Grupos armados roubam 66.000.000€ dos cofres do Banco da Palestina

Joana Moser , com Lusa
4 mai, 13:00
Banco da Palestina

O Banco da Palestina denuncia assalto de 66 milhões de euros dos seus cofres e que o exército israelita se apropriou de "dezenas de milhões" para evitar que cheguem às mãos do Hamas

Durante o mês de Abril, grupos armados palestinianos, que se crê terem ligações ao Hamas, roubaram cerca de 66 milhões de euros do Banco da Palestina em Gaza. A denúncia foi feita pela própria entidade bancária e noticiada pelo jornal francês Le Monde.

Os roubos terão ocorrido em várias sucursais espalhadas pelo enclave palestiniano e descritos num documento enviado pelo Banco da Palestina a alguns parceiros internacionais com pormenores sobre os crimes.

No dia 16 de abril, os funcionários encontraram um buraco no teto de um dos cofres de depósito seguro numa das sucursais. Só neste roubo os suspeitos conseguiram aceder a caixas de multibanco que continham o equivalente a 2,8 milhões de euros em shekels israelitas.

Paralelamente, para evitar que o dinheiro chegasse "às mãos" do Hamas, o exército israelita apreendeu uma elevada quantia monetária pertencente ao banco. Os responsáveis do Banco da Palestina estão agora a aguardar a conclusão do processo administrativo israelita para que os fundos sejam devolvidos. Segundo a imprensa israelita, o montante confiscado ascende a dezenas de milhões de euros.

O Banco da Palestina, criado em 1960, é a principal instituição financeira de Gaza. E é uma das principais fontes de dinheiro da população palestiniana. A Autoridade Monetária Palestiniana, responsável pela supervisão do sistema financeiro nos territórios palestinianos, indicou que emitirá uma declaração sobre o assunto ainda este sábado, quando contactada pela AFP.

Atualmente existem apenas dois multibancos operacionais, ambos no sul, em Rafah e Deir al Bala. A entidade continua a operar devido a uma discreta operação de transferência de notas em novembro de 2023, aproveitando um cessar-fogo entre o Hamas e Israel, no valor de cerca de 45 milhões de euros em shekels israelitas, embora dezenas de milhões de euros tenham permanecido noutras áreas.

Em 22 de abril, a Autoridade Monetária Palestiniana lamentou que “os repetidos ataques a agências bancárias e caixas multibanco ameacem a atividade destas agências e a sua capacidade de pagar salários aos funcionários e desembolsar fundos aos proprietários.

Relacionados

Médio Oriente

Mais Médio Oriente

Patrocinados