Saiba tudo sobre o Euro aqui

A história surpreendente - e mortal - sobre o papel de parede

CNN , Nell Card
30 mai, 15:00
Com pavões, palmeiras estilizadas e flores de lótus num rio tranquilo, este mural de parede "Garland of Ragini" é baseado numa obra de arte indiana do início do século XVIII. Cortesia: 1883 Wallcoverings

(Na imagem acima) Com pavões, palmeiras estilizadas e flores de lótus num rio tranquilo, este mural de parede "Garland of Ragini" é baseado numa obra de arte indiana do início do século XVIII. Cortesia: 1883 Wallcoverings

A predileção humana por viver junto de padrões pode ser identificada desde os nossos antepassados, que marcavam as paredes das cavernas com pontos, linhas, ziguezagues e tramas cruzadas. 

Dezenas de milhares de anos depois, é indiscutivelmente o papel de parede - o mais efémero dos artigos de design - que proporciona um dos nossos mais poderosos portais para o passado recente. 

Os fabricantes de papel de parede vasculham regularmente os arquivos em busca de desenhos com um interesse duradouro e, este mês, a luxuosa marca britânica 1838 Wallcoverings lançou uma segunda colaboração com o Victoria and Albert Museum (V&A) de Londres - uma coleção de nove desenhos que remontam aos anos 1700. 

"A ambição de melhorar e embelezar o nosso ambiente com padrões e ornamentos é, sem dúvida, uma das primeiras formas de esforço humano", explica Amelia Calver, diretora de pesquisa e desenvolvimento de licenciamento de marcas do museu, à CNN por videochamada. "Os padrões não só decoram, como podem transmitir diferentes significados em diferentes comunidades. Falam-nos das fortunas em mudança e dos movimentos culturais que foram integrados no tecido dos nossos espaços de vida." 

Uma parte do papel de parede "Laurel" criado por Walter Crane utilizando impressão em bloco de madeira sobre papel em Inglaterra, 1911. Cortesia do Museu Victoria and Albert

A 1838 Wallcoverings tem este nome devido ao ano em que a primeira máquina de impressão de papel de parede foi inventada em Lancashire, no norte de Inglaterra. De facto, muitos dos desenhos da empresa continuam a ser impressos em máquinas raras do século XIX. 

"A impressão de superfície é uma técnica muito bonita", refere o diretor-geral da empresa, James Watson, à CNN por videochamada. "Aplica uma quantidade generosa de tinta no papel, o que cria um efeito de pintura - como se alguém tivesse pegado num pincel e pintado o desenho à mão. É possível sentir a quantidade de tinta que foi aplicada".   

Desenhos da história 

Esta técnica presta homenagem ao trabalho artesanal de uma indústria que remonta a milénios. Pensa-se que alguns dos primeiros exemplos conhecidos de papel de parede datam de há mais de 2000 anos, da dinastia Qin da China, quando imagens de pássaros, flores e paisagens eram pintadas em folhas individuais de papel de arroz. No século XII, pensa-se que esta arte temporária terá viajado para o Ocidente através da Rota da Seda. Na Europa, os primeiros fragmentos de papel de parede que sobreviveram datam de 1509. Estes fragmentos foram encontrados em 1911 na Universidade de Cambridge, em Inglaterra, durante obras de renovação. Mostram um padrão estilizado de romãs impresso a partir de um único bloco de madeira de grandes dimensões - uma inovação fundamental neste ofício. 

No final dos anos 1500, França tinha criado a sua primeira confraria de "dominotiers", ou fabricantes de papel de parede. Estes ateliers, geridos por famílias, produziam papéis com padrões geométricos ou florais impressos à mão, utilizando blocos de madeira, stencils, pigmentos naturais e goma. Apesar de habilidosos, este ofício estava longe de ser raro: os desenhos eram impressos e distribuídos a granel e vendidos a baixo preço como "papéis de tapeçaria" para consumo popular. Em 1675, o dominotier francês Jean-Michel Papillon criou os primeiros padrões repetitivos para papel de parede destinados a serem utilizados numa linha contínua: tinha inventado o papel de parede tal como é conhecido atualmente. 

