Pare de fazer dieta. Estes nutricionistas têm outros conselhos para si

CNN , Madeline Holcombe
27 abr, 09:00
Chocolate (Nerudol/Adobe Stock)

Em vez de fotografias exuberantes e descrições de dietas com calorias baixas impossíveis de cumprir, estes profissionais querem fornecer conteúdos que mostrem uma versão acessível e saudável

Muitos nutricionistas estão a fazer um apelo que talvez sempre quiséssemos, mas nunca pensámos ouvir: parem de fazer dieta.

Hoje em dia, pode encontrar alguns destes especialistas em redes sociais como o TikTok, utilizando as mais recentes danças, tendências e informação cientificamente fundamentada para chegar às gerações mais jovens.

Estes nutricionistas anti-dietas querem afastar as pessoas do ideal de "cultura da dieta", que, segundo os mesmos, dá mais relevância aos corpos mais magros em vez do estado de saúde em geral, bem como a uma restrição drástica em vez de alterações ao estilo de vida.

"São os profissionais de fitness que demonizam a comida", afirmou Sarah Williams, uma nutricionista certificada e criadora de conteúdos para o TikTok com o nome de Nutritionalsarah na aplicação.

Em vez de fotografias exuberantes e descrições de dietas com calorias baixas impossíveis de cumprir, Williams quer fornecer conteúdos que mostrem uma versão acessível e saudável.

Estes especialistas davam, habitualmente, grande ênfase às comidas “boas” e cortavam com as “más”. No entanto, esta geração de dietistas-nutricionistas apela à valorização de mudanças equilibradas e sustentáveis e ao fim da vergonha alimentar, numa vida que pode ser saudável de muitas outras formas, declararam. 

“Se sentimos culpa ou vergonha naquilo que comemos, podemos até seguir o plano de refeições mais denso e nutritivo do mundo, mas não vai ser benéfico por causa dessa culpa e vergonha...e dos efeitos psicológicos da dieta e da restrição,” afirmou Sam Previte, nutricionista certificada e fundadora da Find Food Freedom.

Esta mensagem está a ser atualmente divulgada de forma mais ampla nas redes sociais, mas existe já algum contexto por detrás deste fenómeno. Há mais de 20 anos que alguns dietistas-nutricionistas têm vindo a encorajar a alimentação intuitiva, que vai contra as “regras” alimentares e se foca nas pistas que o nosso corpo nos dá.

Sermos gentis connosco e apreciarmos a comida que ingerimos, não só é mais divertido, como também traz melhores resultados do que a abordagem tradicional à nutrição, afirmam os especialistas.

"É por isso que a indústria de dieta tem tanto sucesso. É uma indústria multibilionária porque existem imensas pessoas a participar nela, falham e depois voltam a essa mesma dieta,” afirmou Steph Grasso, nutricionista e criadora de conteúdos para o TikTok. “Eu sou uma nutricionista anti-dieta. Eu sou contra estas dietas da moda, estes tratamentos acelerados porque, a longo prazo, não resultam.”

Grasso, Previte e Williams são nutricionistas certificadas e ganham dinheiro através do fundo para criadores de TikTok e parcerias pagas no site.

As dietas que não funcionam

As investigações confirmam que este tipo de dieta não tem sucesso a longo prazo, no que diz respeito aos nossos objetivos de peso corporal.

A diminuição drástica de peso é provavelmente seguida de um novo aumento, e mudanças lentas e contínuas são frequentemente mais bem-sucedidas, de acordo com um estudo de 2017.

“A melhor recomendação que posso dar aos meus pacientes, com base nesta pesquisa, é que tentem manter os mesmos hábitos alimentares todos os dias,” afirmou Emily Feig, autora principal deste estudo e bolseira de pós-doutoramento no Massachusetts General Hospital.

"A aquisição de hábitos de alimentação saudáveis e consistentes pode ajudar os pacientes a reduzir a variabilidade de peso e a perder peso de forma mais uniforme, mesmo que seja a um ritmo lento".

Fazer dieta também pode prejudicar a nossa mente e o nosso corpo

À medida que perdemos peso drasticamente, o nosso metabolismo muda de modo a necessitar de cada vez menos calorias para continuar a perder peso. E ocorrem alterações neurológicas que podem fazer com que nos condicionemos em relação a "alimentos calóricos", fazendo com que os desejemos ainda mais.

