Já há mais de 100 casos de varíola dos macacos relatados em 12 países. "Não é tão contagiosa como a covid”

CNN , Holly Yan
23 mai, 07:10
Varíola dos macacos (Cynthia S. Goldsmith, Russell Regner/CDC via AP)

Mais de uma centena de casos confirmados ou suspeitos, avança a Organização Mundial de Saúde. Especialistas explicam ao que é preciso estar atento

Mais casos de uma doença rara foram relatados em todo o mundo, inclusive nos Estados Unidos - onde uma autoridade de saúde disse esperar mais casos nos próximos dias.

Até sábado, 92 casos confirmados e 28 casos suspeitos de varíola dos macacos estavam sob investigação em 12 países, informou a Organização Mundial da Saúde num comunicado enviado à imprensa.

Foram identificados casos confirmados na Alemanha, Austrália, Bélgica, Canadá, Espanha, Estados Unidos, França, Holanda, Itália, Portugal, Reino Unido e Suécia. Só os EUA tinham entre um e cinco casos confirmados de varíola no sábado, disse a OMS.

"A situação está a evoluir e a OMS espera que haja mais casos de varíola dos macacos identificados à medida que a vigilância se expande em países não endémicos", segundo o comunicado de imprensa.

Ashish Jha, coordenador de resposta à covid-19 da Casa Branca, disse à ABC que não ficaria surpreendido se os EUA vissem "mais alguns" casos de varíola nos próximos dias. “Mas sinto que este é um vírus que entendemos, temos vacinas contra ele, temos tratamentos contra ele e ele espalha-se de maneira muito diferente do SARS-CoV-2” – o vírus que causa a covid-19, disse Jha à ABC no domingo.

"Não é tão contagiosa como a covid. Portanto, estou confiante de que seremos capazes de agarrá-lo", afirmou Jha. "Mas vamos rastreá-lo muito de perto e usar as ferramentas que temos para garantir que possamos continuar a impedir a propagação e cuidar das pessoas infetadas".

Especialistas em saúde dizem que para espalhar o vírus da varíola dos macacos é necessário contato próximo com uma pessoa infetada.

A infeção pode desenvolver-se após a exposição a “pele com feridas, membranas mucosas, gotículas respiratórias, fluidos corporais infetados ou mesmo contato com roupas contaminadas”, de acordo com Neil Mabbott, diretor de imunopatologia da escola de veterinária da Universidade de Edimburgo, na Escócia.

LEIA TAMBÉM
Os tratamentos que existem para a varíola dos macacos
Estes são os sintomas a que deve estar atento
É Monkeypox, é "varíola dos macacos" ou o quê? Graça Freitas explica

Embora os especialistas digam que a varíola dos macacos não é tão contagiosa quanto a covid-19, o presidente dos EUA, Joe Biden, recomendou que todos deveriam preocupar-se com a disseminação da varíola dos macacos – mesmo enquanto os cientistas trabalham para aprender mais sobre o surto recente.

"Eles ainda não me disseram o nível de exposição, mas é algo com que todos devem preocupar-se", disse Biden a Kaitlan Collins, da CNN, ao deixar a Coreia do Sul no domingo.

“Estamos a trabalhar arduamente para descobrir o que fazemos e qual a vacina, se houver, pode que ela esteja disponível”, disse Biden. "É uma preocupação que, se se espalhar, terá consequências. Foi tudo o que me disseram."

A CNN já noticiou que os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças dos EUA estão a avaliar se uma vacina contra a varíola deve ser oferecida aos profissionais de saúde que tratam pacientes com varíola dos macacos e outras pessoas que podem estar em "alto risco" de exposição.

Os vírus que causam a varíola e a varíola dos macacos estão um pouco relacionados, pois ambos são membros do género Orthopoxvirus - pertencentes à mesma família científica de vírus. Por isso, algumas das mesmas vacinas administradas para prevenir a varíola também demonstraram prevenir a varíola dos macacos.

Os sintomas iniciais da varíola são tipicamente semelhantes aos da gripe, como febre, calafrios, exaustão, dor de cabeça e fraqueza muscular.

"Uma característica que distingue a infeção da varíola dos macacos do da varíola é o desenvolvimento de gânglios linfáticos inchados", disse o CDC. Depois disso, uma erupção cutânea generalizada aparece geralmente na cara e no corpo – inclusive dentro da boca, nas palmas das mãos e nas solas dos pés.

As erupções dolorosas e elevadas são cor de pérola e cheias de líquido, muitas vezes cercadas de círculos vermelhos. As lesões finalmente cicatrizam e desaparecem num período de duas a três semanas, disse o CDC.

Historicamente, os casos de varíola dos macacos são tipicamente relatados na África Ocidental ou na África Central, de acordo com Jennifer McQuiston, vice-diretora da Divisão de Patogénicos de Alta Consequência e Patologia do Centro Nacional de Doenças Infeciosas Emergentes e Zoóticas do CDC.

"Temos um nível de preocupação científica sobre o que estamos a ver porque esta é uma situação muito incomum", disse McQuiston à CNN na quinta-feira. "Não vemos isso nos Estados Unidos ou na Europa - e o número de casos que estão a ser relatados está definitivamente fora do nível normal", disse McQuiston.

Um alto funcionário de saúde do Reino Unido disse à BBC no domingo que as pessoas deveriam estar cientes da varíola dos macacos - mas que o risco para a população em geral "continua extremamente baixo neste momento".

"Acho que as pessoas precisam estar atentas a isso", disse Susan Hopkins, consultora médica chefe da Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido (UKHSA). "Queremos realmente que os médicos estejam atentos e enviem testes se estiverem preocupados".

Hopkins disse, com base em relatórios da África, que o UKHSA sabe que certas pessoas estão "muito mais em risco de doenças graves, particularmente indivíduos imunossuprimidos ou crianças pequenas".

Embora não exista “uma vacina direta para a varíola dos macacos”, disse Hopkins, “estamos a usar uma forma de vacina contra a varíola de terceira geração que é segura em indivíduos que têm contactos com casos”.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Covid-19

Mais Covid-19

Patrocinados