O mural original "Garland of Ragini", feito no sul da Índia por volta de 1700. A peça, atualmente no museu Victoria and Albert, serviu de inspiração para a nova versão da 1838 Wallcovering (em cima). Cortesia do Museu Victoria and Albert

No final do século XVIII, a mecanização provocou uma mudança radical na indústria. Esta mudança - e a história social negra que desencadeou - é relatada pela autora e historiadora de arte Lucinda Hawksley no seu livro de 2016, "Bitten by Witch Fever". O livro é intercalado com 275 reproduções de amostras de papel de parede vitoriano, provenientes dos Arquivos Nacionais de Londres, que se provou cientificamente conterem arsénico, um pó branco de aspeto inócuo que, na altura, se sabia ser venenoso. 

"Foi realmente incrível ver todos estes desenhos", conta Hawksley à CNN por telefone, explicando primeiro como usou luvas brancas para manusear os papéis envenenados. "O que me pareceu fascinante foi o facto de que eu nunca saberia que se tratavam de desenhos vitorianos ou georgianos, são tão incrivelmente psicadélicos. E isto depois de quase 200 anos de deterioração da cor, por isso podem imaginar como devem ter sido vibrantes."   

Decoração mortal 

Esta vibração incomparável deveu-se ao arsénico, explica Hawksley: "Para os fabricantes de tintas e corantes, o arsénico era um produto barato que aumentava o brilho e a durabilidade dos pigmentos, especialmente quando aplicados em papéis de parede. O público adorava as cores brilhantes dos novos papéis de parede e, mesmo quando soube que os corantes continham arsénico, não considerou os papéis de parede perigosos - desde que não os lambesse". 

O que o público não se apercebeu foi que, em condições de humidade, o arsénico libertava um gás letal. 

O "Date Palm Mural" de 1838 Wallcovering foi inspirado numa peça do arquivo V&A de Elijah Walton, que se inspirou em viagens ao Egipto na década de 1860. Cortesia de 1838 Wallcoverings 

Em meados do século XIX, a mecanização (combinada com a rápida redução dos impostos sobre o papel) tornou o papel de parede acessível a todas as casas, exceto às mais pobres. Húmidas e mal ventiladas, as casas de baixo rendimento eram as que mais sofriam com os efeitos mortais dos pigmentos de arsénico, que eram proibidos noutras partes da Europa mas legais na Grã-Bretanha, apesar dos protestos públicos dos médicos. Em 1857, o médico William Hinds escreveu num jornal médico que " está a ocorrer uma grande quantidade de envenenamento lento na Grã-Bretanha". 

A novela contemporânea de Charlotte Perkins Gillman, "The Yellow Wallpaper" (O Papel de Parede Amarelo), de 1892, foi provavelmente inspirada por esses relatos. Nela, uma mulher que sofre "uma depressão nervosa temporária" é confinada ao repouso num quarto revestido com um "padrão extenso e extravagante". A cor é descrita como "repelente, quase revoltante, um amarelo sujo e fumegante... Este papel parece-me como se soubesse a influência nefasta que tem". 

Os leitores quase podiam sentir o cheiro do gás arsénico que emanava das páginas do conto gótico de Gillman.

Apesar das provas crescentes e da crescente sensibilização do público, os fabricantes de papel de parede demoraram a proibir o arsénico. Eventualmente, foi a exigência do público e não o governo britânico que tornou obsoleta a utilização de arsénico nos papéis de parede, no final do século XIX.

Datada de 1904, esta amostra de papel de parede "Dulce Domum" foi criada pelo designer Walter Crane utilizando impressão xilográfica a cores. Cortesia do Museu Victoria & Albert

No entanto, os designs históricos continuam a atrair os designers e decoradores da atualidade.

"Têm um apelo intemporal", explica Calver, que supervisiona o licenciamento da coleção do V&A com mais de três milhões de desenhos para têxteis, decorações, papéis de parede e gravuras. "Muitos (desenhos) contêm motivos e pormenores que continuam a ter impacto nos clientes de hoje." (Watson, da 1838 Wallcoverings, previu entretanto que "Calico Shell", inspirado num tecido de chita estampado dos anos 1760 e 70, e "Laurel Leaf", adaptado de uma impressão em bloco de madeira em papel fabricada em 1911, serão os desenhos mais populares da nova colaboração com a V&A).

"Ao mergulhar na história do artesanato", acrescenta Calver, "os designers têm uma oportunidade única de fundir a sua própria criatividade com estes desenhos, criando algo que é tão relevante agora como era há séculos atrás."

Estilo de Vida

Mais Estilo de Vida

Na SELFIE

Patrocinados