Sexsomnia: um distúrbio do sono constrangedor de que ninguém quer falar

CNN , Sandee LaMotte
12 mai, 17:00
Sexsomnia (Getty Images)

Sexsomnia faz parte da família de distúrbios do sono chamados parassónias, que incluem o sonambulismo, a fala durante o sono, a alimentação durante o sono e os terrores do sono

Um homem de 38 anos tenta repetidamente forçar a mulher a ter relações sexuais a meio da noite, mas não se lembra das suas intenções quando acorda.

Uma mulher casada de 20 e poucos anos arranca frequentemente a roupa e masturba-se, mas não se lembra de nada quando o companheiro a desperta.

Ao longo de uma dúzia de anos, um homem de 31 anos masturba-se enquanto dorme, por vezes ferindo a virilha. Envergonhado devido ao seu comportamento inconsciente, evita relações durante oito anos.

Todos estes são casos clinicamente documentados de sexo durante o sono, ou sexsomnia, que fazem parte da família de distúrbios do sono chamados parassónias, que incluem o sonambulismo, a fala durante o sono, a alimentação durante o sono e os terrores do sono.

Embora possa parecer que as pessoas estão a encenar sonhos, muitas parassónias ocorrem quando o cérebro não está num estado de sonho, refere Carlos Schenck, professor e psiquiatra sénior do Centro Médico do Condado de Hennepin da Universidade do Minnesota.

“São distúrbios da excitação”, explica Schenck que estuda as parassónias há décadas. “Na maioria das vezes, ocorrem durante o estágio mais lento e profundo do sono, chamado de sono delta. É como se um alarme ou um gatilho disparasse no sistema nervoso central, e passamos da cave para o telhado num instante".

“A sua cognição está profundamente adormecida e não está a cumprir o plano, mas o seu corpo está ativado”, afirma Schenck. “Isso é perigoso porque depois começamos a andar, a correr e a fazer todo o tipo de coisas sem que a nossa mente esteja acordada.”

É difícil estudar a sexsomnia, porque, a não ser que as pessoas se magoem, muitas não fazem ideia da sua atividade sexual inconsciente até que um companheiro de cama lhes fale sobre isso.

Um estudo de 2010 questionou mil adultos escolhidos aleatoriamente na Noruega e descobriu que cerca de 7% tinham tido sexsomnia pelo menos uma vez na vida, enquanto quase 3% viviam atualmente com esta condição.

“Há pessoas que praticam a atividade sexual com o parceiro e isso não é incómodo para nenhum deles. Por isso, é possível que seja consensual para alguns", afirmou Jennifer Mundt, professora assistente de medicina do sono, psiquiatria e ciências comportamentais na Escola de Medicina Feinberg da Universidade Northwestern, em Chicago.

“Há, sem dúvida, casos em que é alarmante para o parceiro e para a pessoa que o está a fazer quando se apercebe do que fez.”

A sexsomnia pode arruinar vidas 

Os episódios começaram em 2005, segundo o marido de uma das mulheres. Cerca de duas vezes por mês, a sua mulher gemia sexualmente e dizia “palavrões”, palavras que nunca usava quando estava acordada, revelou o marido a Schenck, que tratou a mulher e publicou o seu caso de forma anónima em 2021. 

Por vezes, a mulher acariciava o marido durante a noite e faziam sexo até ela ficar consciente e acusar o marido de a forçar a fazer sexo. 

A mulher também se masturbava enquanto chamava os nomes de outros homens, incluindo o de um colega de trabalho, levando o marido a acreditar que ela o estava a trair. No entanto, os parceiros não devem assumir que as pessoas com sexsomnia estão a permitir que um segredo lhes escape do subconsciente, afirmou Schenck. 

“O cérebro adormecido está ligado de forma muito diferente do cérebro acordado”, refere. “Não se está consciente quando se está a dormir, por isso não se pode chegar a nenhuma conclusão válida sobre a chamada mentira ou verdade durante o sono.” 

A mulher recusou-se a acreditar nas descrições do marido sobre o seu comportamento durante anos, tendo finalmente procurado tratamento profissional em 2015, depois de o filho de nove anos a ter ouvido gemer sexualmente enquanto dormia. 

“Isso foi terrível, terrível”, comenta Schenck. “E o que é realmente desconcertante para esses pacientes é que eles têm amnésia total. É o parceiro de cama ou um membro da família que lhes diz: “Fizeste isto, porque fizeste aquilo?” e o doente diz: “Não me lembro de nada”. Por isso, ficam muito embaraçados, cheios de vergonha, a pedir desculpa e totalmente infelizes”. 

Por vezes, as pessoas chegam mesmo a ser detidas devido aos seus comportamentos. “Pode haver consequências legais para os comportamentos sexuais, especialmente com menores, e também para os comportamentos agressivos durante o sono”, diz Schenck. 

“Há toda uma área de investigação forense do sono para lidar com essas questões”, explica. “Fazem avaliações muito completas, histórias de casos e entrevistas com familiares e outras pessoas para determinar se se trata de uma desculpa ou de uma coisa real.” 

