Quem faz frente a Modi? Indianos vão às urnas no maior exercício democrático da história da humanidade

CNN , Manveena Suri, Esha Mitra
19 abr, 22:01

O país com o maior número de habitantes do mundo inicia, esta sexta-feira, eleições. Na frente da corrida está Narendra Modi, que pode conquistar o seu terceiro mandato consecutivo

As urnas foram abertas esta sexta-feira, na primeira e maior fase da maratona eleitoral da Índia, na qual se espera que o primeiro-ministro populista Narendra Modi garanta um raro terceiro mandato consecutivo e aprofunde a sua transformação histórica na nação mais populosa do mundo. Cerca de 969 milhões de pessoas são elegíveis para votar no maior exercício democrático da história da humanidade, com a votação a decorrer em sete fases durante as próximas seis semanas. Os votos vão ser contados no dia 4 de junho. É considerada uma das votações mais importantes em décadas, com o poderoso Partido do Povo Indiano (Bharatiya Janata) de Modi a procurar uma maioria absoluta na câmara baixa do Parlamento - ou Lok Sabha.

Uma vitória enfática do Bharatiya Janata (BJP) daria ao partido um mandato para consagrar ainda mais a sua agenda nacionalista hindu, afastando-se da base secular da Índia em direção ao regime maioritário. A opor-se à hegemonia do BJP está uma aliança de mais de duas dezenas de partidos, incluindo o principal partido da oposição da Índia, o Congresso Nacional Indiano, que estão a fazer campanha para reduzir a desigualdade e defender o que dizem ser as instituições democráticas da Índia em risco. Ao longo da sua década no poder, o BJP tem estado sob escrutínio de grupos de direitos humanos devido ao seu tipo cada vez mais estridente de política nacionalista hindu e à repressão contínua à dissidência e às liberdades democráticas. No entanto, Modi e o seu partido têm sido impulsionados por níveis de popularidade que não se verificavam há décadas. De acordo com uma pesquisa do Pew de 2023, cerca de oito em cada 10 adultos indianos têm uma visão favorável do primeiro-ministro. Desde que chegou ao poder em 2014, Modi supervisionou enormes gastos em infraestruturas, construindo estradas, centrais elétricas e projetos marítimos, bem como subsidiando a construção de milhões de casas de betão improvisadas para famílias.

“O BJP desenvolveu significativamente o país nos últimos 10 anos. A corrupção e o crime diminuíram drasticamente. O que mais podemos pedir?", diz Aditya Garg, 29 anos, à CNN internacional, num local de voto em Muzaffarnagar, Uttar Pradesh. Sob a liderança de Modi, o país com 1,4 mil milhões de habitantes tornou-se a grande economia de crescimento mais rápido do mundo e uma potência global moderna. Apesar destes sucessos, o crescente desemprego juvenil e a desigualdade continuam a ser problemas persistentes, especialmente nas zonas rurais, e os críticos dizem que Modi impulsionou a polarização religiosa, que incluiu o aumento da islamofobia e a perseguição dos 230 milhões de muçulmanos do país. Modi caminhou sobre uma linha ténue geopoliticamente, colocando a Índia como um contraponto crucial entre as potências globais, e os Estados Unidos, a Rússia e a China vão estar a  acompanhar as eleições de perto. Na abertura das urnas esta sexta-feira, o líder deixou uma mensagem para os eleitores na rede social X: “Exorto todos os que votam nessas cadeiras a exercerem sua franquia em números recordes”.

O que é que Modi promete?

Modi estabeleceu uma meta ambiciosa para garantir uma maioria absoluta de 400 assentos, com 370 controlados diretamente pelo seu BJP – acima dos 303 em 2019 – e os outros pela sua Aliança Democrática Nacional. O manifesto de campanha do BJP centra-se na criação de emprego e em programas de combate à pobreza e de desenvolvimento, com um particular foco nas mulheres, nos pobres, nos jovens e nos agricultores. Modi quer transformar a Índia num centro industrial global, continuar a sua enorme transformação de infraestruturas e alcançar a independência energética até 2047. Com um valor de 3,7 mil milhões de dólares em 2023, a Índia é a quinta maior economia do mundo, tendo saltado quatro posições no ranking durante a sua década no cargo. Modi prometeu que a Índia terá a terceira maior economia do mundo durante um possível terceiro mandato.

No entanto, os sucessos económicos têm sido lentos a chegar aos mais pobres do país e o Produto Interno Bruto (PIB) da Índia por pessoa está classificado na posição 147 em 2022, de acordo com o Banco Mundial. "Tudo se tornou tão caro. Como é que as pessoas pobres podem sobreviver neste clima? Penso que está na altura de mudar", diz Irafan Mohammad, um condutor de riquexó de Muzaffarnagar, que tem quatro filhos e ganha seis dólares por dia.

