Fuso horário: como este país ficou preso na sua própria meia hora

CNN , Dhruv Tikekar
9 mai, 11:03
Índia, relógios de parede em Amritsar, a 6 de dezembro de 2018. Narinder Nanu/AFP/Getty Images

A Índia faz parte de um pequeno grupo de países que partilham diferenças de 30 minutos, mas será de todos o caso mais improvável.

Como a Índia ficou “presa” no seu fuso horário único e invulgar

Nove horas e 30 minutos à frente de Nova Iorque. Cinco horas e 30 minutos à frente de Lisboa. Três horas e 30 minutos atrás de Tóquio.

Há mais de um século que os relógios da Índia estão oficialmente atrasados uma hora no cálculo de qualquer diferença horária face à maioria dos países.

E embora faça parte de um pequeno grupo de nações e territórios que partilham essa diferença de 30 minutos - incluindo o Irão, Myanmar e partes da Austrália -, a Índia é talvez o caso mais improvável.

A enorme nação do Sul da Ásia abrange geograficamente o que normalmente seriam dois fusos horários, mas, para grande frustração de alguns grupos, agarra-se às suas definições invulgares de relógio, recusando-se a separar-se de um sistema que tem um passado muito complicado.

O fuso horário indiano de meia hora remonta ao domínio colonial da Índia e à época em que os navios a vapor e os comboios, cada vez mais rápidos, encolhiam o mundo.

Até ao século XIX, a Índia - tal como a maioria dos lugares do mundo - funcionava com horários muito localizados, que muitas vezes eram diferentes não só de cidade para cidade, mas também de aldeia para aldeia. No entanto, a Companhia das Índias Orientais, uma poderosa e implacável organização comercial de propriedade britânica que gradualmente assumiu o controlo de grandes partes do subcontinente, desempenhou um papel fundamental.

Em 1792, a Companhia das Índias Orientais estava a gerir um dos primeiros observatórios da Ásia, em Madras (atualmente conhecida como Chennai). Uma década mais tarde, o primeiro astrónomo oficial deste observatório declarou que a hora de Madras era "a base da hora padrão indiana".

No entanto, foram necessárias algumas décadas, o advento das locomotivas a vapor e os interesses comerciais da Companhia das Índias Orientais para que isso se mantivesse.

O sistema ferroviário da Índia foi criado em meados do século XVIII. Coleção Hulton Deutsch/Corbis/Getty Images

"Os caminhos-de-ferro exerciam uma enorme influência sobre as potências coloniais", afirma Geoff Gordon, investigador principal em direito internacional público na Universidade de Amesterdão.

"Antes de os caminhos-de-ferro ganharem o concurso para Madras, havia um concurso entre as cidades poderosas - Bombaim, Calcutá", acrescenta Gordon. "Essa luta não durou muito tempo."

Entretanto, debates semelhantes em todo o mundo, motivados pela necessidade de coordenar melhor as viagens ferroviárias transcontinentais e melhorar a navegação marítima, levaram ao estabelecimento dos primeiros fusos horários internacionais numa conferência em Washington D.C., EUA, em 1884.

Os fusos baseavam-se no Meridiano de Greenwich, uma linha de longitude que passa de norte a sul pelo Observatório de Greenwich, em Londres. Os fusos horários a leste do Meridiano são normalmente mais tardios do que o Tempo Médio de Greenwich (GMT) em incrementos de hora a hora.

Demorou algum tempo até que o sistema fosse adotado a nível mundial. Na Índia, as pessoas ainda estavam a discutir sobre a Hora de Madras. Apesar de a hora ter sido adoptada pelos caminhos-de-ferro do país, enfrentou uma oposição considerável por parte dos trabalhadores e das comunidades locais que não queriam que lhes fossem impostos novos horários rígidos.

"Há menos espaço de manobra, uma vez que os ritmos de trabalho já não estão ligados ao patrão do fundo da rua, ao sino da igreja e às outras 20 pessoas com quem se vai trabalhar", diz Gordon. "Mas agora é determinado pelo caminho de ferro que chega uma vez por dia."

Por fim, o Madras Time foi estabelecido em todo o país em 1905, restando apenas alguns resistentes.

No início do século XX, as associações científicas pressionaram no sentido de calibrar a hora da Índia com o GMT.

A Royal Society, em Londres, propôs dois fusos horários para a Índia, ambos com incrementos de uma hora completa em relação ao GMT: seis horas à frente do GMT para o leste e cinco horas para o oeste do país.

