Penny Moudant, Rishi Sunak, Liz Truss, Ben Wallace, Sajid Javid, Nadhim Zahawi, Tom Tugendhat: tenha muita atenção a estas pessoas

CNN Portugal , MJC
7 jul, 12:08
O número 10 de Downing Street, em Londres, residência do primeiro-ministro britânico

Boris Johnson vai demitir-se do Partido Conservador e consequentemente do Governo do Reino Unido. É por isso que está na hora de conhecer estes nomes - o sucessor será provavelmente uma das pessoas nesta página

Penny Moudant

A ex-secretária de Defesa, de 49 anos, é uma das favoritas à liderança dos conservadores de acordo com a casa de apostas Coral. Além disso, segundo uma sondagem publicada no passado fim de semana, a parlamentar seria a segunda escolhida pelos conservadores logo atrás do atual secretário de Defesa, Ben Wallace, sendo a preferida pela ala mais antiga do partido.

Mordaunt sempre foi uma forte apoiante do Brexit mas não fazia parte do círculo próximo de Johnson por ter apoiado Jeremy Hunt - e foi uma das vozes mais críticas do primeiro-ministro dentro do governo por causa do escândalo do Partygate.

Atualmente ministra do Comércio Internacional, Mordaunt liderou os esforços para estabelecer acordos comerciais com os EUA e é considerada uma forte oradora no parlamento. 

Rishi Sunak 

Foi Boris Johnson que tirou o ex-gerente de fundos da relativa obscuridade política quando o nomeou ministro das Finanças, em fevereiro de 2020. O seu primeiro mandato foi dominado pelas consequências da pandemia e Sunak distribuiu milhões de libras pelos trabalhadores e empresas, o que lhe rendeu bastante popularidade. 

Por muito tempo considerado o favorito para substituir Johnson, as hipóteses de Sunak ficaram bastante reduzidas pelo seu envolvimento no Partygate e pela polémica, potencialmente mais prejudicial, sobre os assuntos financeiros da sua família. Também foi criticado por ter sido lento a reagir à crise económica que afeta os britânicos e por se mostrar distante da população, ostentando a sua riqueza.

Atualmente com 42 anos, entrou para o grupo de prováveis sucessores depois de ter deixado o governo. Muitos no partido veem-no como um líder calmo e imperturbável, que soube dar prioridade ao partido sobre qualquer lealdade a Johnson.

Liz Truss 

A secretária de Relações Exteriores, Liz Truss, de 46 anos, é apontada há muito como uma potencial futura líder do Partido Conservador, tendo conquistado apoio entre as bases do partido pelo seu entusiasmado apoio ao Brexit enquanto membro do Gabinete e por ter uma imagem pública bastante positiva.

Apesar da sua educação de esquerda e de uma incursão na política estudantil como liberal-democrata centrista, Truss rapidamente se tornou uma defensora dos valores conservadores. 

Após a saída de Javid e Sunak, declarou o seu apoio a Johnson, o que foi visto dentro do partido como uma tentativa de recolher o potencial apoio dos partidários de Johnson – um eleitorado não insignificante em qualquer futura batalha pela liderança conservadora. 

Como a primeira secretária de Relações Exteriores conservadora, foi a responsável por garantir a libertação de Nazanin Zaghari-Ratcliffe e impor sanções aos oligarcas russos, apesar de um início lento e das acusações de que o Ministério das Relações Exteriores estava pouco preparado para a guerra na Ucrânia. Também foi ela que coordenou as negociações pós-Brexit com a União Europeia.

Ben Wallace 

O secretário da Defesa, de 52 anos, lidera as sondagens do Partido Conservador dos ministros favoritos a suceder a Boris Johnson, muito por causa da gestão que fez da guerra na Ucrânia e da saída do Afeganistão.

Ex-capitão do exército, Wallace ganhou proeminência com os ex-líderes David Cameron e Theresa May. Embora tenha demonstrado a sua lealdade a Johnson ao chegar ao lado do líder à moção de censura do mês passado, até agora manteve-se livre de escândalos.

É pouco conhecido do grande público mas, por isso mesmo, os parlamentares conservadores consideram-no o tipo de figura que marcaria um forte contraste de estilo com Johnson.

Sajid Javid

Apesar de um desempenho medíocre na corrida pela liderança conservadora de 2019 – na qual não conseguiu chegar à última volta –, Javid, de 52 anos, pode ter ressuscitado as suas esperanças de liderança ao ser o primeiro a anunciar a demissão do governo, na noite de terça-feira. 

Javid é um conhecido thatcherista - terá mesmo um retrato da Dama de Ferro Margaret Thatcher pendurado na parede de seu escritório - e um fã das opiniões da filósofa e escritora americana Ayn Rand sobre capitalismo, mercado livre e individualismo. Foi secretário do Interior da ex-primeira-ministra Theresa May e ocupou o antigo cargo de Sunak como ministro das Finanças de Johnson, mas renunciou em 2020 depois de se recusar a demitir alguns de seus mais altos funcionários. 

Javid voltou ao gabinete como secretário de saúde em junho de 2021, mudando a abordagem do governo em relação à covid-19 - passou das restrições em massa para a responsabilização individual.

Nadhim Zahawi 

Nadhim Zahawi, de 55 anos, ganhou popularidade como ministro de vacinas, supervisionando a bem-sucedida vacinação contra a covid-19 no Reino Unido. A sua lealdade a Johnson valeu a pena – Zahawi foi promovido a secretário de Educação em setembro, onde fez um trabalho sólido ao neutralizar algumas das questões difíceis que os conservadores enfrentam na educação após o caos do mandato de Gavin Williamson durante a covid. E agora, após a renúncia de Sunak na terça-feira, subiu a ministro das Finanças.

Zahawi foi para o Reino Unido em criança, com a família refugiada do Iraque, fugindo do regime de Saddam Hussein. Apoiou o Brexit em 2016. Embora não esteja envolvido em grandes escândalos, em 2013 admitiu usar dinheiro dos contribuintes para despesas próprias e em 2017 o The Guardian revelou que não havia declarado a ligação com duas empresas sediadas num paraíso fiscal.

Tom Tugendhat

O ex-militar de 49 anos é um favorito entre os centristas conservadores. Embora seja raro no Reino Unido haver um novo primeiro-ministro sem experiência de gabinete, alguns parlamentares acreditam que pode ser bom ter um candidato não contaminado pelo regime de Johnson.

No entanto, é relativamente inexperiente e alguns temem que o seu foco seja muito nas relações exteriores e não na agenda interna para ser uma boa opção para os eleitores.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados