Ministério Público abre inquérito à morte de grávida transferida e determina realização de autópsia

30 ago, 16:53
Hospital Santa Maria (Lusa/Tiago Petinga)

Também hoje a Inspeção-Geral de Atividades em Saúde anunciou a abertura de uma investigação à morte da mulher de 34 anos, grávida de 31 semanas

O Ministério Público (MP) vai investigar a morte da grávida transferida do hospital de Santa Maria para o São Francisco Xavier, confirmou a CNN Portugal junto de fonte da Procuradoria-Geral da República.

Na sequência da "abertura de inquérito", o MP "determinou ainda a realização de uma autópsia".

Também hoje a Inspeção-Geral de Atividades em Saúde anunciou a abertura de uma investigação à morte da utente.

Num comunicado enviado às redações, o organismo diz que o processo de inspeção tem como “objetivo investigar a situação descrita” e perceber, entre outros aspetos, a razão pela qual a utente foi transferida entre as duas unidades hospitalares e “quem foram os responsáveis pela decisão de transferência e sob que pressupostos clínicos asseguraram que a utente poderia ser transferida em segurança”. 

Na investigação, o IGAS pretende ainda averiguar “qual era a situação do Serviço de Neonatologia do Hospital de Santa Maria na data da transferência da utente” e “em que circunstâncias ocorreu a morte da utente”, para além de tentar saber se existiam ou não “soluções alternativas e mais seguras à transferência da utente”.

A morte da mulher de 34 anos, grávida de 31 semanas, depois de ter sofrido uma paragem cardiorrespiratória de 17 minutos durante a transferência de ambulância de Santa Maria para São Francisco Xavier, foi noticiada esta segunda-feira pela TVI/CNN Portugal. Horas depois, a ministra da Saúde Marta Temido apresentou a sua demissão.

A grávida foi encaminhada para o Hospital São Francisco Xavier porque o Hospital de Santa Maria não tinha vaga no Serviço de Neonatologia para internar o bebé quando fosse provocado o parto – uma medida que era necessário tomar com urgência para salvar a vida da mãe em casos de pré-eclampsia, como foi este. 

diretora do Serviço de Obstetrícia do Hospital de Santa Maria, Luísa Pinto, logo na segunda-feira, em declarações à CNN Portugal, que o hospital só tinha duas vagas e optou por manter uma grávida de gémeos que se encontrava no hospital, optando por transferir a mulher que acabou por morrer, "uma vez que se encontrava estável".

Já esta terça-feira, e na sequência do acontecimento, quatro responsáveis do Hospital de Santa Maria admitiram, em conferência de imprensa, que a unidade está com um número de grávidas acima do normal, ainda por cima num “momento de fragilidade” que é o verão. Mas também todos garantem que a obstetrícia e a neonatologia sempre se organizaram em rede, e que o sistema está a funcionar.

Relacionados

Saúde

Mais Saúde

Patrocinados