante Dong Jun, avisou que aqueles que apoiam quaisquer movimentos a favor da independência de Taiwan "acabarão por se autodestruir".

"Tomaremos medidas resolutas para travar a independência de Taiwan e garantir que tal plano nunca seja bem sucedido", disse Dong, falando através de um tradutor, enquanto criticava as "forças externas interferentes" por venderem armas e terem "contatos oficiais ilegais" com Taiwan.

A escalada das táticas chinesas na zona cinzenta foi claramente demonstrada nos últimos dias, quando navios da Guarda Costeira da China entraram em confronto com barcos da Marinha das Filipinas no Mar do Sul da China.

Vídeos mostraram as tropas de Pequim a ameaçar os filipinos com um machado e outras armas brancas, e Manila afirmou que um dos seus soldados perdeu um polegar numa colisão provocada pela China.

O nível de violência foi muito superior aos anteriores confrontos perto de Second Thomas Shoal, onde as Filipinas mantêm um posto avançado num navio de guerra encalhado em águas reivindicadas por Pequim e Manila.

Da mesma forma, a intimidação militar e económica de Pequim sobre Taiwan, uma economia de mercado livre altamente desenvolvida, tornou-se muito mais pronunciada durante o governo de Xi.

O Partido Comunista da China, no poder, reivindica a ilha como sua, apesar de nunca a ter controlado, e prometeu "reunificá-la", pela força, se necessário.

Mas o relatório do CSIS diz que Pequim tem opções fortes que poderiam não só manter o PLA fora da luta, mas também colocar a democracia da ilha ou os seus apoiantes, como os Estados Unidos, no papel de iniciadores de um conflito militar para preservar a autonomia de Taiwan.

O relatório refere que a Guarda Costeira da China - tal como a maioria das guardas costeiras em todo o mundo - é considerada uma agência de aplicação da lei. Isto significa que pode parar e regular a navegação à volta da ilha no que se designa por quarentena, o que difere em larga escala de um bloqueio.

"Uma quarentena (é) uma operação de aplicação da lei para controlar o tráfego marítimo ou aéreo dentro de uma área específica, enquanto um bloqueio é sobretudo de natureza militar", diz o relatório.

O direito internacional considera o bloqueio um ato de guerra, segundo os especialistas.

"Uma quarentena conduzida pela guarda costeira da China não é uma declaração de guerra contra Taiwan", diz o relatório, e colocaria os EUA numa posição difícil, advertem os seus autores.

Washington é legalmente obrigado - ao abrigo da Lei das Relações com Taiwan - a fornecer à ilha os meios para se defender e fornece-lhe armamento defensivo.

O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, foi mais longe do que a obrigação legal, afirmando repetidamente que utilizaria tropas americanas para proteger Taiwan, um aviso que parece desviar-se da anterior posição de Washington de "ambiguidade estratégica" e que os responsáveis da Casa Branca voltaram atrás.

Mas se os navios ou aviões militares americanos interviessem no que a China diz ser uma operação de aplicação da lei, os EUA poderiam ser vistos como iniciando hostilidades militares.

Segundo o relatório, a Guarda Costeira da China conta com 150 navios oceânicos e 400 navios mais pequenos, tal como a Marinha do PLA, a maior força do mundo em termos de dimensão da frota. Pequim tem centenas de outros navios na sua Agência de Segurança Marítima e na milícia marítima, barcos de pesca integrados nos serviços militares e policiais da China.

A guarda costeira de Taiwan, com apenas dez navios de alto mar e cerca de 160 navios mais pequenos, não tem capacidade para fazer recuar uma ação de quarentena, diz o relatório.

Os autores do CSIS observam que as ações de quarentena tomadas por Pequim podem ser extremamente limitadas e, ainda assim, ter o efeito de estrangular economicamente Taiwan. Poucos operadores quereriam enfrentar a possibilidade de verem os seus bens apreendidos pelas autoridades chinesas e poderiam voluntariamente deixar de prestar serviços à ilha.

"A demonstração da vontade chinesa de efetuar buscas e apreender apenas um punhado de navios comerciais poderia ter um impacto dissuador desproporcionado e desencorajar transgressões semelhantes", afirma o relatório.

As ações limitadas de busca e/ou apreensão têm um efeito nos voos para Taiwan, uma vez que a quarentena pode ser facilmente alargada ao ar, afirma o relatório.

De acordo com o documento, bastaria que um pequeno número de voos fosse avisado por aviões chineses para que o tráfego aéreo fosse sufocado.

A China faz regularmente voos com aviões militares à volta da ilha, por vezes dezenas num dia. Nas 24 horas que terminaram às 6:00 de dia 21 de junho, 36 aviões militares chineses atravessaram a zona de identificação da defesa aérea de Taiwan, segundo o Ministério da Defesa de Taiwan.

