Atenção: como tocar um som durante o sono pode diminuir os pesadelos e a angústia que provocam

CNN , Sandee LaMotte
5 nov, 10:00
Não dormir o suficiente pode prejudicar o seu sistema imunitário e desencadear inflamações (CNN)

Novo tratamento para pesadelos é promissor, de acordo com um estudo

Por Sandee LaMotte, CNN

 

Com o coração aos saltos, sento-me na cama, corada, suada e totalmente em pânico. O meu cérebro resgatou-me de um pesadelo, um sonho tão alarmante que me fez acordar.

Só tive um ou dois terrores noturnos, mas para pessoas que sofrem de trauma, stress pós-traumático, depressão ou ansiedade, os sonhos assustadores podem surgir noite após noite, arruinando o sono e, em última análise, a saúde.

As visões dos pesadelos também podem surgir-nos como sombras escuras à luz do dia seguinte, perturbando a nossa capacidade de concentração e raciocínio. O estado de espírito muda e a ansiedade aumenta. Os dias podem ser preenchidos com um medo intenso de adormecer e desencadear mais um sonho aterrador.

Tais sintomas podem levar a um diagnóstico de transtorno de pesadelo, um problema que afeta cerca de 4% dos adultos, de acordo com a Academia Americana de Medicina do Sono.

O tratamento pode incluir redução do stress, aconselhamento, dessensibilização gradual e medicação, mas a norma é a terapia de ensaio de imagens, uma forma de treino cognitivo comportamental que ensina as pessoas a reimaginarem os seus pesadelos com finais positivos. Ainda assim, nem todas as pessoas com transtorno de pesadelo respondem bem ao tratamento, dizem os especialistas.

Agora, um novo estudo trouxe uma reviravolta – tocar um som que a memória da pessoa associou a um resultado mais positivo durante o REM (movimento rápido dos olhos) ou a fase de sonho do sono. O resultado foi uma redução de quatro vezes menos pesadelos só com a terapia básica.

"Tanto quanto sei, este é o primeiro estudo clínico e terapêutico que utiliza a ativação da memória alvo para acelerar e melhorar a terapia", disse o autor principal, Lampros Perogamvros, um psiquiatra no Laboratório do Sono dos Hospitais da Universidade de Genebra.

"Este é um desenvolvimento promissor. Parece que adicionar um som bem cronometrado durante o sono REM aumenta o efeito da terapia de ensaio de imagem... que é um padrão e talvez uma das terapias não farmacológicas mais eficazes neste momento", diz Timothy Morgenthaler, principal autor das mais recentes diretrizes sobre pesadelos da Academia Americana da Medicina do Sono.

"O resultado deve ser replicado", disse Morgenthaler, que não esteve envolvido no  estudo. "Mas fiquei um pouco entusiasmado com esta nova possibilidade."

Reinventar o pesadelo

A terapia de ensaio de imagens tem quatro passos básicos que podem ser ensinados num dia, dizem os especialistas. Primeiro, pede-se às pessoas que escrevam todos os pormenores do seu pesadelo. Em seguida, cada pessoa reescreve o pesadelo com um arco positivo, certificando-se de que termina com uma solução ou resolução agradável ou potenciadora.

Agora começa a prática. O sonho reformulado deve ser ensaiado entre cinco a 20 minutos por dia, até ser integrado nos circuitos de memória do cérebro. Assim que isso for implementado, será altura de pô-lo em prática, ensaiando o novo sonho pouco antes de dormir.

No novo estudo, publicado recentemente na revista Current Biology, os investigadores acrescentaram uma reviravolta à terapia. Dezoito pessoas com transtorno de pesadelo ouviram um som neutro – um acorde de piano – enquanto reinventavam os seus pesadelos de formas mais positivas. Um grupo de controlo de 18 pessoas que também sofriam do distúrbio de pesadelo não ouviu nenhum som adicional enquanto reformulava os seus sonhos.

Todas as 36 pessoas receberam uma faixa na cabeça chamada actímetro para usar à noite durante duas semanas. Além de monitorizar os estágios de sono, o dispositivo apresentou som de uma forma que não acordava o adormecido – através da condução óssea.

"Um dos elementos significativos na intervenção deste estudo é o uso de tecnologia relativamente nova que pode cronometrar com mais precisão o estímulo para o verdadeiro sono REM", disse Morgenthaler, professor de medicina na Mayo Clinic School of Medicine.

"A maioria dos dispositivos portáteis não mede com precisão o sono REM real", acrescentou. "Claro que um estudo mais aprofundado pode descobrir que o momento não é assim tão crítico – mas isso ainda está por determinar."

O som foi exposto a ambos os grupos a cada 10 segundos durante a fase de sonho do sono por um período de duas semanas. Neste caso, "a terapia de ensaio de imagens funcionou para todos os participantes, incluindo o grupo de controlo", disse Perogamvros.

"Mas no grupo experimental onde o som era positivamente associado, a diminuição foi significativamente maior – tinham quase quatro vezes menos pesadelos", acrescentou.

A terapia de ensaio de imagens também diminuiu a angústia geral, medidas de humor e qualidade do sono em ambos os grupos, mas a redução do pesadelo aconteceu mais rapidamente no grupo experimental e persistiu num acompanhamento de três meses, diz Perogamvros. Além disso, membros do grupo que ouviu o som relataram experiências  de  sonho mais alegres durante os seus sonhos do que as do grupo de controlo.

São necessárias investigações adicionais para verificar estes resultados e expandir o conceito, mas Perogamvros espera que a técnica possa levar a avanços em cerca de  30% dos pacientes que não respondem à  terapia de ensaio de imagens, também denominada IRT.

"As ideias subjacentes à hipótese de que a reativação da memória direcionada pode aumentar os efeitos da IRT têm mérito", disse Morgenthaler, "e este teste sofisticado a essa hipótese fortalece a teoria".

Vida Saudável

Mais Vida Saudável

Mais Lidas

Patrocinados