Fotojornalista Maks Levin foi “executado a sangue-frio” por tropas russas

Agência Lusa , CF
22 jun, 12:55
Maks Levin (Fotografia: Kiev Independent)

A ONG Repórteres sem Fronteiras considera provado que Maks Levin e um amigo foram executados por soldados russos, provavelmente depois de interrogados e torturados

O fotojornalista ucraniano Maks Levin, cujo corpo foi encontrado em abril, a 20 quilómetros a norte de Kiev, foi “executado a sangue-frio” por tropas russas, avançou a organização não-governamental (ONG) Repórteres Sem Fronteiras (RSF).

Num relatório publicado esta quarta-feira após uma investigação, a RSF considera provado que Levin e um amigo, o soldado Oleksiy Chernyshov, foram executados por soldados russos no dia 13 de março, numa floresta perto da cidade de Doshchun, provavelmente depois de interrogados e torturados.

O secretário-geral da RSF, Christophe Deloire, disse que "num contexto de guerra fortemente marcado pela propaganda e censura do Kremlin, Maks Levin e o seu amigo pagaram com a vida a sua luta por uma informação verdadeira".

“Devemos-lhes a verdade. E vamos lutar para identificar e encontrar aqueles que os executaram", garantiu Deloire.

As investigações foram realizadas entre 24 de maio e 3 de junho pelo chefe da área de investigação da RSF, Arnaud Froger, e pelo fotojornalista de guerra francês Patrick Chauvel, que havia trabalhado com Levin em Donbass no final de fevereiro.

Quando a invasão russa da Ucrânia começou, a 24 de fevereiro, Levin, de 40 anos, entrou em contacto com um grupo de soldados ucranianos que conhecia desde 2014, quando cobriu o conflito na região separatista de Donbass.

Em 10 de março, Levin perdeu um drone que usava para tirar fotos na floresta perto de Doshchun. Quando voltou, três dias depois, a área já estava parcialmente ocupada por tropas russas.

Apesar do risco, o fotojornalista e o amigo foram em busca do drone, convencidos de que as últimas imagens que havia captado eram muito importantes.

Froger e Chauvel viajaram até Doshchun semanas depois dos militares russos se retirarem da região e reconstituíram a cena do crime com vários objetos que localizaram, incluindo possíveis vestígios de ADN dos soldados.

A investigação encontrou 14 buracos de bala nos destroços do carro de Levin e Chernyshov, que foi incendiado e abandonado no local.

Nove dessas provas, assim como as fotografias que Chauvel tirou, foram entregues aos investigadores ucranianos encarregados de esclarecer as circunstâncias da morte.

O ministro da Cultura ucraniano, Oleksandr Tkachenko, disse a 6 de junho que desde o início da invasão russa, já tinham morrido 32 jornalistas no conflito.

O último foi Fréderic Leclerc-Imhoff, que trabalhava para o canal de notícias BFMTV. O jornalista francês morreu num ataque que atingiu uma caravana humanitária na parte oriental da Ucrânia, a 30 de maio.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Europa

Mais Europa

Patrocinados