A Europa está a tentar preencher o vazio de financiamento para a Ucrânia criado pelos EUA

CNN , Análise de Luke McGee
26 mar, 08:00
Guerra na Ucrânia (Associated Press)

Seria injusto acusar a UE de não estar a dar o seu contributo para a Ucrânia. Apesar dos desacordos públicos entre os 27 Estados-membros sobre questões como o envio de tanques e se o dinheiro deve vir diretamente do orçamento da UE, o bloco como um todo enviou mais dinheiro para Kiev do que os EUA, de acordo com o rastreador de apoio à Ucrânia do Instituto Kiel

Poderá a Europa preencher o vazio deixado pelos Estados Unidos na Ucrânia?

Há muito que os responsáveis europeus pensam nisso, quando olham para o outro lado do Atlântico e veem os fundos a serem bloqueados e o potencial regresso de Donald Trump.

É uma questão a que a União Europeia está a tentar responder. Numa cimeira do Conselho Europeu realizada esta semana, o bloco concordou em explorar novas formas de angariar fundos para a Ucrânia - incluindo através do aumento da dívida nos mercados financeiros e, de forma controversa, utilizando os lucros dos ativos russos congelados.

O primeiro-ministro belga, Alexander De Croo, disse que havia "abertura, pelo menos do nosso lado", para novas formas de financiamento, e acrescentou que a Europa não pode "esperar pelos EUA para tomar uma decisão".

No entanto, os líderes não chegaram a acordo sobre novas verbas para armas. E isso pode ser um problema.

A necessidade urgente de armas por parte da Ucrânia é cada vez mais premente. O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, tem dito repetidamente aos seus aliados ocidentais que o maior desafio que o país enfrenta atualmente é um défice de armas que tem permitido à Rússia tirar partido da situação.

Seria injusto acusar a UE de não estar a dar o seu contributo para a Ucrânia. Apesar dos desacordos públicos entre os 27 Estados-membros sobre questões como o envio de tanques e se o dinheiro deve vir diretamente do orçamento da UE, o bloco como um todo enviou mais dinheiro para Kiev do que os EUA, de acordo com o rastreador de apoio à Ucrânia do Instituto Kiel.

No entanto, o mesmo rastreador também mostra que apenas 5,6 mil milhões de dólares do total de 85 mil milhões de dólares da UE foram especificamente afetados à ajuda militar, em comparação com 2,2 mil milhões de dólares em ajuda humanitária e 77,1 mil milhões de dólares em ajuda financeira.

As forças ucranianas estão a ficar cada vez mais desarmadas na linha da frente. Getty Images

E com 60 mil milhões de dólares de ajuda militar dos EUA à Ucrânia bloqueados no Congresso num futuro previsível, não é imediatamente claro quem poderá colmatar esse défice de financiamento.

É aqui que a questão central, ou seja, se a Europa pode realmente substituir os EUA, se complica.

Alguns responsáveis europeus gostam de enquadrar esta questão como uma questão puramente económica. Os dados mais recentes do Banco Mundial situam o PIB da Rússia em 2,24 biliões de dólares, em comparação com os 16,75 biliões de dólares da UE.

Isto significa que a Europa pode, hipoteticamente, ultrapassar a Rússia se o conflito se tornar uma guerra de desgaste económico. Ou, de uma forma mais crua: sim, a Europa tem dinheiro para colmatar o défice americano.

A dificuldade está na forma como isto funciona politicamente. A UE é constituída por 27 Estados soberanos, todos com uma política externa independente. Alguns são membros da NATO, outros não e são oficialmente neutros. Alguns sentem-se à vontade para comprar armas americanas e enviá-las para a Ucrânia com o objetivo específico de matar soldados russos, outros não. Alguns estão geograficamente próximos da Rússia e preocupam-se com a possibilidade de a guerra alastrar para as suas fronteiras, outros estão protegidos por quilómetros de terra entre eles e Moscovo e têm desfrutado de décadas de boas relações económicas com a Rússia.

Ao longo da guerra, o pensamento europeu evoluiu. Diplomatas e funcionários afirmam que, no início do conflito, o papel de Bruxelas tinha sido entendido como o de fornecer ajuda financeira para coisas como manter as funções básicas do Estado a funcionar e acolher refugiados, enquanto os EUA tratavam das armas.

