Nova atração da Disney sai diretamente das guerras culturais

CNN , Natasha Chen
12 jun, 14:00
Disney parques

Está prestes a ser inaugurada, nos EUA, e substitui a histórica Splash Mountain pelo tema de "A Princesa e o Sapo". A controvérsia continua

Uma atração baseada na história da primeira princesa negra da Disney abre ao público a 28 de junho em Orlando, Florida, nos Estados Unidos, substituindo a Splash Mountain, uma atração com décadas de existência que foi adorada por muitos fãs da Disney, mas também muito criticada.

A nova atração do Walt Disney World, inspirada no filme “A Princesa e o Sapo” e na sua heroína Tiana, está atualmente em fase de pré-visualização para grupos que incluem empregados e titulares de passes anuais e já suscitou reacções mistas no meio das guerras culturais.

A estrutura da montanha-russa não mudou, mas o tema foi completamente reformulado quatro anos depois de a Disney ter anunciado o projeto pela primeira vez, em 2020, durante a mesma época de protestos pela morte de George Floyd.

A viagem original da Splash Mountain - que abriu pela primeira vez na Disneylândia em 1989, e na Disney World e na Tokyo Disneyland em 1992 - foi baseada em personagens de “A Canção do Sul/Song of the South”, um filme da Disney de 1946 que há muito é criticado como racista poor causa dos seus retratos estereotipados de afro-americanos e de uma visão romantizada do velho sul.

A transformação da Splash Mountain na Tiana's Bayou Adventure também está a acontecer na Disneyland em Anaheim, Califórnia, com uma data de abertura ainda por anunciar. A Tokyo Disneyland também tem uma atração da Splash Mountain, mas o tema nesse local não está a ser mudado.

A Disney impediu que “Song of the South” fosse relançado e até manteve o filme fora da sua plataforma de streaming, a Disney+.

"Finalmente aconteceu"

Victoria Wade, criadora de conteúdos para parques temáticos, experimentou a Tiana's Bayou Adventure no início de junho, como convidada de um funcionário.

Wade, que é negra, disse à CNN que foi muito emocionante poder finalmente experimentar uma atração da Disney em que as personagens se parecem com ela.

“Fiquei muito emocionada logo na cena final da viagem... foi muito bom ser vista”, disse.

A atração substitui a Splash Mountain. Essa atração foi baseada no filme de 1946 “A Canção do Sul/Song of the South”, que foi criticado como racista. Olga Thompson/Disney

Ela acrescentou que teria gostado de ver esse tipo de representação quando era criança. Para os seus primos mais novos e para as crianças de quem toma conta, “eles podem ir lá e ver-se a si próprios numa luz positiva - numa representação positiva. Por isso, aqueceu-me o coração. Foi como se, finalmente, tivéssemos de implorar durante todos estes anos para que isto acontecesse. E finalmente aconteceu".

Wade disse que achou as cenas coloridas e vibrantes, e que percebeu o quanto a equipa da Disney tinha pesquisado a cultura do estado norte-americano do Louisiana para criar o novo tema.

“Até se podem ver pedaços disso na fila”, disse Wade, referindo-se à área onde os visitantes esperam na fila e vêem cartas fictícias escritas durante a Primeira Guerra Mundial, quando o pai da Princesa Tiana, James, serviu no exército.

Numa publicação no blogue, a Disney afirmou que “as fotografias que serviram de referência para a história alargada de James eram as de soldados que serviram no 369º Regimento, um dos primeiros regimentos afro-americanos a servir com as Forças Expedicionárias Americanas durante a Primeira Guerra Mundial.

Esta referência teve um significado especial para Charita Carter, líder do projeto da Disney, cujo pai serviu na Força Aérea dos EUA.

Ela e uma equipa de funcionários da Disney visitaram Nova Orleães para criar um estilo visual autêntico para a viagem. Encontraram-se com Stella Reese Chase, cuja mãe, Leah Chase, era uma famosa chefe de cozinha e personalidade televisiva de Nova Orleães.

