Governo alemão pede contenção aos contribuintes, ministro das Finanças faz casamento sem olhar a gastos

12 jul, 13:23

Christian Lindner e a jornalista Franca Lehfeld casaram na ilha exclusiva de Sylt, uma das maiores ilhas alemãs do mar do Norte, famosa pelos seus luxosos hotéis e restaurantes. A presença do líder da oposição, Friedrich Merz, que chegou à ilha com a mulher a bordo de um avião privado, e de membros do governo (e os seus gastos com a segurança) estão a gerar polémica

O casamento do ministro das Finanças alemão está envolto em polémica e tudo por causa dos gastos que contrastam com os esforços que o governo alemão tem pedido aos cidadãos para fazer em tempos de crise energética causada pela guerra na Ucrânia.

Christian Lindner e a jornalista Franca Lehfeld casaram, no fim de semana passado, na ilha exclusiva de Sylt, uma das maiores ilhas alemãs do mar do Norte, naquela que foi considerada a "boda do ano" pela revista "Bunte". As fotos dos noivos, rodeados de convidados, contrastam com os pedidos de contenção feitos aos alemães, que reduzam o consumo de energia e de combustíveis, perante o aumento dos preços e um possível racionamento de gás no próximo inverno.

Segundo o Der Spigel, a imagem mais chocante foi a do líder da oposição, Friedrich Merz, que chegou à ilha com a mulher a bordo de um avião privado. Nas redes sociais, as imagens rapidamente se tornaram virais, com uma frase controversa de Merz a ser recuperada como legenda das fotografias: "Considero que pertenço à classe média-alta da Alemanha".

O jornal El País relembra que o uso do avião era desnecessário. Chegar à ilha nem sequer requer que se viaje de barco, uma vez que Sylt - famosa pelos seus luxosos hotéis e restaurantes - está ligada ao continente por uma linha ferroviária que também transporta carros. 

As imagens de Merz, que já tinha sido acusado de fazer parte da elite alemã, a chegar de avião ao casamento de Lindner no avião privado não abona a seu favor, uma vez que o político tem sido acusado de viver a leste dos problemas reais dos alemães.

Já o noivo, Christian Lindner, faz parte do governo de Olaf Scholz (que esteve no casamento), assim como muitos dos convidados. O mesmo governo que há semanas pediu aos alemães que reduzam o consumo energético. E que agora, com a viagem de altos cargos, acabou por gastar dinheiros públicos em segurança, gastos que estão a ser criticados pelos contribuintes, segundo o Der Spiegel.

"Não invejo o casamento de ninguém. Também não é caro e os guarda-costas fazem parte disso e claro que tem que ser pago pelo estado/de impostos, ok. Mas quão depravado alguém tem de ser moralmente para, ao mesmo tempo, exigir a renúncia dos outros e querer reduzir os mais fracos da sociedade e depois mostrá-lo publicamente juntos? Não tenham vergonha", escreveu um alemão no Twitter, em resposta ao ministro da Justiça, Marco Buschmann, que aconselhou quem criticava o casamento a "procurar um terapeuta".

Nas medidas para redução de consumo de energia, o governo pediu aos contribuintes que optem por duches curtos de água mais fria e está a ser estudado baixar a temperatura máxima do aquecimento das casas. A Alemanha entrou nesta segunda-feira num período de incerteza que vai durar pelo menos 10 dias. É esse o período estimado para as obras de manutenção do Nord Stream 1, o gasoduto que transporta o gás natural da Rússia para a Europa, sendo que a Alemanha é um dos grandes beneficiários.

Europa

Mais Europa

Patrocinados