O que desencadeia a sexsomnia? 

Não há forma de prever o desenvolvimento de uma parassónia. Algumas pessoas que falam ou andam durante o sono em criança desenvolvem sexsomnia ou outra parassónia na idade adulta, mas muitas outras não, diz Schenck. 

“Não sabemos a causa final, mas há um componente genético”, afirma. “Se tivermos pelo menos um familiar de primeiro grau com uma parassónia, temos mais probabilidades de desenvolver uma. Depois, quanto mais familiares de primeiro ou segundo grau tiverem uma parassónia, mais provável é que a doença persista na idade adulta ou volte a ocorrer.” 

Ter apneia obstrutiva do sono também pode ser um fator desencadeador. Também chamada AOS, a apneia obstrutiva do sono é uma doença grave do sono em que a respiração para durante 10 segundos a dois minutos, muitas vezes por hora, todas as noites. A doença ocorre maioritariamente nos homens, embora cada vez mais mulheres estejam a desenvolvê-la. 

“É a paragem da respiração ou a apneia da apneia obstrutiva do sono que desencadeia a excitação, tipicamente nos homens, que depois desencadeia os comportamentos sexuais durante o sono”, afirma Schenck. “Depois de diagnosticar a apneia do sono e tratar o doente, o tratamento não só controla a apneia do sono, como também controla a sexsomnia secundária.” 

Existem medicamentos como o clonazepam, um fármaco utilizado para a epilepsia, a síndrome das pernas inquietas e a perturbação do pânico, que podem controlar com êxito a sexsomniaindesejada para muitos, mas não para todos. 

A medicação não ajudou uma mulher de 41 anos que Schenck tratou depois de o filho a ter ouvido, mas o facto de ter deixado o emprego altamente stressante ajudou. Começou a dormir solidamente durante seis a sete horas sem qualquer recorrência da sua sexsomnia. 

“É muito interessante, porque muitas pessoas com stress tornam-se hipossexualizadas, não se interessam por sexo”, diz Schenck. “E para outras, é o contrário. Portanto, não existe uma regra absoluta a 100%.” 

Também estão disponíveis tratamentos comportamentais 

A medicação para a sexsomnia tem efeitos secundários e pode tornar-se um hábito. Pessoas que não desejam usar medicamentos podem tentar várias abordagens comportamentais para controlar a condição, comenta Mundt, da Northwestern, que publicou uma revisão de tais tratamentos em setembro de 2023. 

“A partir da literatura e da minha própria experiência, é definitivamente verdade que podemos reduzir drasticamente os sintomas ou possivelmente eliminar os sintomas para algumas pessoas”, frisou. “Outras podem ter apenas uma melhoria parcial ou nenhuma melhoria, e é aí que a medicação pode ser necessária.” 

A educação vem em primeiro lugar, afirma Mundt, porque muitas pessoas não compreendem as fases do sono e como a sexsomnia é diferente dos pesadelos ou da representação de sonhos vívidos. 

Durante a primeira e a segunda fase do sono, o corpo começa a diminuir os ritmos. Depois vem a terceira fase - um sono profundo, de ondas lentas, em que o corpo está literalmente a restaurar-se a nível celular. O sono de movimento rápido dos olhos, chamado REM, é quando ocorre o sonho - nesta fase final, o corpo fica paralisado para que não possa atuar nos sonhos e magoar-se. 

Uma vez que cada ciclo de sono dura cerca de 90 minutos, a maioria dos adultos precisa de sete a oito horas de sono relativamente ininterrupto para conseguir um sono reparador, de acordo com os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças dos EUA. 

“A educação é, por si só, uma estratégia de tratamento porque, muitas vezes, ajuda a reduzir a ansiedade da pessoa e, se conseguirmos reduzir o stress e a ansiedade, isso ajuda”, afirma Mundt. 

“Em seguida, concentro-me na higiene do sono, como a redução da cafeína ou do álcool, mantendo um horário de sono mais consistente, mantendo o quarto fresco e eliminando o ruído no seu ambiente”, afirma. “As técnicas de relaxamento vêm a seguir e, se precisarmos de mais estratégias, posso passar à hipnose.” 

A hipnose clínica não é nada parecida com a atuação de um mágico diante de um público, explica Mundt. Em vez disso, consiste em encorajar uma pessoa a entrar voluntariamente num estado de devaneio ou de transe. 

“É como se estivéssemos num autocarro a olhar pela janela e nem sequer víssemos o que está à nossa frente, porque estamos tão perdidos nos nossos pensamentos”, afirma. 

Um estado de transe é clinicamente útil porque as pessoas estão mais abertas a novas ideias, sugestões e imagens, tais como verem-se a dormir calma e pacificamente durante a noite, acrescenta. 

“De certa forma, é semelhante a ter um episódio de parassónia”, explica Mundt. “As pessoas variam quanto à facilidade com que entram nesse estado de transe, mas pode ser muito, muito eficaz.” 

Vida Saudável

Mais Vida Saudável

Patrocinados