Chase visitou a Walt Disney Imagineering em abril, juntamente com a CNN e outros meios de comunicação social, para ver os avançados animatrónicos desta atração, que ainda não tinham sido estreados num parque Disney nos EUA.

Ao ver a Princesa Tiana acenar e falar pela primeira vez em 3D, Chase disse: “Estou simplesmente espantada. O que é que posso dizer? Nunca tinha visto nada assim. Esta é realmente uma experiência selvagem".

Águas mornas

Embora os fãs tenham concordado que a nova tecnologia da viagem, incluindo o mapeamento de projecções e a fluidez dos movimentos das personagens, é muito superior à versão anterior, as críticas centraram-se na falta de enredo.

A Disney afirmou que a história da atração se passa cronologicamente após o final do filme e envolve a Princesa Tiana a levar os seus convidados para uma grande celebração no bayou.

A nova atração é baseada no filme “A Princesa e o Sapo”, com Tiana, a primeira princesa negra da Disney. Olga Thompson/Disney

Jack Kendall, apresentador do podcast de fãs de parques temáticos DSNY, também experimentou a nova atração recentemente, como convidado de um empregado.

Ele disse que, para uma atração baseada no suspense de uma queda de 15 metros, “não há nenhum tipo de antagonista dentro da atração para ter esse tipo de empurrão e puxar essa trepidação construindo a colina do elevador e descendo do outro lado”, observando que as pessoas estão a dizer que “não há nenhuma história real para isso”.

Kendall acrescentou: “Para ser sincero, é uma bela coleção de cenas, de cenas de espectáculos, muito bem montadas, mas não há um grande ímpeto para explicar por que razão estamos a fazer esta viagem agora”.

Grande queda para dentro das guerras culturais

Mas o vitríolo online foi por vezes muito além dos méritos da viagem.

Ao longo dos anos, várias petições no site change.org tentaram “salvar” a Splash Mountain.

Uma dessas petições, organizada por Eric Thibeault, afirmava: "É um absurdo agradar a um pequeno grupo de 'odiadores da Disney' que não entendem a história e remodelar uma atração tão nostálgica. As personagens da Splash Mountain não generalizam especificamente nenhuma raça ou grupo de pessoas, não são mais do que caricaturas baseadas na América do virar do século".

“Modificar o Splash Mountain não mudará a história e apenas encorajará os ‘facilmente ofendidos’ a continuar a fazer tentativas desesperadas de encontrar ofensas noutras atracções.”

A Disney já alterou o tema ou modificou atracções antigas anteriormente, recebendo atenção semelhante dos fãs que resistiam à mudança. Nos últimos anos, por exemplo, uma mulher de vermelho que aparecia "à venda" numa cena de Piratas das Caraíbas foi substituída por um pirata armado com uma pistola.

Kendall disse que a inauguração da atração temática é o culminar das guerras culturais em que a Disney se envolveu nos últimos anos, incluindo uma batalha com o governador da Flórida, Ron DeSantis, por causa de um projeto de lei controverso que restringe certas instruções sobre orientação sexual e identidade de género na sala de aula.

Segundo disse, ele que acha que aqueles que ficaram chateados com a perda do tema Splash Mountain já tinham decidido, em grande parte, que não gostariam do novo tema.

“Se pegássemos na atração Tiana's Bayou Adventure, em todos os temas, em todas as cenas, em toda a tecnologia por detrás dela, e a colocássemos no seu próprio edifício de atração, as pessoas não estariam a falar desta atração como estão a falar”, afirmou Kendall.

"Estariam a dizer que é fantástica. Uma das melhores coisas que a Disney fez... Mas é porque está a ser comparada de forma um pouco injusta com o que existia antes. Acho que é daí que vem grande parte deste discurso online".

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados