Falta de energia, alergias e dificuldade em adormecer? A primavera pode ter dedo nisso - mas é possível minimizar os efeitos

CNN Portugal , MCP
25 mar 2023, 19:00
cansaço (foto: unsplash)

Por esta altura, começam a surgir sintomas associados à Astenia da Primavera. Para a nutricionista Helena Real a chave para um sistema imunológico forte está na prática de uma alimentação diversificada e que vá ao encontro da sazonalidade

Ao contrário do que se possa pensar, não, não são apenas as pessoas com rinite alérgica ou asma que sofrem com a chegada da Primavera. Por esta altura, começam a surgir queixas de falta de energia, dificuldade de concentração, de memória e até de adormecer. São sintomas associados à Astenia da Primavera - uma perturbação muito comum nesta altura, em que ocorrem várias alterações do clima. 

A CNN Portugal conversou com a secretária geral da Associação Portuguesa de Nutrição, Helena Real, e partilha as dicas para um sistema imunológico forte e uma maior qualidade de sono a partir da alimentação.

Maior a diversidade, maior a resistência

Antes de tudo, “se a pessoa já tiver uma alergia, nós não vamos conseguir tratar a alergia através da alimentação”, diz a nutricionista. No entanto, aquilo que se come pode contribuir para o fortalecimento do corpo e pode prevenir alergias. E quando é que é mais importante? “Sobretudo na infância”, responde Helena Real.

Antigamente era comum afastar as crianças, até um ano de idade, de qualquer tipo de alimento potencialmente alergénico, mas hoje, já não é assim. Faça-se de exemplo um estudo de dezembro de 2022, em que um grupo de cientistas britânicos descobriu que dar frutos secos, sob a forma de creme, a bebés entre os quatro e seis meses evitaria 77% das alergias. 

A pesquisa revela que “nos países onde a alergia aos frutos secos é uma preocupação, os profissionais de saúde devem ajudar os pais a introduzir produtos de frutos secos na dieta dos filhos entre os quatro e os seis meses de idade”.

Helena Real concorda com a ideia apresentada no estudo. “É importante haver uma exposição àquilo que é potencialmente alergénico muito cedo para criar uma maior tolerância do nosso sistema imunológico àquilo que são os potenciais agressores do nosso organismo. Isto porque, quando somos pequenos, ainda temos o sistema imunitário muito imaturo então, se tivermos aqui uma maior exposição, vamos conseguir trabalhar o que é o nosso futuro, vamos ser muito mais resistentes”.

No fundo, desde “tenra idade até adultos, a chave é a diversidade alimentar”, sem exagerar na quantidade, reitera a nutricionista.

Melatonina - a melhor amiga do sono

Há que ter em conta que as alergias que aparecem sobretudo na estação das flores e do pólen, também enfraquecem o corpo. Por essa razão, convém saber quais os melhores alimentos para combater o cansaço e fadiga. E, também aqui, a alimentação pode ter um papel predominante. 

“Existem determinados alimentos que têm melatonina que é aquilo que precisamos para ter um maior equilíbrio fisiológico no nosso organismo”, explica Helena Real.

E quais são os principais alimentos que fornecem e potenciam a melatonina no organismo? 

  • Ovos
  • Peixe
  • Leite
  • Nozes
  • Pistáchio

“O leite que bebemos costuma ser o de vaca, é o mais comum e mais disponível e esse leite, proveniente de um mamífero, é o que tem mais melatonina. Aliás, o facto do leite ter melatonina é o que faz os bebés, ao beber leite materno, estejam num estado de maior tranquilidade e durmam logo após a mamada”, exemplifica Helena Real.

Quando se pensa nos ingredientes a evitar para dormir melhor, a cafeína é o primeiro elemento que aparece à cabeça mas, desengane-se quem pensar que só se deve estar atento ao café. Outras bebidas, como o chá, podem conter cafeína - o caso do chá preto e chá verde - e podem estar a afetar o sono pelo estado de alerta que coloca a pessoa. 

Aliás, Helena Real realça que, o facto de se conseguir adormecer, não significa que se tenha qualidade de sono.

"Há quem diga `eu tomo café mas durmo na mesma´, sim, mas provavelmente não dorme com a mesma qualidade de descanso." reflete.

Para a especialista, é importante estar atento aos sinais. "Questione-se: Como é que acordo no dia seguinte? Sinto-me constantemente cansado? É necessário olhar para o meu estilo de vida e perceber de onde o problema vem: pode vir da forma como eu como, do meu trabalho, do próprio descanso em si. Sendo que aqui a alimentação tem sempre um papel importante", explica Helena Real.

De resto, a nutricionista aconselha a respeitar a sazonalidade. “Por várias razões: se eu olhar do ponto de vista nutricional, vou estar a comer alimentos no seu auge de potencialização nutricional. Agora é o tempo de aproveitar as ervilhas, favas, frutos vermelhos. É importante respeitarmos os alimentos de cada estação e ter uma alimentação sustentável”, conclui.

 

Relacionados

Vida Saudável

Mais Vida Saudável

Mais Lidas

Patrocinados