Lindy tinha apenas 19 anos quando foi brutalmente assassinada. Um copo de café desvendou um mistério com 47 anos

CNN Portugal , FMC
20 jul, 16:15
Lindy Sue Biechler (Lancaster Country DA Office)

Durante anos os detetives do caso seguiram inúmeras pistas, entrevistaram mais de 300 pessoas, recorreram a especialistas de crime, como o FBI, e procuraram até videntes. A resposta surgiu em fevereiro

David Sinopoli viveu impune durante quase 50 anos. Lindy Sue Biechler tinha apenas 19 anos quando foi brutalmente assassinada. A investigação durou anos, mas as poucas provas acabaram por arquivar o caso, permitindo ao homicida a liberdade de um mistério por resolver. Até que tudo mudou, mais concretamente em fevereiro, depois de um copo de café ter sido atirado para o lixo. 

A morte de Lindy Sue Biechler, a 5 de dezembro de 1975, tinha sido um mistério até há bem pouco tempo. Naquela sexta-feira, a jovem, recém-casada, foi morta dentro do seu apartamento, em Lancaster, Pensilvânia, nos Estados Unidos. Foi esfaqueada 19 vezes e encontrada pelos tios, deitada no chão, com as calças desapertadas e as compras do dia ainda em cima da mesa da cozinha. 

A polícia disse na altura que Lindy tinha lutado pela vida. Era "extremamente altruísta" e "inacreditavelmente encantadora", descreveu ainda o marido da jovem florista, segundo o Washington Post

O crime hediondo deixou todos perplexos e foram vários os esforços da polícia para o solucionar, mas as provas eram escassas - apesar de o perpetrador ter deixado ADN. E o caso foi arquivado, ainda que tenha sido reaberto algumas vezes.

Mas 47 anos depois, o alegado homicida foi detido. Aconteceu no domingo passado. 

A resposta da Genealogia Genética

Durante anos os detetives do caso seguiram inúmeras pistas, entrevistaram mais de 300 pessoas, recorreram a especialistas de crime, como o FBI, e procuraram até videntes. 

Em 1997, o ADN encontrado na vítima foi analisado e acabou por entrar numa base de dados nacional em 2000. Nesse mesmo ano, a Unidade de Análise Comportamental do FBI também investigou o homicídio, acreditando que o assassino de Lindy era provavelmente um homem que conhecia a vítima e que cometeu o crime num ataque de fúria. 

Mas foi devido aos avanços tecnológicos que David Sinopoli, agora com 68 anos, se tornou no principal suspeito. 

Investigadores de uma empresa de biotecnologia procederam à análise do ADN do crime e à sua sequenciação genealógica, determinando que o homicida teria ascendência de uma pequena cidade em Itália chamada Gasperina.

CeCe Moore, uma das investigadoras, chegou até Sinopoli através da análise de arquivos de jornais e registos históricos, apontando-o como "um candidato especialmente convincente". 

Em 1975, o suspeito tinha vivido no mesmo complexo que a vítima e, segundo Moore, "havia muito poucas pessoas a viver em Lancaster que tivessem a idade, o sexo e a árvore genealógica certa".

Em fevereiro, David Sinopoli estava com a mulher e outro casal num café do Aeroporto Internacional de Filadélfia, enquanto esperavam pelo seu voo. Sinopoli estava já a ser vigiado sem saber. Depois de terminar de beber o seu café, deitou o copo no lixo, sem imaginar que essa seria a prova que o incriminaria. 

O copo foi retirado do caixote do lixo, o ADN foi analisado e correspondia ao encontrado no local do crime. 

No domingo de manhã, a tão aguardada detenção aconteceu. Sinopoli foi detido pelas autoridades.

Em conferência de imprensa, na segunda-feira, a procuradora do caso, Heather Adams, afirmou que "o caso foi resolvido devido ao ADN e, especificamente, à genealogia do ADN". 

"E, muito honestamente, sem isso, não sei se alguma vez o teríamos resolvido", sublinhou, admitindo que o suspeito nunca tinha estado no radar das autoridades.  

David Sinopoli, sabe-se agora, é casado e tem três filhos. Trabalhou numa gráfica, caçava e fazia férias em Itália. No ano anterior à morte de Lindy casou com a sua primeira mulher, com quem teve dois filhos. Divorciou-se em 1986 e casou no ano seguinte com a sua segunda mulher, com a qual teve outro filho.

Não levou uma vida de santo, mas até esta semana o único crime pelo qual tinha sido condenado foi em 2004, por invasão de privacidade e conduta desordeira, depois de admitir ter espiado uma mulher que estava nua numa sala de bronzeamento. 

"Lindy Sue Biechler tinha 19 anos quando a sua vida lhe foi brutalmente tirada há 47 anos na santidade da sua própria casa. A detenção de David Sinopoli marca o início do processo judicial. E esperamos que traga algum alívio aos entes queridos da vítima e à comunidade, que durante quase 50 anos não tiveram respostas", disse a procuradora.

Relacionados

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados