Gás, drones e recrutas condenados: ucranianos descrevem maior sucesso da Rússia na linha da frente

CNN , Nick Paton Walsh, Kosta Gak e Christian Streib
19 dez 2023, 19:12

As linhas da frente, onde a Ucrânia e os seus aliados esperavam um avanço no verão, são agora o epítome do inverno sombrio e desolador que se avizinha - do ressurgimento russo e das crescentes perdas de Kiev.

"Como gostamos de dizer no exército, o plano era bom no papel, mas esquecemo-nos das trincheiras", brinca Ihor, um comandante da 15.ª Guarda Nacional. A CNN só utiliza o seu primeiro nome para proteger a identidade, por razões de segurança. Falando com a CNN nas profundezas de um posto de comando em Orikhiv, no sul da Ucrânia, é interrompido por ruídos de pânico na sala de rádio.

"Gravemente ferido", grita-lhe o operador de rádio. Um drone russo atingiu um grande depósito de gás, combustível utilizado para aquecimento numa trincheira perto das posições russas, deixando um soldado ferido.

Ihor pega no auscultador: "Iniciar a evacuação, iniciar a evacuação. Evacuar com um veículo pequeno... Já saíram?"

A voz no rádio responde. Não podem sair, porque não têm transporte. O rosto de Ihor aperta-se de frustração - tudo o que pode fazer é esperar por notícias num silêncio agonizante.

Minutos depois, o rádio volta a tocar. O soldado "já está a 200" - código militar para morto.

"Acabou", diz Ihor aos seus homens. "Não há pressa. Não o podemos ajudar."  O corpo de Sergei, de 48 anos, será agora recolhido depois de escurecer, quando é mais seguro.

É um dos quatro soldados ucranianos mortos nesse dia e dos cerca de 50 mortos nessa semana só nesta zona, segundo um oficial ucraniano da região.

Ihor, um comandante ucraniano, descreve os enormes desafios que se colocam às suas forças no inverno sombrio que se avizinha, com a Rússia a ressurgir no meio das crescentes perdas de Kiev (CNN)

Vagas de recrutas russos condenados

"Cada baixa faz a diferença", admite Ihor. "Afeta a moral de todos. É muito doloroso para mim."

O combate de inverno é mais do que desolador. A norte de Robotyne, onde há meses se travaram combates ferozes, os drones ucranianos são ultrapassados em número pelos russos, tendo 40 destes últimos atingido uma rede de trincheiras ucranianas num dia, recentemente.

Os ucranianos enfrentam vagas incessantes de recrutas russos condenados, devidamente treinados e equipados, apoiados por blindados e, muitas vezes - segundo eles -, recebendo uma mistura de drogas para reforçar o seu ataque. Os soldados ucranianos mostraram à CNN imagens de drone de um russo ferido, com as pernas cortadas, mas com um sorriso macabro no rosto, aparentemente alheio à dor.

Os que combatem nas trincheiras ucranianas sitiadas dizem que enfrentam agora outra ameaça: a utilização de gás como arma. Nas últimas semanas, foram registados nove incidentes nesta zona, disse à CNN um médico de combate ucraniano, em que um gás cáustico e inflamável foi lançado por drones sobre as linhas ucranianas, causando uma vítima mortal. O gás é utilizado para provocar o pânico e é seguido por bombardeamentos convencionais ou ataques de drones, segundo os soldados afetados.

Um funcionário dos serviços secretos ucranianos disse à CNN que a substância utilizada pelos russos era uma forma de gás CS.

O gás CS, um agente de controlo de motins também conhecido como gás lacrimogéneo, é um composto químico que pode tornar as pessoas temporariamente incapazes de funcionar, irritando os olhos, o nariz, a boca, os pulmões e a pele, de acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos. A utilização de agentes de controlo de motins na guerra é proibida pela Convenção das Nações Unidas sobre as Armas Químicas.

Nos últimos meses tem havido relatos periódicos de soldados russos que utilizam gás no campo de batalha, mas a sua utilização em Orikhiv parece ser anormalmente persistente.

Dois soldados que sobreviveram a um ataque de gás mostraram à CNN relatórios médicos indicando que tinham sido envenenados. "Primeiro vi fumo", disse um deles à CNN. "Saímos a correr da trincheira e, de repente, o gás pegou fogo. A trincheira ficou em chamas. Este gás queima, cega-nos, não conseguimos respirar, desce-nos imediatamente pela garganta. Não tivemos um segundo sequer".

O segundo soldado acrescentou: "Inalamo-lo duas vezes e depois não conseguimos respirar."

Os homens disseram que sofreram ferimentos, incluindo queimaduras e vergões no rosto e no interior da boca e da garganta. Ambos os homens ainda tinham vermelhidão no rosto, sinais residuais dos ferimentos.

Dois soldados que sobreviveram a um ataque com gás mostraram à CNN relatórios médicos que indicam que foram envenenados (CNN)

A alegada utilização de agentes químicos no campo de batalha assinala mais um sinal da brutalidade e da mendacidade da nova luta da Rússia pelo terreno que perdeu. A Ucrânia esperava maiores avanços durante o verão em direção ao Mar de Azov, mas agora tem de defender os seus pequenos ganhos.

"Estão a ocorrer mudanças colossais", revela o comandante, Ihor. "Os russos começaram a fabricar os seus próprios drones de ataque e são em maior número do que os nossos. Mas usam-nos mal, como se fossem um brinquedo de criança".

O número de russos na frente de combate é desconcertante, segundo vários soldados ucranianos. "Normalmente, mais carne significa mais carne picada", explica Ihor, referindo-se aos generais russos que atiram as suas forças para o "moinho de carne" da linha da frente sem se preocuparem com as perdas. "Mas, por vezes, a máquina acerta. E eles têm sucesso".

Num pequeno bunker mais próximo da linha da frente, a CNN observou uma unidade de drones ucranianos, parte do comando de Ihor, a tentar caçar russos num cruzamento próximo. Dois soldados russos saíram de uma trincheira carregando uma maca, provavelmente carregada de comida. O operador manteve o drone afastado, para que não fosse detectado, e pediu um ataque de morteiro, que pareceu falhar. O drone falhou então, provavelmente atingido por uma interferência russa. Tanto o frio intenso como as interferências podem esgotar a vida útil da bateria dos drones, disseram os soldados à CNN.

Os desafios de Ihor são imensos e mesmo a evacuação dos feridos coloca os seus veículos limitados em risco de ataques de drones russos. A crise do financiamento dos EUA e da UE para a Ucrânia está no centro das atenções, uma vez que uma série de imagens granuladas de drones mostram linhas de árvores nuas, soldados russos feridos numa cratera e uma paisagem tão cruel que parece notável que qualquer vida humana emerge dela.

"Sem apoio, não vamos conseguir", disse.

Europa

Mais Europa

Patrocinados