Liz Truss demite-se do cargo de primeira-ministra do Reino Unido

20 out, 13:37

Será a primeira-ministra com o mandato mais curto da história do Reino Unido

Elizabeth Truss apresentou, esta quinta-feira, a demissão do cargo de primeira-ministra do Reino Unido, após 45 dias no poder.

O anúncio - que durou apenas dois minutos - foi feito pela própria em Downing Street e ocorreu cerca de 24 horas depois ter enfrentado pela primeira vez a oposição no parlamento britânico, onde foi duramente criticada, garantindo: "Eu não sou uma desistente".

Nas declarações desta quinta-feira, Liz Truss começou por afirmar que assumiu o cargo “num momento de grande instabilidade económica e internacional”. O Reino Unido esteve "muito tempo condicionado pelo baixo crescimento económico”, afirmou, relembrando que foi eleita pelo seu partido com um mandato para mudar isso.

A primeira-ministra frisou ainda que o seu governo cumpriu com as contas de energia e com o corte no seguro nacional e definiu uma visão para uma economia com baixos impostos e alto crescimento - "que tiraria vantagem das liberdades do Brexit". 

"Reconheço que, dada a situação, não posso cumprir o mandato para o qual fui eleita pelo Partido Conservador. Portanto, falei com a Sua Majestade o Rei para notificá-lo de que estou a renunciar ao cargo de Líder do Partido Conservador", declarou.

Liz Truss termina o breve discurso com um pedido de eleições internas já na próxima semana, mas garantindo que permanecerá no cargo de primeira-ministra até que seja nomeado um sucessor. O Partido Conservador do Reino Unido deve eleger um novo líder no dia 28 de outubro.

Oposição pede eleições gerais antecipadas

O líder do Partido Trabalhista, Sir Keir Starmer, pediu eleições gerais imediatas. Num comunicado publicado após a renúncia de Liz Truss, e citado pelo The Guardian, Starmer afirmou: "O Partido Conservador mostrou que não tem mais um mandato para governar". 

Também o líder democrata libera, Sir Ed Davey, pediu eleições gerais: "Não precisamos de outro primeiro-ministro conservador a saltar de crise em crise. Precisamos de eleições gerais agora e os conservadores fora do poder".

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados