Costa "certamente" não quis desvalorizar a importância da transparência e corrupção

Agência Lusa , MJC
10 jul, 18:29
Presidente Marcelo Rebelo de Sousa na segunda reunião do "Pacto Mais e Melhores Empregos para os Jovens" (Lusa/António Pedro Santos)

Marcelo Rebelo de Sousa falava a propósito da exoneração do secretário de Estado da Defesa, Marco Capitão Ferreira, constituído arguido no âmbito do processo "Tempestade Perfeita", que levou a buscas no Ministério da Defesa

O Presidente da República considerou esta segunda-feira que o primeiro-ministro não pode ter pretendido desvalorizar a importância da transparência e da corrupção para os portugueses, que "certamente isso foi um mal entendido".

Marcelo Rebelo de Sousa falava aos jornalistas no fim de uma iniciativa no antigo picadeiro real, junto ao Palácio de Belém, em Lisboa, a propósito da exoneração do secretário de Estado da Defesa, Marco Capitão Ferreira, constituído arguido no âmbito do processo "Tempestade Perfeita", que levou a buscas no Ministério da Defesa.

Sem se pronunciar sobre este caso em concreto, o chefe de Estado defendeu que os portugueses "são muito sensíveis à transparência e à corrupção, mas à transparência em geral". "Não é possível separar a visão da inflação, a situação económica, a situação social da ideia que os portugueses têm sobre o uso de dinheiros públicos, porque são dinheiros deles", argumentou Marcelo Rebelo de Sousa.

Interrogado se não interpretou as palavras do primeiro-ministro, António Costa, como uma desvalorização deste caso, respondeu: "Eu nunca diria que ele teria dito que a transparência ou a corrupção não era importante para os portugueses. Certamente não o disse". Segundo o Presidente da República, "certamente isso foi um mal entendido, porque ninguém iria desvalorizar uma realidade dessas".

No sábado, antes de uma reunião informal do Conselho de Ministros, em Sintra, o primeiro-ministro não comentou a exoneração de Marco Capitão Ferreira do cargo de secretário de Estado da Defesa, apelando a que se deixe "a justiça funcionar".

"Nós vamo-nos hoje concentrar naquilo que importa à vida dos portugueses, e, sem querer diminuir aquilo que preocupa muito os comentadores e o espaço político, aquilo que eu sinto que preocupa as pessoas são temas bastante diferentes", afirmou António Costa.

O chefe do executivo referiu que os portugueses com quem fala na rua lhe manifestam preocupações "que têm pouco a ver com esses assuntos", mas antes com temas como o combate à inflação, a melhoria dos rendimentos, os desafios no Serviço Nacional de Saúde (SNS) e a "enorme transformação da economia portuguesa".

Relacionados

Política

Mais Política

Mais Lidas

Patrocinados