Filho do porta-voz do Kremlin alvo de partida foi "mobilizado" para a guerra: “Vou resolver isto a outro nível”

22 set, 10:12

“Deveria perceber que eu sou o senhor Peskov, e não é exatamente correto eu ir aí", disse Nikolay Peskov. Ainda nenhuma fonte oficial confirmou que se trata da voz do filho do porta-voz do Kremlin

A mobilização militar parcial decretada por Vladimir Putin deu ideias aos apresentadores do podcast russo "Popular Politics", produzido por membros da equipa do opositor do regime russo Alexei Navalny.

Um dos apresentadores, Dmitry Nizovtsev, ligou para o filho do porta-voz do Kremlin Dmitry Peskov, Nikolay, de 32 anos, e fingiu ser um oficial do exército encarregado de recrutar soldados para a guerra na Ucrânia. “Olá Nikolay, é um comissariado militar, consegue falar agora?”, começou por perguntar.

Nizovtsev pediu a Nikolay Peskov para “não desligar o telemóvel como da última vez” e revelou a “notícia” ao filho do porta-voz, educado e criado no Reino Unido. “Hoje enviámos-lhe uma convocatória através do portal federal de informações, e o senhor ainda não respondeu à carta em papel, que tinha um número para o qual deveria ter ligado, para aparecer no comissariado militar amanhã às 10 horas. Primeiro, porque é que não respondeu à chamada? Segundo, vem amanhã? Estamos à sua espera”, questionou.

“Obviamente não vou estar aí às 10 horas”, respondeu Nikolay. “Deveria perceber que eu sou o senhor Peskov, e não é exatamente correto eu ir aí. De qualquer das formas, vou resolver isto a outro nível”, concluiu.

“Então, podemos recrutá-lo como voluntário?”, prosseguiu o apresentador. “Claro que não!”, respondeu Peskov taxativamente.

O vídeo da interação foi muito partilhado nas redes sociais, com os utilizadores a referirem esta troca de palavras como um dos exemplos da hipocrisia dos membros do Kremlin, que regularmente exprimem o seu ódio pelo Ocidente, mas cujos filhos vivem e estudam no estrangeiro, maioritariamente nos Estados Unidos, Reino Unido e França.

Até à data da redação deste artigo, nenhum membro do Kremlin reagiu a este incidente e não há uma confirmação oficial de que a voz que se ouve é a de Nikolay Peskov.

O presidente russo Vladimir Putin anunciou esta quarta-feira a mobilização militar parcial dos cidadãos da Rússia na reserva, naquele que foi o primeiro discurso à nação desde o início da guerra na Ucrânia.

"Devemos apoiar a proposta do Ministério da Defesa sobre a mobilização militar parcial. Só mobilizaremos os cidadãos atualmente na reserva, que têm experiência e serviram no Exército, e têm certas profissões e capacidades. Antes de serem mobilizados, terão treino militar adicional, com a experiência da operação militar especial em mente”, anunciou.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados