Com que frequência deve fazer cocó? A resposta pode não ser a que está a pensar

CNN , Kristen Rogers
15 jul 2023, 09:00
A frequência com que se deve fazer cocó pode depender de vários fatores, de acordo com os especialistas. John Keeble/Moment RF/Getty Images

Também é útil saber como é o seu cocó, para além da frequência com que faz

Toda a gente faz cocó, mas acontece que nem todos precisamos de fazer cocó todos os dias.

Trata-se de um equívoco, afirma o gastroenterologista Folasade May, professor associado da Faculdade de Medicina David Geffen da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, nos Estados Unidos.

"Até tenho pessoas que tentam marcar consultas, porque dizem: 'Oh, deixei de evacuar todos os dias há alguns anos'", conta May. "E eu tenho de lembrar às pessoas que não existe um número fixo ou normal de movimentos intestinais."

Essa noção provavelmente deriva de uma crença da era vitoriana de que ter um movimento intestinal diário torna a pessoa mais saudável, diz Michael Camilleri, consultor e professor da divisão de gastroenterologia e hepatologia da Mayo Clinic, no Minnesota.

Não necessariamente. "A maioria das pessoas tem um movimento intestinal entre três vezes por dia e três vezes por semana", sublinha May. "Consideramos normal qualquer situação dentro desse intervalo."

Quando se trata de movimentos intestinais como uma medida de saúde, a frequência não é o único fator importante. E há vários fatores que podem influenciar a frequência com que fazemos cocó, incluindo a dieta, a hidratação, o stress, a idade, a utilização de medicamentos e as circunstâncias sociais, aponta Trisha Pasricha, gastroenterologista do Massachusetts General Hospital e professora de medicina na Harvard Medical School.

E o seu cocó, é o que devia ser?

É útil saber como é o seu cocó, para além da frequência com que faz cocó.

"A forma das fezes, o aspeto ou a consistência do movimento intestinal é, de facto, um critério muito melhor do que os simples números da frequência", defende Camilleri.

Os médicos avaliam a qualidade das fezes utilizando a Bristol Stool Chart, que classifica as fezes em sete grupos. Os tipos de cocó mais saudáveis são os tipos três e quatro - fezes com a forma de uma salsicha com fissuras na superfície ou em forma de cobra e lisas.

Se estiver a fazer cocó três vezes por semana e a consistência for dura ou semelhante a um calhau, isso pode ser bom se não tiver sofrido qualquer alteração na sua qualidade de vida, observa Pasricha.

Mas se estiver a esforçar-se excessivamente ao tentar fazer cocó ou a sentir que não esvaziou totalmente o intestino, poderá ter de fazer alterações para fazer cocó com mais frequência ou para ter uma qualidade de fezes mais saudável, dizem os especialistas.

Colocar os pés num banco de sanita - ou mesmo numa pilha de livros - pode ajudar. Ao fazê-lo, eleva os joelhos acima das ancas, relaxando os músculos do pavimento pélvico que suportam o intestino e permitindo que o cocó passe mais facilmente, explica Pasricha.

"Não evoluímos para ter os nossos movimentos intestinais sentados com as ancas a 90 graus numa cadeira, que é o que fazemos agora. Costumávamos fazer os movimentos intestinais de cócoras", recorda. "Sentar-se nessa posição vertical, com um ângulo de 90 graus, fecha a passagem."

Como ter um cocó saudável

Tal como precisamos de fazer boas escolhas para ter um sono reparador, precisamos de fazer escolhas sensatas de alimentos e bebidas para manter os nossos intestinos saudáveis.

Comer fibras suficientes de vegetais, frutas, grãos integrais e nozes pode ajudar a prevenir a obstipação, segundo os especialistas. A ingestão total de fibras deve ser de, pelo menos, 25 gramas por dia, de acordo com o regulador de saúde norte-americano.

Alguns estudos revelaram que os kiwis e as ameixas secas podem ser especialmente úteis para aliviar a obstipação. Mas não coma demasiada fibra, uma vez que esta tem sido associada a inchaço abdominal ou fezes moles.

Estar suficientemente hidratado amolece as fezes para que possam passar sem esforço, indica May.

"O café ou as bebidas com cafeína também estimulam as contrações do cólon", acrescenta Camilleri, referindo que podem induzir os movimentos intestinais.

Uma dieta rica em gordura, por outro lado, pode abrandar o seu sistema digestivo.

O que mais afeta os nossos movimentos intestinais?

O movimento também é importante. Segundo May, muitas pessoas nos EUA têm um estilo de vida sedentário, mas o exercício ajuda o aparelho digestivo a massajar e a movimentar os alimentos, promovendo a passagem das fezes.

A rapidez ou lentidão com que os alimentos se movem através do trato digestivo também pode depender da genética, observa May, e os nossos sistemas digestivos tendem a abrandar à medida que envelhecemos.

Condições médicas como o hipotiroidismo, a síndrome do intestino irritável, a doença do intestino irritável ou a colite ulcerosa podem afetar a regularidade, bem como alguns medicamentos, como os opiáceos e os antidepressivos. Ter um bebé ou ganhar e perder muito peso também pode causar disfunção do pavimento pélvico, tornando o cocó difícil de expelir.

O stress também pode afetar os nossos movimentos intestinais. Quando comemos, o nosso estômago estica, enviando uma mensagem para o cérebro e depois para a medula espinal, cujos nervos induzem contrações do cólon, aponta Camilleri - resultando num movimento intestinal. Mas se estivermos stressados, as hormonas e as alterações do sistema nervoso podem impedir que o cocó se mova em direção ao reto, resultando em obstipação. Algumas pessoas experimentam o outro extremo - diarreia - quando estão stressadas.

A regularidade intestinal também pode ser influenciada pelo facto de não se responder à vontade de fazer cocó por não se ter acesso fácil ou privado a casas de banho, acreditam os especialistas. Algumas pessoas podem sentir vergonha de fazer cocó perto de outras pessoas no trabalho ou na escola.

Mas não demore muito - a altura certa para fazer cocó é quando sente vontade de o fazer, sublinham os especialistas.

Se tiver de se sentar na sanita durante mais de cinco a dez minutos, deve falar sobre o assunto com o seu médico, sugere Camilleri. O inchaço, a distensão abdominal ou a dor são outros sinais de que a frequência dos movimentos intestinais está a afetar negativamente a sua saúde.

Mas se estiver a demorar muito tempo na casa de banho porque está a usar o telemóvel, pare de se distrair.

Se as mudanças no estilo de vida não funcionarem, um médico poderá prescrever medicamentos, suplementos ou laxantes que podem ajudar na regularidade.

Relacionados

Vida Saudável

Mais Vida Saudável

Patrocinados