"Estivemos na prisão por causa dos nossos pais"

CNN , Brent Swails, Clarissa Ward e Mohammad Hasan
15 jun, 22:00

Só tinha recebido visitas uma vez antes, há anos, quando chegou à prisão aos 14 anos. Com os olhos vendados e conduzido a uma sala por um guarda mascarado, diz que foi obrigado a sentar-se numa cadeira de plástico sob uma luz fluorescente fria e interrogado por funcionários americanos.

Stefan Uterloo, agora com 19 anos, disse-lhes que tinha um tio nos Estados Unidos mas não se lembrava onde. Suspeita que eles perderam o interesse quando perceberam que não era americano, mas sim do Suriname, uma pequena ex-colónia neerlandesa na América do Sul.

Cinco anos depois, Uterloo ainda passa todos os dias com outros 25 jovens numa única cela em Panorama, uma prisão de segurança máxima no nordeste da Síria, onde a CNN o entrevistou.

Construído com financiamento da coligação liderada pelos EUA contra o Estado Islâmico (ISIS) e gerido pelo aliado da coligação, as Forças Democráticas Sírias ou SDF, uma milícia liderada pelos curdos, Panorama detém alguns dos membros mais perigosos do ISIS capturados em 2019 após a queda do chamado califado do grupo que, no seu auge, se estendia pelo leste da Síria e pelo oeste do Iraque.

De acordo com a Amnistia Internacional, entre os cerca de quatro mil homens que as SDF dizem estar detidos, há cerca de 600 rapazes e jovens detidos enquanto rapazes. Tal como Uterloo, muitos foram levados para a Síria, sem culpa própria, pelos pais para viverem sob o domínio do ISIS. Agora estão a atingir a maioridade na prisão. Muitos não fazem ideia porque estão detidos ou o que lhes vai acontecer.

"Não sei o que se passa com os grandes", diz Uterloo. "Mas se estivermos a falar dos miúdos, e se quisermos saber a verdade, nem sequer sabemos porque é que somos sempre castigados. É como se estivéssemos cinco anos nesta prisão... nem sequer sabemos o que fizemos. Estivemos na prisão por causa dos nossos pais".

As Nações Unidas e os grupos de defesa dos direitos humanos há muito que alertam para a crise humanitária e jurídica que enfrentam os filhos dos combatentes do ISIS, que há anos são mantidos em campos e centros de detenção no nordeste da Síria. Mas tem havido pouco consenso sobre o que fazer com elas. Agora, quando os Estados Unidos lançam o alarme de que o grupo militante está a tentar restabelecer-se e lançar ataques contra o Ocidente, estão a renovar os esforços para repatriar os combatentes e as suas famílias para enfrentarem a justiça no seu país.

De acordo com a Amnistia, as cerca de 30 mil crianças atualmente detidas em pelo menos 27 centros de detenção e dois campos de detenção - Al-Hol e Al-Roj - no nordeste da Síria representam a maior concentração de crianças detidas arbitrariamente e privadas da sua liberdade em todo o mundo.

A CNN teve acesso extremamente raro a campos de detenção e instalações para suspeitos de pertencerem ao ISIS - também lá estão alguns dos seus familiares -, incluindo a prisão de Panorama. Foi a primeira vez que o SDF permitiu que jornalistas entrassem em Panorama desde 2021 e aconteceu apenas um mês depois de a Amnistia divulgar um relatório em que acusa o SDF de manter os detidos em "condições desumanas". O grupo de defesa citou detidos que disseram ter sido submetidos a tortura e a quem foi negado o acesso a alimentos e cuidados médicos adequados em Panorama, levando a um grave surto de tuberculose dentro da prisão.

As SDF não hesitaram em contestar as alegações de abuso generalizado e sistemático. O comandante máximo, Mazloum Abdi, revelou à CNN que as alegações do grupo "não refletem a realidade".

"Em vez de essas organizações condenarem o que estamos a fazer e apelidarem-no de violações dos direitos humanos, essas organizações deveriam ajudar-nos no que diz respeito ao nosso programa que temos em vigor há anos", acrescentou Mazloum.

Nas duas celas que a CNN foi autorizada a ver sob a supervisão da SDF, os detidos pareciam estar em boas condições físicas, sentados de pernas cruzadas em espaços limpos, recentemente construídos e com ar condicionado. Mas as SDF admitiram que a tuberculose é galopante na prisão, sendo responsável por cinco mortes por mês, e a tosse era audível nos corredores.

As autoridades disseram à CNN que os detidos passam até 23 horas por dia nas suas celas e são mantidos indefinidamente sem qualquer acusação. Grupos de defesa afirmam que as circunstâncias equivalem a "um buraco negro legal", ainda pior do que o centro de detenção da Baía de Guantánamo, nos EUA.

Um terreno fértil para a próxima geração do ISIS

Em Al-Hol, um extenso campo de detenção com tendas desbotadas, arame farpado enferrujado e terra varrida pelo vento, a escala do problema revela-se.

