52 graus à sombra. Pelo menos 550 mortos na maior peregrinação do Islão em Meca

19 jun, 10:43
Peregrinação do Haj, Meca (Rafiq Maqbool/AP)

Vários países já confirmaram mortes de cidadãos nacionais numa tragédia ocorrida durante o haj

Centenas de pessoas morreram durante a peregrinação anual a Meca, a cidade mais importante do Islão. De acordo com a comunicação social da Arábia Saudita e os ministérios dos Negócios Estrangeiros de vários países, uma forte onda de calor que se fez sentir naquele país está por detrás da tragédia.

Até ao momento pelo menos 550 mortos foram confirmados durante o haj, um dos cinco pilares do islamismo, que consiste numa ida à sagrada cidade saudita, e que todos os muçulmanos devem fazer pelo menos uma vez na vida.

De acordo com a agência AFP grande parte dos mortos, 323, são de nacionalidade egípcia. A agência tunisina Tunis Afrique Presse também confirmou a morte de 35 cidadãos da Tunísia.

Em paralelo o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Jordânia confirmou esta terça-feira a emissão de 41 permissões de enterro para peregrinos, sendo que pelo menos seis pessoas foram confirmadas como tendo morrido por causa do calor extremo em Meca.

Foram ainda confirmadas as mortes de 11 iranianos, 44 indonésios e três senegaleses, ainda que as autoridades destes países não tenham confirmado a existência de uma relação direta com a onda de calor.

Esta não é a primeira vez que acontece uma tragédia durante o haj, até porque Meca costuma juntar cerca de três milhões de pessoas, o que já deu aso a situações como debandadas ou incêndios que causaram vários mortos noutras peregrinações.

A televisão saudita e as autoridades de vários países muçulmanos já tinham avisado para os perigos de fazer a peregrinação que se iniciou na sexta-feira. É que o início desta semana viu as temperaturas subir para quase 52 graus à sombra na grande mesquita da cidade saudita.

Alertando já para este tipo de situação, um estudo desenvolvido em 2019 pela Geophysical Research Letters alertava que as alterações climáticas e o constante aumento da temperatura do ar iriam colocar os peregrinos que querem participar no haj em “perigo extremo”.

De acordo com a agência Reuters foram as próprias famílias de muitas das vítimas a confirmar que a onda extrema de calor está por detrás da tragédia. Nas redes sociais multiplicam-se as publicações de lamento, sendo que muitas outras famílias procuram pessoas nos hospitais sauditas.

Médio Oriente

Mais Médio Oriente

Mais Lidas

Patrocinados