Quem fez, o que fez, quando, como: o ataque à ponte da Crimeia, ponto da situação (e como EUA e Reino Unido acabaram evocados)

17 jul 2023, 10:06
Ponte da Crimeia (fonte Getty)

Uma fonte diz que há drones marítimos. Outra fonte diz que é terrorismo. Uma fonte fala em vítimas. Outra fonte fala em vítimas nenhumas. E entre as incógnitas há esta também: qual é mesmo o estado da ponte?

O ataque e as vítimas

A ponte que liga a Crimeia à Rússia foi atacada durante a madrugada desta segunda-feira. As explosões fizeram dois mortos e uma criança ficou ferida, segundo as autoridades locais. De acordo com o governador da cidade russa de Belgorod, Viacheslav Gladkov, as vítimas são um casal e a filha.

O ataque ocorreu por volta das 01:20, de acordo com os relatos dos habitantes locais que dizem ter ouvido duas explosões, segundo a agência de notícias EFE.

O Ministério dos Transportes russo diz que há "danos na estrada em secções da ponte da Crimeia", que liga a península ocupada à Rússia, mas os pilares estão intactos, indicou a agência de notícias russa TASS.

Inicialmente, as circulações rodoviária, ferroviária e de ferries foram suspensas. Entretanto, a tráfego ferroviário já foi retomado, com pelo menos um comboio a já ter saído de Kerch, na Crimeia, em direção a Moscovo, na Rússia.

Acusações

Nas horas seguintes ao incidente seguiram-se as já habituais trocas de acusações. O Kremlin culpa a Ucrânia mas também os Estados Unidos e o Reino Unido.

“O ataque desta segunda-feira contra a ponte da Crimeia foi levado a cabo pelo regime de Kiev. Um regime terrorista e que tem todas as características de um grupo de crime organizado internacional",diz a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Maria Zakharova. “As decisões foram tomadas por oficiais ucranianos com participação direta dos serviços de informação e de políticos dos Estados Unidos e Reino Unido, que controlam esta estrutura estatal terrorista.”

De acordo com o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, citado pela agência Reuters, Vladimir Putin já foi informado sobre “o acto terrorista” na ponte da Crimeia e ordenou o início das reparações. Apesar de identificar o incidente como ato terrorista,Moscovo culpabiliza o regime de Kiev pela morte do casal que circulava de carro na ponte e pelos ferimentos sofridos pela filha menor.

Sobre a interferência dos Estados Unidos e Reino Unido no ataque, Peskov apenas disse: “Sabemos o quão profunda é a coordenação entre Kiev, as capitais europeias e a NATO”. Ainda assim, o regime russo garante que não há necessidade para que as relações diplomáticas sejam cortadas: “Mesmo nos momentos mais agudos precisamos de canais de diplomacia”

O Kremlin refere que vão ser tomadas medidas para prevenir que um novo ataque que se volte a repetir, lembrando que a melhor resposta ao ataque na ponte da Crimeia será alcançar os objetivos da “operação militar especial”.

Moscovo garante ainda que não há qualquer ligação entre o fim do acordo dos cereais e o ataque na ponte da Crimeia.

A reivindicação

"Foi difícil chegar à ponte mas acabámos por conseguir", afirma um representante do SBU – os serviços secretos ucranianos - citado pela agência de notícias ucraniana Ukrinform. A mesma fonte salienta que a ponte é um alvo legítimo para a Ucrânia, uma vez que foi construída em território ucraniano ocupado.

A agência cita fontes não identificadas do SBU e da Marinha do país. De acordo com as mesmas fontes, o ataque foi realizado no domingo à noite por drones marítimos que se deslocaram à superfície da água e danificaram a estrutura

O que falta saber

Além das informações avançadas pela agência de notícias ucraniana Ukrinform, não há qualquer reinvindicação. Não existe também qualquer confirmação do lado ucraniano sobre o número de vítimas.

A última incógnita prende-se com o atual estado estrutural da ponte da Crimeia. A maior dúvida prende-se com a condição em que ficou o pavimento alcatroado após o ataque, com os dois lados do conflito a partilharem diferentes versões.

No entanto, vídeos e imagens verificados pela Sky News demonstram os estragos no pavimento nas duas direções da ponte da Crimeia.

A importância da ponte da Crimeia

A ponte de 19 quilómetros, inaugurada em 2018, é a principal ligação terrestre entre a Rússia e a península da Crimeia.

A ligação, que atravessa o estreito de Kerch, foi danificada em outubro por um camião armadilhado e precisou de meses de reparações antes de voltar a funcionar em pleno.

Esta ponte, também com circulação ferroviária, é uma importante artéria de abastecimento para a guerra da Rússia contra a Ucrânia.

Europa

Mais Europa

Patrocinados