Há pouco mais de 40 mil pessoas no campo, onde indivíduos com afiliações ao ISIS vivem ao lado dos deslocados, alguns deles vítimas do próprio ISIS.

Um anexo de alta segurança abriga cerca de 6.700 mulheres e crianças com ligações a combatentes do ISIS de mais de 60 países, que foram varridos e despejados em Al-Hol quando o SDF encurralou e finalmente derrotou o grupo no seu último reduto, Baghouz, no leste da Síria, em 2019. Mais de metade da população do campo é constituída por crianças, a maioria com menos de 12 anos de idade.

Para além das ramificações legais da sua detenção arbitrária e indefinida, existem também claros riscos de segurança. O general Erik Kurilla, chefe do Comando Central das Forças Armadas dos EUA, afirmou numa declaração após uma das suas visitas a Al-Hol em 2022 que o campo era "uma bomba-relógio".

"Este lugar é literalmente um terreno fértil para a próxima geração do ISIS", sublinhou. "Estes jovens são vulneráveis à radicalização devido à sua péssima qualidade de vida."

Em declarações à CNN, um alto funcionário do governo dos EUA foi mais direto: "O ISIS quer manter toda a gente ali leal e preparada".

Todos os meses, algumas dezenas de rapazes de 10 a 15 anos são contrabandeados de Al-Hol para campos de treino do ISIS, de acordo com o funcionário. Durante as rusgas periódicas de segurança a Al-Hol, os responsáveis das SDF encontram regularmente vídeos de telemóvel dos treinos, juntamente com provas horríveis de execuções extrajudiciais por apoiantes do ISIS.

Num dos vídeos, partilhado pela primeira vez com a CNN, uma mulher é acusada de colaborar com os administradores do campo. É espancada e depois decapitada dentro de Al-Hol - o tipo de punição extrajudicial brutal do ISIS que o mundo esperava não voltar a ver.

As FDS e os EUA têm pressionado os países a repatriar cidadãos da Síria, dizendo à CNN que é a única solução viável para esta situação complexa e perigosa.

A população de Al-Hol foi reduzida em 42% de um pico de mais de 73 mil em 2019, de acordo com funcionários dos EUA que dizem que o processo tem sido muito lento e muitos, incluindo aliados próximos que podem revogar a cidadania mais facilmente do que os EUA, ainda estão a arrastar os pés.

"É inútil", garantiu o alto funcionário americano à CNN.

Para complicar as coisas, a maior parte dos detidos do campo são de países que não são aliados da coligação liderada pelos EUA, entre os quais russos, chineses uigures e sírios de áreas controladas pelo regime, o que torna irrealista a perspetiva de encerrar permanentemente Al-Hol, pelo menos por enquanto. Ao ritmo atual de repatriamento, as autoridades dizem que serão necessários pelo menos mais sete anos para reduzir para metade a população atual do campo.

Retirados das mães à noite

Como medida paliativa, as FDS introduziram uma política oficial que separa os rapazes das suas mães aos 14 anos, colocando-os em duas instalações construídas para o efeito, a que chamam centros de "reabilitação". A CNN encontrou crianças de apenas 11 anos num dos centros, o que sugere que os funcionários do campo estão a ir além dessa política. Uma mulher em Al-Hol afirmou que o seu filho de 10 anos foi detido por tentar fugir do campo, e que os rapazes são frequentemente levados aos 12 anos.

As SDF afirmam que esta política é necessária para impedir que os rapazes sejam radicalizados pelas suas mães e para evitar que a próxima geração de combatentes do ISIS nasça nos campos. Apontam os 60 nascimentos por mês registados em Al-Hol como prova de que os rapazes já estão a ser casados.

Mas esta política constitui uma violação absoluta do direito internacional, de acordo com Fionnuala Ní Aoláin, antiga relatora especial da ONU para a luta contra o terrorismo e os direitos humanos.

"Está a chegar ao ponto de ser um crime de guerra", disse Ní Aoláin à CNN. "Não existe um processo legal que o justifique... é necessário um processo judicial e retirar a criança à mãe é um último recurso absoluto, depois de se ter tentado tudo o resto. E não é nem um último recurso nem um processo legal, é geralmente um processo bastante violento e arbitrário".

"Ninguém contesta que a situação em Al-Hol é subótima, perigosa, inadequada para as crianças, com exposição à violência estrutural e direta, mas também não assume a responsabilidade pela própria existência desses campos", acrescentou.

A alternativa, dizem os funcionários das SDF, é muito pior.

Comparado com Al-Hol, o centro de "reabilitação" de Orkesh, onde estão detidos alguns rapazes e jovens, parece um santuário. O seu pátio interior é dominado por um campo de futebol, onde quase todas as manhãs, antes do calor abrasador do dia, Shamil Chakar vai à baliza.

É difícil não reparar em Chakar. O adolescente alto e esguio, originário de Colónia, na Alemanha, foi levado pelos pais para a antiga capital do autodeclarado califado do ISIS, Raqqa.