Modi quer que a Índia se torne membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas, vai tentar candidatar-se aos Jogos Olímpicos de verão de 2036 e tem como objetivo fazer aterrar um astronauta na Lua, tendo-se comprometido a transformar o país numa nação desenvolvida até 2047.

As assembleias de voto da Índia para as eleições de 2024, em números

A Comissão Eleitoral da Índia está a criar mais de um milhão de assembleias de voto em todo o país para que todos os eleitores possam votar.

Dois quilómetros (1,24 milhas) é a distância máxima que um eleitor deve percorrer para chegar a uma secção de voto, de acordo com com a Comissão Eleitoral da Índia, sendo que o número de eleitores por secção não deve exceder os 1500. 

Fonte: Comissão Eleitoral da Índia
Gráfico: Rosa de Acosta, CNN internacional

Quem são os oponentes de Modi?

A desafiá-lo está a principal oposição do país, o Congresso Nacional Indiano, um partido que foi fundamental criado para pôr fim a quase 200 anos de domínio colonial britânico e que governou durante grande parte da sua história independente. Mas, na última década, tem lutado para encontrar relevância, incapaz de ultrapassar a popularidade do atual líder da Índia. Rahul Gandhi, o filho da famosa dinastia Gandhi, é o rosto do partido. Perdeu as duas últimas eleições para Modi e vai concorrer mais uma vez no Estado de Kerala, no sul do país.

Numa tentativa de destituir Modi, o Congresso juntou-se no ano passado a vários partidos regionais para formar a Aliança Inclusiva para o Desenvolvimento Nacional Indiano, conhecida como INDIA. Mas essa coligação começou a apresentar problemas, com uma série de críticas ao BJP. Também não apresentou um candidato a primeiro-ministro até ao momento.

Os líderes e partidos da oposição enfrentaram uma série de desafios legais e financeiros no período que antecedeu as eleições deste ano, com muitos a acusarem o BJP de utilizar agências estatais para sufocar e atacar os seus opositores. A detenção, no mês passado, do popular líder do Partido Aam Aadmi, Arvind Kejriwal, ministro-Chefe de Deli e um crítico acérrimo de Modi, provocou protestos na capital e suscitou alegações de uma "conspiração" política por parte do seu partido.

Modi e o BJP negaram a interferência política, tendo um alto dirigente do partido afirmado que se tratava de um "processo legal" para tomar "medidas adequadas contra a corrupção". No entanto, o manifesto do Congresso foi apelidado de um dos mais progressistas da Índia, prometendo "libertação do medo" e prometendo proteger a liberdade de expressão e de crença religiosa consagrada na Constituição.

Quem vai votar?

Os eleitores estão a votar para 543 lugares na câmara baixa do Parlamento - Lok Sabha - com mais dois lugares nomeados pelo Presidente do país.
O partido que obtiver a maioria formará um governo e nomeará um dos seus candidatos vencedores como primeiro-ministro.

Esta sexta-feira, os eleitores dos círculos eleitorais de 21 estados e territórios da união em toda a Índia votam eletronicamente. Alguns estados são tão grandes que a votação é repartida pelas sete fases, enquanto outros votam num só dia.

Entre os estados politicamente mais importantes está Uttar Pradesh, onde 240 milhões de pessoas votam em todas as sete fases. O maior estado da Índia é um campo de batalha crucial, com 80 lugares no Lok Sabha em disputa.

Lar do icónico Taj Mahal e da cidade mais sagrada da Índia, Varanasi, o círculo eleitoral de Modi, o Uttar Pradesh é também um dos mais pobres do país. E embora cerca de 38 milhões de muçulmanos vivam no Uttar Pradesh, este é considerado o coração hindu do BJP e está cada vez mais dividido em termos de classe, casta e religião.

Aqdas Siddiqui, 26 anos, é um homem de negócios que vai votar em Muzaffarnagar, no Uttar Pradesh. Diz que, apesar de ser muçulmano, vai votar no BJP. "O governo introduziu uma série de programas sociais para os pobres e os muçulmanos são os maiores beneficiários. O governo também reduziu a burocracia e o país tornou-se mais favorável às empresas", afirma.

No entanto, muitos muçulmanos com quem a CNN internacional falou dizem que não podem continuar a aceitar ser marginalizados pelo atual governo e votaram na oposição. "Um país é como uma família, só pode desenvolver-se se o chefe de família tratar toda a gente de forma igual e não discriminar", diz Mehtab Ali, 54 anos.

Relacionados

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados