O atraso de uma turbina ou o uso do gás "como arma"? Gasoduto Nord Stream retoma funcionamento 10 dias depois

Agência Lusa , Publicado por António Guimarães
21 jul, 08:44
Nord Stream 1 (Jens Buettner/AP)

Após acusações que envolveram Rússia, União Europeia e Canadá, o gasoduto que transporta quase todo o gás natural que chega da Rússia à Europa voltou a funcionar

O gasoduto Nord Stream, que abastece a Alemanha e a Europa de gás russo, foi reiniciado esta quinta-feira após dez dias de manutenção, disse a empresa que opera a infraestrutura. O fluxo de gás natural tinha sido reduzido para 40% nas últimas semanas, com a Gazprom a culpar o Canadá pelo atraso no envio de uma turbina que estava em reparação.

A operadora do gasoduto, a Nord Stream AG, disse que o fluxo de gás recomeçou de manhã, mas que o volume levaria algum tempo a aumentar, avançou a agência de notícias alemã DPA.

O governo alemão tinha acusado a Rússia de utilizar a tal situação da uma turbina como um "pretexto" para interromper as entregas e a União Europeia (UE) acusou Moscovo de utilizar o gás "como arma".

De acordo com os dados transmitidos pela gigante russa de Gazprom à Gascade, operadora da rede alemã de distribuição de gás natural, o gasoduto deverá entregar 530 GWh ainda esta quinta-feira.

Isso é apenas "30%" da capacidade total do gasoduto, disse o chefe da Agência Federal de Redes, Klaus Müller, na rede social Twitter.

Apontando como motivo a falta da turbina, a Gazprom já tinha reduzido, desde meados de junho, o fornecimento via Nord Stream para 40% da capacidade total. Entretanto, a própria Gazprom garantiu que o fluxo de gás natural que chega à Europa por via da Ucrânia aumentou esta quinta-feira de 40,1 para 42,2 milhões de metros cúbicos.

Na quarta-feira, o presidente russo Vladimir Putin tinha alimentado a incerteza sobre o futuro das entregas de gás da Rússia aos países europeus, acusando o Canadá de atrasar o envio da turbina reparada na esperança de poder impulsionar as suas próprias vendas de gás para a Europa.

"Os motivos (do Canadá) estão relacionados com os seus esforços para entrar no mercado europeu, porque quer desenvolver a sua própria produção de gás no país. É isso mesmo", referiu o Presidente russo.

As dificuldades em torno das entregas através do gasoduto Nord Stream 1 surgem numa altura em que os países europeus estão a tentar aumentar as suas reservas de gás para o inverno.

Neste contexto, os estados-membros da UE estão a tentar diversificar os seus fornecedores de gás, voltando-se para os Estados Unidos, Qatar, Azerbaijão, entre outros países.

A Comissão Europeia propôs na quarta-feira uma meta para redução do consumo de gás na UE de 15% até à primavera, admitindo avançar com redução obrigatória da procura. Espanha afirmou prontamente que não aceitará esta redução, sendo que Portugal deverá seguir o mesmo caminho, segundo o secretário de Estado do Ambiente e da Energia, João Galamba.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados