PCP avisou Marcelo de que vai usar "todos os meios" para combater "projeto de retrocesso da direita"

Agência Lusa , BCE
15 mar, 13:01
Paulo Raimundo cabisbaixo com o pior resultado de sempre da CDU (Manuel de Almeida/Lusa)

Paulo Raimundo argumenta que o resultado das eleições de domingo "não responde à necessidade do povo"

O secretário-geral do PCP, Paulo Raimundo, transmitiu ao Presidente da República que os comunistas usarão “todos os meios”, institucionais e de “ação e combate”, para que o “projeto de retrocesso da direita” não seja concretizado.

“Esse projeto de retrocesso da direita contará, desde o primeiro minuto, com a oposição firme do PCP, e não será pelo PCP que esse projeto será implementado no nosso país. Utilizaremos para isso todos os meios que tivermos ao nosso dispor, quer no plano institucional, quer no plano da ação e do combate, onde for necessário, e foi isso que reafirmámos junto do senhor Presidente”, afirmou Paulo Raimundo.

Numa declaração enviada às redações, o líder comunista argumentou que o resultado das eleições de domingo, com “três milhões de votos na direita”, “não responde às necessidades do povo, às necessidades dos trabalhadores”.

Paulo Raimundo encabeçou a delegação do partido que foi recebida na quarta-feira pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no Palácio de Belém, em Lisboa, mas, em dia de greve geral dos jornalistas, saiu sem prestar declarações.

“O senhor Presidente, agora, em função dos dados eleitorais, que ainda não estão completamente conhecidos, terá de tomar as decisões que entenda. Da nossa parte, ficou claro o caminho pelo qual estamos empenhados”, sublinhou.

Na mensagem que os comunistas levaram a Marcelo Rebelo de Sousa, Paulo Raimundo defendeu que esteve ausente da campanha eleitoral “toda a matéria da injustiça, da desigualdade, e das questões centrais dos salários e das reformas, que é preciso resolver de uma vez por todas”.

Para o PCP, trata-se de “matérias que vários e importantes protagonistas deixaram de fora do debate político e da centralidade que é merecida”.

Paulo Raimundo insistiu ainda na ideia segundo a qual “o período que levou desde a cessação da assembleia e o ato eleitoral foi um período demasiado longo”.

Relacionados

Decisão 24

Mais Decisão 24

Mais Lidas

Patrocinados