Viktor Bout apoia "do fundo do coração" a guerra na Ucrânia. Traficante de armas libertado tinha fotografia de Putin em cela nos EUA

CNN , Darya Tarasova e Sharon Braithwaite
12 dez 2022, 12:17
Viktor Bout. Créditos: Chumsak Kanoknan/Getty Images AsiaPac/Getty Images

O traficante de armas russo libertado, Viktor Bout, disse, no fim de semana, que apoia "do fundo do coração" a chamada "operação militar" na Ucrânia e que, se tivesse oportunidade e as habilidades necessárias, "certamente iria como voluntário" combater pela Rússia.

Bout, apelidado de “comerciante da morte” pelos seus críticos, estava detido nos Estados Unidos e foi libertado na quinta-feira numa troca de prisioneiros com a estrela do basquetebol norte-americano Brittney Griner.

Entrevistado por Maria Butina, uma entusiasta russa dos direitos das armas que se tornou personalidade televisiva e agora trabalha para a RT, controlada pelo Kremlin, Bout confirmou que tinha um retrato do presidente Vladimir Putin na sua cela.

“Sim, sempre. Por que não? Tenho orgulho de ser russo e do nosso presidente ser Putin”, afirmou.

O ex-militar soviético cumpria pena de 25 anos de prisão nos Estados Unidos sob a acusação de conspirar para matar americanos, adquirir e exportar mísseis antiaéreos e fornecer apoio material a uma organização terrorista - na entrevista à RT negou vender armas ao Afeganistão e ter negócios com os talibãs. 

Acredita-se que Bout, que alegou inocência, tenha cerca de 50 anos, uma vez que possui diferentes passaportes e documentos de identidade.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados