Líder do CDS apela ao Presidente para a dissolução do parlamento. "O país está pior e os casos sucedem-se"

Agência Lusa , BC
29 abr, 13:44
Nuno Melo (Lusa/Estela Silva)

Nuno Melo diz que governação chegou a um ciclo que já não permite regeneração normal

O presidente do CDS, Nuno Melo, defendeu este sábado a dissolução do parlamento pelo Presidente da República, considerando que devido à atuação do Governo “está em causa o regular funcionamento das instituições democráticas”.

“Em dezembro, o CDS já suscitou essa decisão ao Presidente. Dissemos que a governação tinha chegado a um ciclo que já não permitia uma regeneração normal, que o país estava de novo entregue a um pântano, que o tempo só permitiria um agravamento do quadro geral (que já se via) e o tempo deu-nos razão. O país está pior e os casos sucedem-se. Por maioria de razão, a dissolução do parlamento que pedimos em dezembro faz sentido hoje”, afirmou.

Em declarações aos jornalistas na feira agrícola Ovibeja, Nuno Melo sublinhou que a governação do executivo liderado pelo primeiro-ministro “está em fim de ciclo” e que o PS “perdeu a capacidade de se regenerar” face às sucessivas polémicas.

“Uma maioria absoluta tem de ser o último dos critérios ou razões para que o parlamento não seja dissolvido. Se uma maioria absoluta permite uma sucessão de episódios tão tristes e deploráveis, que fazem questionar a saúde do regime, implica uma intervenção do mais alto magistrado da nação”, acrescentou.

Relacionados

Partidos

Mais Partidos

Patrocinados