Quando se cede à comida a que se tem resistido, a partir daí é sempre a descambar, afirmou Brooke Alpert, uma nutricionista certificada e autora de “A Dieta do Detox: Porque é que a sua dieta o está a engordar e o que fazer em relação a isso” (The Diet Detox: Why Your Diet Is Making You Fat and What to Do About It).

Sentirmo-nos culpados pelas nossas escolhas alimentares leva-nos a fazer piores escolhas e, desta forma, torna-se um padrão cíclico, de acordo com Alpert. "Há alturas e sítios adequados para comer batatas fritas, pizza e um pedaço de bolo".

Restringirmo-nos de forma muito rígida à comida não é sustentável, afirmam os dietistas-nutricionistas.

Estabelecer uma relação saudável com a comida

O mais eficaz é desenvolver uma relação saudável com a comida, afirmam os especialistas, que procuram ajudar as pessoas a repensar no significado desta ideia.

“Existem várias definições de uma relação saudável com comida. A meu ver, está, na realidade, relacionado com apreciar aquilo que se come,” afirmou Grasso. Isso significa reconhecer a função e os nutrientes daí provenientes, mas também o prazer e as componentes sociais e “definitivamente não ter medo de pedir sobremesa ou ir comer fora,” acrescentou.

Os especialistas afirmam que parte desta ideia de apreciar a comida inclui pôr de lado as questões morais das decisões alimentares.

“Não somos uma pessoa melhor ou pior se escolhermos comer um snickers (chocolate) em vez de uma maçã,” disse Williams. E perder peso não tem de prejudicar a nossa relação saudável com a comida, acrescentou.

“Podemos perder peso sem que isso seja uma tarefa obsessiva,” afirmou Williams. “Podemos desfrutar da comida que gostamos, sem ter de cancelar planos com amigos. Podemos viver uma vida satisfatória e estar numa jornada de perda de peso.”

Adicionar em vez de restringir

Os nutricionistas afirmam que, quaisquer que sejam os seus objetivos de saúde, – em relação à nutrição ou ao peso corporal – entrar numa missão de cortar com comida considerada “má” não vai resultar de qualquer das formas.

"OK, perdeu aqueles dois ou quatro quilos. Como vai ser o seu estilo de vida quando atingir esse objetivo? Vai continuar neste caminho restritivo, ou vai implementar um estilo de vida mais inclusivo"? questinou Williams.

Profissionais da área como Williams e Grasso defendem a adição de alimentos em vez da sua redução e apostar em alterações pequenas e graduais em vez de grandes e dramáticas.

"Podem, na realidade, ser mais prejudiciais do que benéficas", declarou Grasso. "Pode-se perder muito peso, mas eventualmente esse peso vai voltar, e depois pode-se até ganhar mais porque se restringiu tanto".

O seu conteúdo no TikTok não gira em torno do que se deve retirar de uma dieta, que restaurantes estão na lista negra ou como cortar nas calorias. Em vez disso, ensina como se pode adicionar nutrientes às refeições para procurar algum equilíbrio.

E isto pode ser comer pizza ao pequeno-almoço, depois certificarmo-nos de que adicionamos muitos vegetais à nossa massa ao almoço. Pode ser comer aquele pedaço de chocolate do qual não conseguimos desviar o olhar, desfrutar do mesmo e continuar com o nosso dia. Ou pode também significar que encomendamos Taco Bell de forma a ingerirmos um bom equilíbrio entre carboidratos, proteína, gorduras saudáveis e vegetais.

“Muitas pessoas quando estão a fazer dieta, ou apenas a tentar ter um estilo de vida mais saudável, tendem a limitar-se a certas comidas,” afirmou Grasso. “Gostaria de mudar essa forma de pensar para ‘o que podemos adicionar às nossas vidas?’’”

“Em vez de pensar naquilo que podemos retirar da nossa refeição, pensar no que podemos adicionar ao nosso prato que vá nutrir o nosso corpo da melhor forma” acrescentou Williams.

Relacionados

Vida Saudável

Mais Vida Saudável

Patrocinados