Entretanto, uma quarentena, em vez de um bloqueio, não exigiria que a China fechasse ou restringisse o acesso ao Estreito de Taiwan, refere o relatório do CSIS. Isto significa que Washington e os seus aliados poderiam perder uma das suas maiores reivindicações para intervir ao abrigo do direito internacional, preservando a liberdade de navegação numa via navegável internacional.

"Se a quarentena for apresentada como uma operação de aplicação da lei, a China pode facilmente anunciar o fim da operação e alegar que os seus objetivos foram atingidos", diz o relatório.

Guindastes de pórtico no porto de Taichung, em Taichung, Taiwan, na quinta-feira, 23 de maio de 2024. (An Rong Xu/Bloomberg/Getty Images)

Para manter as coisas ainda mais discretas, a China pode nem sequer precisar de usar a palavra "quarentena" para iniciar uma operação de isolamento de Taiwan, dizem os autores.

Ao afirmar que Taiwan é território chinês, Pequim poderia exigir a apresentação de declarações aduaneiras antes de os navios poderem fazer escala em Taiwan. Para os que não cumprirem, estes mecanismos de aplicação da lei poderão ter um efeito inibidor em toda a navegação.

"Os navios chineses responsáveis pela aplicação da lei serão autorizados a abordar os navios, a efetuar inspeções no local, a interrogar o pessoal e a tomar outras medidas contra os navios não conformes", refere o relatório.

Esta ideia permite que a China tenha um âmbito de atuação limitado. Por exemplo, poderia visar apenas o porto mais movimentado da ilha, Kaohsiung, responsável por 57% das importações marítimas de Taiwan e pela maior parte das suas importações de energia, de acordo com o estudo.

Plausível, mas ainda assim repleto de riscos para a China

Os analistas externos que analisaram o relatório do CSIS e falaram com a CNN consideraram-no plausível. Mas, também têm dúvidas importantes sobre o desenrolar da situação.

Alguns referiram que os aspetos económicos não jogam necessariamente a favor de Pequim.

"A manutenção da quarentena será dispendiosa e demorada", disse Carl Schuster, antigo diretor de operações do Centro Conjunto de Informações do Comando do Pacífico dos EUA.

"Taipé não vai desistir em menos de 60 dias", afirma Schuster. "Poderá Pequim suportar o esforço e a possível reação internacional durante tanto tempo?"

Os esforços para perturbar o status quo no Estreito de Taiwan podem prejudicar ainda mais o comércio externo de Pequim, alertam os especialistas.

Alessio Patalano, professor de guerra e estratégia no King's College, em Londres, salienta ainda os desafios que o Partido Comunista Chinês já enfrenta, com uma economia que ainda luta para recuperar do isolamento provocado pela Covid-19, que fez cair as taxas de crescimento, e novas restrições comerciais, como os direitos aduaneiros sobre as exportações de veículos elétricos.

Taiwan é uma economia industrializada proeminente, um nó crucial nas cadeias de abastecimento globais e um fabricante da grande maioria dos semicondutores mais avançados do mundo. Uma quarentena na ilha teria repercussões económicas não só a nível interno, mas também a nível mundial.

Embora a maior parte das nações reconheça diplomaticamente que Pequim detém o poder sobre Taiwan, a ilha tem vindo a estabelecer relações não oficiais cada vez mais fortes com as principais democracias ocidentais, tendo aprofundado esses laços nos últimos anos, à medida que as ameaças de Pequim se foram agravando.

Taiwan e a China estão também profundamente interligadas do ponto de vista económico. No ano passado, 35% das exportações da ilha destinaram-se à China continental, na sua maioria circuitos integrados, células solares e componentes eletrónicos, de acordo com o Ministério dos Assuntos Económicos de Taiwan.

As importações da China continental representaram 20% do total das importações da ilha no mesmo ano. Entre 1991 e 2022, as empresas taiwanesas investiram um total de 203 mil milhões de dólares no continente, de acordo com as estatísticas do governo de Taiwan, criando milhões de postos de trabalho na China.

Além disso, as quarentenas podem levar as populações a unir-se ao governo, em vez de se revoltarem contra ele, diz Sidharth Kaushal, investigador sénior do Royal United Services Institute em Londres.

"As provas históricas mostram que mesmo os bloqueios severos têm um valor coercivo limitado, e uma quarentena limitada pode resultar num efeito de união em torno da bandeira", afirma.

Uma quarentena poderia também levar o governo de Taiwan a declarar a independência, algo que Pequim tem repetidamente afirmado que provavelmente provocaria um conflito armado, alerta Kaushal.

"Isto deixaria o Partido Comunista com a opção de uma escalada ou de um grande revés", afirma.

Patalano diz que, para a China, a paciência é a chave para realizar o seu objetivo de "reunificação".

A escalada, e certamente a invasão, não é "eficiente em termos de custos", diz ele. A guerra custa não só vidas mas também riqueza nacional.

Relacionados

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados