Nagorno-Karabakh: Rússia já recolheu mais de 3.200 armas ligeiras e oito blindados

Agência Lusa , MJC
25 set, 20:17

Esta segunda-feira não houve violações do cessar-fogo

A Rússia já recolheu mais de 3.200 armas ligeiras e oito blindados no Nagorno-Karabakh, na qualidade de mediadora do conflito, enquanto os Estados Unidos advertiram que Moscovo não é um parceiro fiável e ofereceram ajuda humanitária à Arménia.

Segundo o Ministério da Defesa russo, foram recolhidas mais de 3.200 armas ligeiras, 435 mil munições, sistemas portáteis de defesa aérea, 37 unidades de artilharia de campanha, lançadores múltiplos de foguetes MLRS, morteiros, armas antitanque e oito veículos blindados

A Rússia supervisiona o processo de desarmamento com as forças de manutenção da paz destacadas em Nagorno-Karabakh desde o outono de 2020, de acordo com o acordo de cessar-fogo alcançado entre o Azerbaijão e os separatistas arménios.

O Ministério da Defesa referiu ainda que hoje não registou violações ao cessar-fogo e que o contingente de pacificação ainda acolhe mais de 670 civis retirados pela operação militar de 24 horas que o Azerbaijão lançou na passada terça-feira para restaurar a “ordem constitucional” no território separatista de Nagorno-Karabakh, de maioria étnica arménia.

Os Estados Unidos consideraram esta segunda-feira que a Rússia demonstrou que não era um “parceiro confiável” após a ofensiva do Azerbaijão em Nagorno-Karabakh e das acusações da Arménia de falta de apoio de Moscovo. “A Rússia demonstrou que não é um parceiro de segurança confiável”, disse o porta-voz do Departamento de Estado, Matthew Miller, quando questionado pela imprensa sobre este assunto

O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, ofereceu hoje ao primeiro-ministro da Arménia, Nikol Pashinian, assistência humanitária a milhares de refugiados que abandonam a região de Nagorno-Karabakh. “Os Estados Unidos estão firmemente determinados a trabalhar com o seu Governo para satisfazer as necessidades humanitárias que surgiram como resultado do recente surto de violência”, afirma uma carta de Biden, conforme relatado hoje pelo Governo arménio.

Biden garantiu que Washington pretende continuar a reforçar a cooperação na diversificação energética, estabilidade e segurança, como demonstrado “nos recentes exercícios militares”.

Pashinian, que assegurou que o seu país está disposto a receber todos os habitantes do enclave que queiram abandonar o território, recebeu hoje em Erevan Samantha Power, líder da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento (USAid), que lhe entregou o documento de Biden em mãos. Power disse que durante a sua visita vai concentrar-se na cooperação com as autoridades locais na procura e fornecimento de alojamento aos refugiados, além de encorajar outros países a ajudá-los.

A responsável destacou que Biden decidiu enviar uma delegação à região para demonstrar o apoio à soberania arménia, à integridade territorial e à democracia.

Pashinian alertou que “o processo de limpeza étnica dos arménios em Nagorno-Karabakh continua neste momento”. "Isto é uma tragédia. Tentámos informar a comunidade internacional de que esta limpeza étnica iria acontecer, mas, infelizmente, não conseguimos evitá-la. É agora muito importante tomar medidas concretas para evitar uma nova escalada e problemas maiores", afirmou.

Desde domingo, as forças de manutenção da paz têm escoltado pessoas que querem deixar Nagorno-Karabakh depois de o Azerbaijão ter declarado que irá reintegrar o enclave no seu sistema administrativo. Segundo o Governo arménio, até às 14:00 hora de Lisboa, 6.650 pessoas deslocadas pela operação militar azeri entraram no país a partir de Nagorno Karabakh.

O Centro de Informação Artsakh (Nagorno-Karabakh para Arménios) informou hoje que o grande fluxo de pessoas que viajam para a Arménia em transportes privados tem causado engarrafamentos, razão pela qual não é possível organizar o transporte de feridos graves e feridos extremamente graves ou a importação de equipamento médico e bens humanitários necessários.

As autoridades da autoproclamada república pediram aos cidadãos que não viajassem agora para salvar a vida dos feridos, prometendo que a evacuação será feita por etapas e, após a conclusão do processo de transferência dos deslocados, os demais moradores de Nagorno-Karabakh que desejarem também poderão ir para a Arménia.

Representantes do enclave e do Azerbaijão reuniram-se hoje nas instalações permanentes das forças de paz russas em Nagorno Karabakh para insistir na necessidade de transferir para hospitais na Arménia crianças feridas, mulheres grávidas e cidadãos que necessitam de cuidados médicos imediatos.

Consideraram também a avaliação de questões humanitárias, incluindo o processo de busca e salvamento dos desaparecidos, a necessidade de restaurar o abastecimento de gás natural e a energia, bem como o abastecimento de água.

Relacionados

Ásia

Mais Ásia

Mais Lidas

Patrocinados