Movimenta-se com facilidade em campo, mas um ferimento de estilhaço, cuja grande cicatriz ainda é visível na sua cabeça, deixou-o confuso. Quando se senta para conversar, não sabe a sua idade. Mas a memória da noite em que foi levado de Al-Hol pelas forças de segurança das FDS está fresca.

"Um homem veio e puxou-me para cima e amarrou-me a mão atrás das costas", contou Shamil. "A minha mãe estava a gritar e disse: 'Deixem-no em paz'. Eu não queria ir com eles. Ele empurrou-me, disse para calçar os sapatos, mas eu não calcei. Depois bateu-me".

Outros rapazes têm histórias semelhantes de separação violenta. Todos sentem a falta das suas mães. Mas as suas vidas também mudaram radicalmente. No centro, têm quartos com camas, três refeições por dia e apoio psicológico cinco dias por semana.

Uma prisão americana em qualquer dia

As segundas oportunidades são quase impossíveis de obter. Para os detidos, o arrependimento é exigido e o perdão raramente é dado. Mas quando isso acontece, é no campo de Al-Roj.

É muito mais pequeno e mais fácil de gerir do que Al-Hol, e é para lá que os detidos internacionais são transferidos antes de serem repatriados.

No início de maio, a americana Brandy Salman, de 50 anos, e os seus nove filhos, com idades compreendidas entre os 7 e os 26 anos, bem como os dois filhos mais novos de um homem do Minnesota, deixaram Al-Roj, naquele que foi um dos maiores repatriamentos para os EUA até à data.

Cerca de uma dúzia de americanos permanecem em Al-Roj, segundo as autoridades americanas, que estão a tentar trazê-los de volta.

Mas, por enquanto, Hoda Muthana, uma mulher nascida nos Estados Unidos, não é uma delas. Ela está presa em Al-Roj há mais de cinco anos com seu filho de sete anos. É conhecida no campo por ser franca. Não usa véu facial e escreveu "F-ISIS" na parede do exterior da sua tenda.

Criada no Alabama, deixou a família aos 20 anos para viver sob o domínio do ISIS, depois de ter sido atraída pela propaganda do grupo nas redes sociais. Ela própria se tornou uma notável propagandista do ISIS, aplaudindo os seus ataques em mensagens no Twitter, agora X, e apelando a outros para se juntarem ao autodeclarado califado. Muthana nega ter sido ela a publicar os tweets, garantindo à CNN que o seu telemóvel foi roubado quando se juntou ao ISIS, uma decisão de que se arrepende profundamente.

À medida que o seu filho cresce, aproximando-se da idade da política de separação forçada, ela vive num medo constante pelo seu futuro.

Os seus advogados americanos continuam a insistir no seu repatriamento e no do filho, depois de a administração Trump ter revogado o seu passaporte por uma questão técnica em 2019 e ter dito que a mulher não era cidadã.

Com poucas opções depois de o Supremo Tribunal se ter recusado a ouvir o seu recurso, a sua equipa jurídica solicitou diretamente ao Departamento de Estado um certificado de identidade para provar o seu estatuto.

Um porta-voz do Departamento de Estado disse à CNN que não tinha alterado a sua posição relativamente ao estatuto de cidadania de Hoda Muthana. "Hoda Muthana não é cidadã americana. Tal como o Departamento de Estado determinou e os tribunais concordaram, ela não é nem nunca foi cidadã dos EUA. Por razões de privacidade, não podemos fazer mais comentários", disse o porta-voz.

A advogada de Muthana, Christina Jump, acrescentou à CNN que a posição do departamento é hipócrita, na melhor das hipóteses, e desonesta, na pior.

"Os Estados Unidos adotaram uma abordagem arrogante e poderosa ao dar lições a outros países sobre a necessidade de repatriar. Se Hoda Muthana não é cidadã dos EUA, então é apátrida e isso é uma violação do direito internacional e contradiz diretamente o que o governo dos EUA declarou que os outros países não podem e não devem fazer", afirmou Jump. "Também estão a ignorar completamente que, no mínimo, há um neto de cidadãos norte-americanos que permanece naquele campo e de que eles têm conhecimento há anos".

Dentro de uma tenda rodeada de brinquedos e livros do filho, Muthana disse à CNN que tudo o que queria era regressar aos EUA, mesmo que isso significasse estar na prisão.

"Se eu tivesse algum tempo para cumprir, cumpri-lo-ia e sairia para começar a minha vida com o meu filho", acrescentou. "Se tivesse de escolher entre a prisão americana e este campo, escolheria a prisão americana em qualquer altura."

Créditos
Jornalista de vídeo: Scott McWhinnie
Editores de vídeo: Oscar Featherstone e Augusta Anthony
Editor gráfico: Lou Robinson
Editor de fotografia: Sarah Tilotta
Editores: Eliza Mackintosh e Laura Smith-Spark

Médio Oriente

Mais Médio Oriente

Mais Lidas

Patrocinados