Buscas no FC Porto: constituídos 13 arguidos e milhares de bilhetes apreendidos

Carolina Resende Matos , (atualizado às 23:28)
12 mai, 12:15

Em causa está a suspeita de um esquema criminoso, relacionado com a distribuição e venda de bilhetes, envolvendo funcionários do clube e vários elementos dos Super Dragões. Buscas terminaram com a apreensão de quatro mil bilhetes e mais de 44 mil euros em numerário

Foram constituídos 13 arguidos e milhares de bilhetes foram apreendidos na sequência das buscas realizadas este domingo manhã no estádio do Dragão, no Porto. Foi ainda apreendida uma elevada quantia monetária, apurou a CNN Portugal. Decorrem também buscas em Gaia e Matosinhos.

Fonte da PSP, força de investigação que está a conduzir as buscas, adiantou à CNN Portugal que estas diligências estão a ser desenvolvidas em cumprimento de 18 mandados judiciais e que “estão relacionadas com a Operação Pretoriano".

"Em causa está a suspeita de um esquema criminoso, relacionado com a distribuição e venda da bilhética associada ao Futebol Clube de Porto, envolvendo funcionários do clube e de vários elementos que integram um dos seus Grupos Organizados de Adeptos", informou entretanto a PSP em comunicado.

De acordo com o mandato de busca e apreensão, a que a CNN Portugal teve acesso, este inquérito teve origem na "investigação de crimes de distribuição e venda de títulos de ingressos falsos ou irreugulares" e "mesmo de crimes de abuso de confiança qualificado", "em face da forte suspeita de que Fernando Madureira e Sandra Madureira vêm retirando ilícitos proventos da venda de bilhetes do Futebol Clube do Porto". A investigação levada a cabo confirmou "a existência de uma atividade ilícita altamente rentável em torno da chamada bilhética do Futebol Clube do Porto que envolve ainda funcionários e o grupo organizado de adeptos Super Dragões". 

Segundo as autoridades, a operação de venda irregular de bilhetes iniciava-se com o levantamento dos bilhetes destinados aos Super Dragões pelo seu líder, em conluio com Cátia GUedes (funcionária da loja do Associado ) e Fernando Saul (Oficial de Ligação aos adeptos do FC Porto), que estão entre os visados pelas buscas.

O FC Porto confirmou que estavam a ser realizadas buscas em locais associados ao clube. A Porto Comercial, sociedade pertencente ao universo empresarial do FC Porto, e a loja do associado do clube foram alvo de buscas policiais, informaram os ‘dragões’ em comunicado, sem detalharem os motivos.

No  comunicado publicado na página oficial do clube, a direção recém-empossada de André Villas-Boas “informa que estão a decorrer buscas numa das [sociedades] participadas do Grupo, a Porto Comercial, e na loja do Associado no Estádio do Dragão, e desde já se compromete a prestar todo e qualquer apoio às autoridades no desenrolar das suas diligências”.

A operação denominada "Bilhete Dourado" resultou na apreensão de quatro mil bilhetes de jogos de futebol do FC Porto, 44.510 euros, documentação relacionada com a venda ilegal dos ingresso e na constituição de 13 arguidos, disse fonte policial ao final da noite.

Fonte oficial da PSP adiantou à agência Lusa que da operação resultou na “apreensão de cerca de quatro mil bilhetes de vários jogos do FC Porto, 44.510 euros em numerário, uma tocha, diversa documentação relacionada com a venda e distribuição ilegal de bilhetes, diversos equipamentos informáticos e telefónicos, várias máquinas fotográficas com conjuntos de objetivas e 323 cartões de sócio do Grupo Organizado de Adeptos Super Dragões”.

O que é a Operação Pretoriano?

A Operação Pretoriano investiga os incidentes ocorridos na Assembleia Geral (AG) do FC Porto, em 13 de novembro de 2023, sustentando o Ministério Público que a claque Super Dragões pretendeu “criar um clima de intimidação e medo”, para que fosse aprovada a revisão estatutária “do interesse” da então direção ‘azul e branca’, liderada por Pinto da Costa.

Em 31 de janeiro deste ano, a PSP deteve 12 pessoas - incluindo dois funcionários do FC Porto e o líder dos Super Dragões, Fernando Madureira, que continua em prisão preventiva, juntamente com Hugo Carneiro.

Em causa estão crimes de ofensa à integridade física no âmbito de espetáculo desportivo ou em acontecimento relacionado com o fenómeno desportivo, coação e ameaça agravada, instigação pública a um crime, arremesso de objetos ou produtos líquidos e ainda atentado à liberdade de informação.

Relacionados

FC Porto

Mais FC Porto

Mais Lidas

Patrocinados