É inegável que a UE está a levar a defesa mais a sério. Recentemente, revelou um plano para finalmente construir uma indústria de defesa europeia que possa rivalizar com a dos EUA no futuro. Mas mesmo este plano a longo prazo, ainda muito longe de se tornar realidade, coloca questões incómodas aos Estados-membros. Deverá o dinheiro da UE ser gasto fora do bloco? Onde devem ser construídas as fábricas? Que tipo de relação devem ter os planos de aquisição com as iniciativas que a NATO já tem?

Tudo isto é a longo prazo: a curto prazo, a Ucrânia precisa de armas com urgência. A CNN noticiou na semana passada que a Rússia está a produzir três vezes mais projéteis de artilharia do que os EUA e a Europa juntos para serem utilizados na Ucrânia.

Míssil russo atinge prédio residencial em Kramatorsk em março de 2023. Yevgen Honcharenko/EPA

Uma iniciativa liderada pela Chéquia - apoiada por outros 17 Estados-membros da UE - foi criada fora das estruturas da UE para comprar munições nos mercados internacionais que serão enviadas para a Ucrânia.

O facto de não se tratar de um plano oficial da UE significa que podem avançar muito mais rapidamente e não têm de se preocupar com o veto ou a diluição dos planos dos outros Estados-membros - principalmente da Hungria, que tem uma relação mais próxima com a Rússia do que o resto da UE.

A iniciativa checa já adquiriu 300.000 cartuchos de artilharia e espera-se que cheguem à Ucrânia em junho. Os ucranianos, naturalmente, estão muito satisfeitos com a iniciativa, mas também reconhecem que ela não vai tapar o buraco dos EUA.

No início deste mês, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia disse que "a iniciativa checa é excelente, mas está longe de ser suficiente". "Se, para além da iniciativa checa, forem implementadas mais duas iniciativas este ano... as tropas russas na Ucrânia enfrentarão problemas mais significativos na linha da frente." Esta afirmação foi vista por alguns como uma referência ao pacote bloqueado pelos EUA.

A Europa pode preencher o vazio de financiamento na Ucrânia deixado por Washington?

A resposta é sim, a Europa tem os meios. A maior incógnita é se tem vontade.

Os responsáveis dos países da Europa de Leste sublinham a importância de convencer os seus homólogos de que a segurança ucraniana é a mesma coisa que a segurança europeia. Apesar de os antigos Estados soviéticos serem muitas vezes vistos como pró-guerra na Europa Ocidental, eles defendem o ponto de vista algo razoável de que, se a Rússia invadisse o território da NATO, as bombas cairiam muito provavelmente sobre eles, e não em Atenas ou Roma, por exemplo.

Mas isso afetaria todos os países europeus, especialmente os da NATO. E os países que partilham fronteiras com a Rússia partilham quase universalmente a opinião de que a única forma de garantir que a Rússia não expande a sua agressão é tornar a NATO tão forte que um ataque seria impensável, mesmo para o presidente Vladimir Putin.

Defender este argumento a favor de um aumento drástico das despesas com a defesa já é difícil, mesmo quando há uma guerra nas fronteiras europeias. No mês passado, o secretário-Geral da NATO, Jens Stoltenberg, congratulou-se com a notícia de que 18 dos aliados iriam gastar 2% do PIB na defesa. Foi uma melhoria dramática em relação a uma década atrás, quando apenas três países da NATO cumpriam o limite mínimo. Mas continua a significar que, mesmo durante uma crise como a da Ucrânia, mais de um terço não está a cumprir este objetivo.

Quanto mais a guerra se arrasta, maior é a probabilidade de se instalar o cansaço. Quanto maior for a pressão sobre os orçamentos nacionais para coisas como os serviços públicos e as pensões, mais difícil se torna justificar dar dinheiro a outro país para travar uma guerra.

E é exatamente neste ponto que o pensamento europeu pode seguir um de dois caminhos: garantir que a Ucrânia derrota a Rússia para bem do continente em geral, ou perguntar: o que é que isto tem a ver connosco?

Sim, a Europa pode preencher a lacuna deixada pelos EUA - e, em alguns aspetos, está a tentar fazer isso mesmo. Mas tudo depende do facto de os maiores aliados da Ucrânia na Europa conseguirem continuar a ganhar a discussão.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Mais Lidas

Patrocinados