Esta recomendação foi rejeitada pelo governo colonial, que optou por uma hora unificada que se situava exatamente no meio: cinco horas e meia à frente do GMT.

"Parece-me algo típico da mentalidade colonial", diz Gordon.

E assim, em 1906, os governantes britânicos da Índia introduziram o que atualmente é conhecido como Hora Padrão Indiana.

Em 2015, a Coreia do Norte estabeleceu o seu próprio fuso horário para se diferenciar da Coreia do Sul. Wong Maye-E/AP

A política do tempo

Embora a diferença de 30 minutos seja um resquício do passado colonial da Índia, alguns países alteraram os seus próprios fusos horários mais recentemente.

Em 2007, o antigo presidente da Venezuela, Hugo Chávez, atrasou os relógios em meia hora para que as crianças em idade escolar pudessem ter mais horas de luz do dia, uma medida que foi posteriormente revertida pelo atual líder Nicolas Maduro.

Em 2015, a Coreia do Norte saiu de sincronia com a Coreia do Sul ao criar a "Hora de Pyongyang", colocando o país oito horas e meia à frente do GMT em vez de nove.

No entanto, a tomada de decisões sobre o fuso horário da Índia na era colonial reflectiu um coro de vozes políticas, científicas e comerciais, tanto dentro como fora do governo, afirma Gordon.

Ele compara a Índia deste período a "Brazil", o filme de ficção científica distópico e sombrio de 1985 realizado por Terry Gilliam, ou às engenhocas cómicas e complicadas desenhadas pelo cartoonista americano Rube Goldberg.

"É uma construção inacreditavelmente casual, ao estilo de Rube Goldberg, que se constrói através de muitos inputs diferentes, muitas pessoas a agir de forma oportunista, muitas pessoas a agir ingenuamente", acrescenta. "Havia muita estranheza e loucura".

Um turista caminha sobre o Meridiano de Greenwich, em Londres. Newscast/Shutterstock

As consequências de um fuso horário único

O fuso horário único da Índia tem sido objeto de grande debate ao longo dos anos, com as populações do nordeste a exigirem um fuso horário separado, dada a extensão do país.

No entanto, este problema não é exclusivo da Índia: geograficamente, a China é o terceiro maior país do mundo e continua a ter apenas um fuso horário, o que, segundo um estudo de 2014, simboliza o controlo centralizado do Estado sobre a vida quotidiana das pessoas.

O Laboratório Nacional de Física, responsável pela cronometragem oficial da Índia, chegou mesmo a pedir dois fusos horários separados por causa desta questão, citando relatos de que a hora da Índia "afectava gravemente" a vida das pessoas no nordeste do país.

Em vez disso, propôs dois fusos horários: cinco horas e meia à frente do GMT para um lado da Índia e seis horas e meia para outro, especificamente o que descreveram como "regiões do extremo nordeste", incluindo áreas como Assam e Arunachal Pradesh.

"Apesar das diferenças geográficas - como o facto de o sol nascer e se pôr quase duas horas mais cedo no nordeste em comparação com Gujarat - ambas as regiões aderem ao mesmo fuso horário", afirma Maulik Jagnani, professor assistente de economia na Universidade de Tufts.

Jagnani publicou um artigo amplamente citado em 2019 destacando o impacto da luz solar nos ritmos circadianos naturais na Índia, com foco nas crianças.

"Esta configuração afecta os padrões de sono das crianças [...] as crianças expostas a pores-do-sol mais tardios vão para a cama mais tarde", acrescenta Jagnani. "As horas fixas de início da escola e do trabalho não permitem ajustes correspondentes nas horas de despertar, o que leva a uma redução do sono e a piores resultados educativos."

O NPL também reconheceu esta questão, acrescentando que o impacto do ritmo circadiano na saúde e na eficiência do trabalho está ligado ao "desenvolvimento socioeconómico global da região".

No entanto, parece que o fuso horário invulgar da Índia veio para ficar. Quando a questão da introdução de dois fusos horários foi colocada ao parlamento indiano em 2019, um comité governamental rejeitou o conceito por "razões estratégicas" não especificadas.

 

Foto de topo: lojistas indianos penduram relógios de parede para venda em Amritsar, a 6 de dezembro de 2018. Narinder Nanu/AFP/Getty Images

 

Relacionados

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados