Novo estudo revela que o café reduz o risco de problemas cardíacos e morte prematura - principalmente estes dois

CNN , Sandee LaMotte
2 out, 15:00
Novo estudo revela que o café reduz o risco de problemas cardíacos e morte prematura, principalmente o café moído e o descafeinado (CNN Internacional)

Um estudo recente revelou que beber duas a três chávenas por dia da maioria dos tipos de café pode protegê-lo de doenças cardiovasculares e de uma morte prematura.  

“Os resultados sugerem que a ingestão ligeira a moderada de café moído, instantâneo e descafeinado deve ser considerada parte de um estilo de vida saudável”, afirmou o autor do estudo, Peter Kistler, chefe da investigação clínica em eletrofisiologia no Baker Heart and Diabetes Institute e chefe da eletrofisiologia no Alfred Hospital em Melbourne. 

Os investigadores encontraram “reduções significativas” no risco de doença coronária, insuficiência cardíaca congestiva e AVC para os três tipos de café. Contudo, apenas o café moído e instantâneo com cafeína reduziu o risco de um batimento cardíaco irregular chamado arritmia. O descafeinado não reduziu esse risco, segundo o estudo publicado no European Journal of Preventive Cardiology. 

Estudos prévios também descobriram que ingerir quantidades moderadas de café simples - entre três e cinco chávenas por dia - diminui o risco de doença cardíaca, bem como Alzheimer, Parkinson, diabetes tipo 2, doença hepática e cancro da próstata

“Este manuscrito acrescenta ao corpo de provas de ensaios observacionais que associam o consumo moderado de café à cardioproteção, o que parece promissor”, afirmou Charlotte Mills, professora de ciências nutricionais na University of Reading no Reino Unido, num comunicado. 

Mills, que não esteve envolvida neste estudo, afirmou, ainda assim, que esta investigação, como muitas no passado, foi apenas observacional por natureza e, portanto, não pode provar uma causa e efeito diretos. 

“Será que o café torna as pessoas saudáveis ou será que as pessoas inerentemente saudáveis consomem café?” questionou. “É necessário realizar ensaios controlados aleatórios para provar a relação entre o café e a saúde cardiovascular.” 

O café normal e moído é o que mais reduz o risco

O estudo utilizou dados do Biobank do Reino Unido, uma base de dados de investigação que continha preferências de consumo de café em quase 450.000 adultos que estavam livres de arritmia ou outras doenças cardiovasculares no início do estudo. Foram divididos em quatro grupos: os que apreciavam café moído normal, os que escolhiam descafeinado, os que preferiam café normal instantâneo, e os que não bebiam café de todo. 

Após uma média de 12,5 anos, os investigadores analisaram os registos médicos e de morte em busca de relatos de arritmia, doença cardiovascular, acidente vascular cerebral e morte. Após adaptação à idade, diabetes, etnia, tensão arterial elevada, obesidade, apneia obstrutiva do sono, sexo, estado tabagista, e consumo de chá e álcool, os investigadores descobriram que todos os tipos de café estavam ligados a uma redução da morte por qualquer causa. 

O facto de tanto o café normal como o descafeinado serem benéficos “pode sugerir que não é simplesmente a cafeína que pode potencialmente explicar qualquer redução de risco associada”, afirmou Duane Mellor, um nutricionista certificado e docente sénior na Aston University Medical School em Birmingham, no Reino Unido, num comunicado. Mellor também não esteve envolvido no estudo. 

“A cafeína é o componente mais conhecido do café, mas a bebida contém mais de 100 componentes biologicamente ativos”, referiu Kistler, professor de medicina que trabalha em parceria com a Universidade de Melbourne e a Universidade de Monash. 

"É provável que os compostos não cafeinados tenham sido responsáveis pelas relações positivas observadas entre o consumo de café, as doenças cardiovasculares e a sobrevivência”, afirmou Kistler. 

Beber duas a três chávenas de café por dia estava ligado à maior redução de morte prematura, em comparação com as pessoas que não bebiam café, de acordo com a declaração. O consumo de café moído reduziu o risco de morte em 27%, seguido de 14% para o descafeinado, e 11% para o descafeinado instantâneo. 

A relação entre o café e um risco reduzido de doença cardíaca e AVC não era tão forte: Beber duas a três chávenas por dia de café moído reduziu o risco em 20%, enquanto a mesma quantidade de descafeinado reduziu o risco em 6% e o instantâneo em 9%. 

Os dados alteraram-se no que dizia respeito ao impacto do café no batimento cardíaco irregular: Quatro a cinco chávenas por dia de café normal moído diminuíram o risco em 17%, enquanto duas a três chávenas por dia de café instantâneo reduziram a probabilidade de arritmia em 12%, segundo a investigação. 

É necessária uma investigação mais aprofundada 

Uma limitação do estudo foi que o consumo de café foi analisado somente durante uma altura específica, afirmou Annette Creedon, cientista nutricional e gestora da Fundação Britânica para a Nutrição, que é parcialmente financiada pelos produtores de alimentos, retalhistas e empresas de serviços alimentares. 

Creedon, que também não fez parte da investigação, declarou que “este estudo teve um período de seguimento médio de 12,5 anos, durante o qual muitos aspetos da dieta e estilo de vida dos participantes podem ter mudado”. 

Além disso, o café pode produzir efeitos secundários negativos em algumas pessoas, acrescentou. As pessoas com problemas de sono ou diabetes descontrolada, por exemplo, devem consultar um médico antes de adicionar cafeína às suas dietas. 

Estes efeitos secundários negativos “podem ser particularmente relevantes para indivíduos que são sensíveis aos efeitos da cafeína”, salientou Creedon. “Por isso, os resultados deste estudo não sugerem que as pessoas devem começar a beber café, caso ainda não o façam, ou que devem aumentar o seu consumo.” 

A maior parte dos estudos estão centrados nos benefícios que o café simples pode trazer à saúde, e não têm em conta os açúcares extra, cremes, leites e aditivos processados que muitas pessoas juntam ao seu café. 

“Uma simples chávena de café talvez com um pouco de leite adicionado é muito diferente de um latte grande aromatizado com açúcares e natas”, disse Mellor. 

Além disso, a forma como o café é preparado pode também afetar os seus benefícios para a saúde. O café filtrado apanha um composto chamado cafestol que existe na parte oleosa do café. O cafestol pode aumentar o mau colesterol ou LDL (lipoproteínas de baixa densidade). 

No entanto, utilizar uma prensa francesa, uma cafeteira turca ou ferver o café (como é frequentemente feito nos países escandinavos), não remove o cafestol. 

E, por fim, há que referir que os benefícios do café não se aplicam às crianças - mesmo os adolescentes não devem beber cola, cafés, bebidas energéticas ou outras bebidas com qualquer quantidade de cafeína, de acordo com a Academia Americana de Pediatria.

Relacionados

Vida Saudável

Mais Vida Saudável

Patrocinados