O primeiro ensaio correu bem ao PSOE: Francina Armengol eleita, eis os sinais do que isso significa para o futuro de Espanha

CNN Portugal , AM com Lusa
17 ago 2023, 10:38

Votação para a presidência do Parlamento correu mal ao PP e bem aos socialistas, que perderam as eleições gerais mas que ganharam a primeira eleição da nova legislatura - e isso dá sinais para quem pode vencer na formação do Governo

Francina Armengol, candidata do PSOE, foi eleita presidente do Parlamento espanhol por maioria absoluta à primeira volta, depois de conseguir 178 votos do 350 deputados espanhóis. De acordo com o El País, a socialista conseguiu o apoio dos partidos progressistas e nacionalistas.

Por sua vez, Cuca Gamarra, candidata do PP, conseguiu 139 votos e Ignacio Gil Lázaro, do Vox, 39 votos.

A socialista teve os votos favoráveis do PSOE e do Somar (extrema-esquerda), os dois partidos que querem formar uma coligação de governo, assim como de mais cinco forças regionalistas, nacionalistas e independentistas.

Um novo governo de esquerda do PSOE e do Somar precisa dos mesmos apoios parlamentares para ser investido, pelo que a votação de hoje no novo plenário do Congresso dos Deputados era um ensaio para a possibilidade de haver um executivo de esquerda em Espanha após as eleições de 23 de julho.

As negociações dos socialistas com independentistas catalães para eleger hoje a presidente do parlamento e a viabilização de um governo PSOE/Somar têm sido as mais mediáticas e também, aparentemente, as mais complicadas.

Os dois partidos separatistas catalães representados no parlamento espanhol anunciaram hoje acordos com o PSOE para eleger a presidente socialista do Congresso, mas acrescentaram que as negociações para viabilizar novo governo de esquerda liderado pelo socialista e atual primeiro-ministro em funções, Pedro Sánchez, são diferentes e mais exigentes.

"Esse é outro processo, outra negociação muito mais complicada", afirmou aos jornalistas o deputado Gabriel Rufián, dirigente da Esquerda Republicana da Catalunha (ERC), partido que já viabilizou o governo liderado pelos socialistas da última legislatura.

O outro partido separatista catalão que hoje aprovou a eleição de uma presidente socialista para o parlamento de Espanha é o Juntos pela Catalunha (JxCat), do ex-presidente do governo regional Carles Puigdemont, que vive na Bélgica para fugir à justiça espanhola depois da declaração unilateral de independência da região de 2017.

O JxCat votou contra a investidura de Sánchez na anterior legislatura, mas negoceia este ano a viabilização de um governo de esquerda.

A ERC votou hoje na candidata socialista a presidir o parlamento espanhol depois de anunciar um acordo com o PSOE, ao início da manhã, para a utilização das designadas “línguas co-oficiais" espanholas nos trabalhos do Congresso dos Deputados (catalão, galego e basco) e a abertura de uma comissão parlamentar sobre a alegada espionagem de separatistas por parte de organismos do estado através do 'software' Pegasus.

O acordo com os socialistas, segundo a ERC, prevê ainda que continue o caminho de "desjudicialização do conflito político" entre a Catalunha e o Estado espanhol, iniciado na legislatura anterior, quando o governo de esquerda indultou separatistas que estavam presos e mudou o Código Penal para abolir o crime de sedição, que tinha condenado ou de que estavam acusados independentistas protagonistas do processo de 2017, incluindo Puigdemont.

Quanto ao JxCat, fontes do partido citadas pelos meios de comunicação espanhóis disseram que foi alcançado um acordo com o PSOE semelhante ao anunciado pela ERC para a utilização do catalão no Congresso dos Deputados e que prevê, além disso, comissões parlamentares sobre os atentados na Catalunha de 2017 (atribuídos ao terrorismo islâmico) e sobre a atuação de instituições do Estado, durante governos do PP, alegadamente para desacreditar dirigentes separatistas catalães.

A nova legislatura espanhola, saída das eleições legislativas antecipadas de 23 de julho, arrancou hoje com a constituição formal das Cortes, formadas pelo Senado e pelo Congresso dos Deputados (o parlamento).

Cabe agora ao chefe de Estado, o Rei Felipe VI, fazer uma ronda de audições com os partidos representados no parlamento e indicar um candidato a primeiro-ministro, que para ser investido tem de ser votado e aprovado pelo plenário dos deputados.

O Partido Popular (PP, direita) foi o mais votado nas eleições de 23 de julho, mas sem maioria absoluta no parlamento, que também não consegue alcançar com os apoios dos aliados que tem no Congresso dos Deputados.

O PSOE foi o segundo partido mais votado, mas tem mais aliados no parlamento, pelo que aspira a formar um governo de coligação com o Somar apoiado no parlamento por uma 'geringonça' de seis partidos, incluindo separatistas bascos e catalães.

Europa

Mais Europa

Mais Lidas

Patrocinados