Rússia está a aproveitar "janela de oportunidade" para atacar a Ucrânia

CNN , Jim Sciutto
9 mai, 16:13
Um trabalhador retira cacos de vidro de uma janela partida numa escola danificada por um ataque de mísseis russos em Kharkiv, Ucrânia, a 8 de maio de 2024. (Sofiia Gatilova/Reuters)

Os serviços secretos ocidentais acreditam que a Rússia está a tentar explorar o que considera ser uma “janela de oportunidade” para intensificar ainda mais os ataques aéreos e terrestres contra a Ucrânia, aproveitando o tempo que será necessário para que as novas armas e munições do pacote de ajuda militar recentemente aprovado pelos EUA cheguem em quantidades significativas, disseram à CNN três responsáveis com conhecimento direto das últimas avaliações.

Estes afirmaram que haverá um espaço de tempo entre a aprovação dos fundos e a chegada da maior parte da assistência que fará uma diferença significativa nas linhas da frente, um atraso que acreditam que a Rússia procurará explorar.

Durante a noite desta quarta-feira, a Rússia lançou um ataque maciço de mísseis e drones contra a Ucrânia. As autoridades ucranianas afirmam que a Rússia disparou mais de 50 mísseis e 20 drones, visando infraestruturas energéticas em todo o país. A maior empresa de eletricidade da Ucrânia afirmou que esta foi a quinta vez que a Rússia atacou as suas instalações nas últimas seis semanas.

“Estão a tentar causar o máximo de sofrimento possível ao povo ucraniano para aproveitarem e destruírem o moral ucraniano”, disse à CNN o deputado ucraniano Oleksiy Goncharenko esta quarta-feira.

O atraso de meses na aprovação do financiamento foi resolvido no mês passado, quando o presidente republicano da Câmara dos Representantes, Mike Johnson, desafiou a oposição da ala direita do seu partido e submeteu a votação um importante pacote de segurança que associava o financiamento da Ucrânia à ajuda a Israel e a Taiwan.

Mas meses de inação resultaram em custos reais para as forças ucranianas no campo de batalha, tanto em território como em baixas, dizem estes oficiais. Espera-se que as forças russas tentem fazer mais progressos e consolidar os ganhos anteriores antes que esta janela de oportunidade se feche.

Os responsáveis ocidentais e ucranianos consideram que a ameaça de intensificação dos ataques a curto prazo está ligada aos planos russos para uma ofensiva de maior envergadura no início do verão, e continuam preocupados com uma nova mobilização parcial da Rússia para enviar mais efetivos para as linhas da frente, uma vez que a Ucrânia se debate com a sua própria escassez de efetivos.

Quanto às perspetivas ucranianas durante as próximas semanas, mesmo com a chegada de nova assistência, um oficial militar dos EUA disse à CNN: “Na melhor das hipóteses, é manter a linha.”

“Com o nível de fornecimento, será muito difícil para nós recuperar qualquer território”, concordou Goncharenko. “Portanto, é mais uma questão de estabilização. É mais uma questão de ganhar tempo, mas não de ganhar a guerra. Por isso, precisamos de mais apoio e esperamos que outros países sigam o exemplo dos EUA.”

A CNN noticiou recentemente que as forças russas aproveitaram a “seca de artilharia” que aflige as forças ucranianas para avançar na frente oriental, perto de Avdiivka, efetuando o maior avanço russo desde os primeiros meses da guerra. Os progressos de Moscovo suscitaram avisos de altos responsáveis militares ucranianos sobre uma possível ameaça para as linhas de abastecimento de Kiev e para os centros de distribuição no leste, que estão agora perigosamente perto de estarem ao alcance do poder de fogo superior russo.

Nas últimas semanas, a Rússia lançou vastos recursos contra as fracas defesas ucranianas nas linhas de frente orientais, avançando para três pontos-chave: o centro militar vital de Pokrovsk, a oeste de Avdiivka; a altitude estratégica de Chasiv Yar, perto de Bakhmut; e Kurakhove, no sudeste.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados