"Vão pagar os empréstimos mais cedo e usar as suas características sexuais primárias". Deputado russo elenca 'benefícios' para os soldados que vão para a Ucrânia

23 set, 09:38
Vitaly Milonov (AP)

Vitaly Milonov é conhecido pela sua oposição aos direitos LGBT

Vitaly Milonov, deputado no parlamento russo pelo partido de Vladimir Putin, o Rússia Unida, enumerou na televisão estatal russa as supostas vantagens para um soldado russo que combate na Ucrânia.

"Vão pagar os empréstimos mais cedo se se alistarem como soldados, porque o salário é mais do que decente. Todas as pessoas que forem para lá vão descobrir isto", referiu Milonov, numa tradução disponibilizada pelo jornalista da BBC Francis Scarr.

"Sobre os homens com vários filhos, acho que é uma oportunidade para os homens provarem que são homens, porque vão ter a oportunidade de usar as suas características sexuais primárias. Hoje em dia - falo do que sinto - todos os homens têm a oportunidade de se provarem homens, que têm sangue russo. O presidente deu-lhes essa oportunidade", prosseguiu.

Milonov é conhecido por ser um grande opositor dos direitos LGBT. Em 2013, a propósito dos Jogos Olímpicos de Inverno do ano seguinte, que se realizaram em Sochi, o deputado afirmou que os atletas gay poderiam ser detidos caso promovessem a homossexualidade a menores. Foi também um dos autores da lei contra a propaganda gay, aprovada no parlamento russo há nove anos.

Num documentário da BBC sobre a vida da comunidade LGBT na Rússia, Vitaly Milonov afirmou que "a homossexualidade é nojenta" e "a homofobia é bela e natural".

O presidente russo Vladimir Putin anunciou esta quarta-feira a mobilização militar parcial dos cidadãos da Rússia na reserva, naquele que foi o primeiro discurso à nação desde o início da guerra na Ucrânia.

"Devemos apoiar a proposta do Ministério da Defesa sobre a mobilização militar parcial. Só mobilizaremos os cidadãos atualmente na reserva, que têm experiência e serviram no Exército, e têm certas profissões e capacidades. Antes de serem mobilizados, terão treino militar adicional, com a experiência da operação militar especial em mente". Putin garantiu que o decreto entraria em vigor nesse mesmo dia.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados