Zaporizhzhia: mísseis russos matam sete pessoas, incluindo duas crianças. "É preciso destruir os terroristas onde eles estão", responde Zelensky

CNN Portugal , HCL
29 jun, 20:03
Atawque russo

Foram disparados dois mísseis contra a cidade de Vilniansk. Para dar a volta à guerra, alerta o presidente ucraniano, é preciso atacar com uma verdadeira capacidade de longo alcance

As forças russas dispararam este sábado mísseis contra a cidade de Vilniansk, nos arredores de Zaporizhzhia, no sudeste do país. O ataque matou sete pessoas, incluindo duas crianças, e feriu outras 18, segundo as autoridades. Ao mesmo tempo, o presidente Volodymyr Zelensky reiterou o seu apelo aos aliados para que forneçam à Ucrânia mais armas de longo alcance e reforcem as defesas aéreas, a fim de pôr termo ao que, segundo ele, são ataques diários. 

O Procurador-Geral da Ucrânia, Andriy Kostin, afirmou que foram disparados dois mísseis contra a cidade, danificando infra-estruturas, uma loja e edifícios residenciais. 

O ministro do Interior, Ihor Klymenko, calculou em sete o número de mortos, incluindo duas crianças, e em 18 o número de feridos, incluindo quatro crianças. "Hoje, o inimigo levou a cabo mais um terrível ato terrorista contra a população civil", declarou o governador da região de Zaporizhzhia, Ivan Fedorov, num vídeo publicado na aplicação de mensagens Telegram.

O ataque ocorreu "a meio do dia, um dia não útil, no centro da cidade, onde as pessoas estavam a relaxar, onde não havia alvos militares", disse Fedorov. Zelensky publicou fotos do local mostrando uma grande cratera, árvores derrubadas e um par de lonas espalhadas no chão do que parecia ser um parque. 

"As nossas cidades e comunidades sofrem diariamente com estes ataques russos. Mas há formas de ultrapassar isto", escreveu Zelensky no Telegram. "Destruir os terroristas onde eles estão. Destruir os lançadores de mísseis russos, atacar com uma verdadeira capacidade de longo alcance e aumentar o número de sistemas modernos de defesa aérea na Ucrânia" são formas de defender o país de tais ataques, disse o presidente ucraniano.

“As decisões de que necessitamos devem ser aceleradas. Qualquer atraso nas decisões nesta guerra significa a perda de vidas humanas”, defendeu Zelensky, apelando à entrega de armas.

Moscovo já atacou Zaporizhzhia e cidades vizinhas várias vezes desde que a sua ofensiva na Ucrânia começou em 2022, mas nas últimas semanas concentrou os seus esforços principalmente no leste do país e não no sul.

 

Europa

Mais Europa

Patrocinados