O intestino desta mulher estava a produzir álcool. Os médicos não acreditavam nela

CNN , Sandee LaMotte
16 jun, 19:00
Síndrome da autocervejaria (LaylaBird/E+/Getty Images via CNN Newsource)

Em causa está uma doença rara e frequentemente não reconhecida. O primeiro caso conhecido surgiu em 1946, quando o estômago de um rapaz de cinco anos se rasgou sem razão aparente e a autópsia revelou que estava cheio de um líquido “espumoso” com cheiro a álcool

O hálito tresandava a álcool. Sentia-se tonta, desorientada e fraca, de tal forma que um dia desmaiou e bateu com a cabeça na bancada da cozinha enquanto fazia o almoço para os filhos em idade escolar.

No entanto, nem uma gota de álcool tinha passado pelos seus lábios, um facto que a mulher de 50 anos de Toronto e o marido garantiram aos médicos durante dois anos até que alguém acreditasse nela.

“Ela visitou o médico de família vezes sem conta e foi às urgências sete vezes ao longo de dois anos”, conta Rahel Zewude, especialista em doenças infeciosas da Universidade de Toronto.

Os médicos descobriram que os níveis de álcool da mulher podiam variar entre 30 milimoles por litro e 62 milimoles por litro - abaixo de dois milimoles por litro é normal, explica Zewude.

Níveis de álcool até 62 milimoles por litro são extraordinariamente elevados e podem ser considerados fatais ou mesmo perigosos para a vida, diz Barbara Cordell, presidente de uma associação de defesa chamada Auto-Brewery Syndrome Information and Research, que oferece educação aos doentes e faz investigação sobre esta doença invulgar.

Embora ninguém que conheça tenha atingido esse nível de álcool, muitas pessoas podem funcionar com níveis de álcool no sangue de até 30 milimoles por litro ou 40 milimoles por litro, afirma Cordell num e-mail.

“Conheço mais de 300 pessoas diagnosticadas com a síndrome da autocervejeira e temos mais de 800 pacientes e cuidadores no nosso grupo privado de apoio no Facebook”, diz Cordell, que não esteve envolvida no novo caso.

“Parte do mistério desta síndrome é saber como é que estas pessoas podem ter estes níveis extremamente elevados e continuar a andar e a falar.”

Todos os médicos das urgências questionaram os hábitos de consumo de álcool da mulher de Toronto e foi examinada por três psiquiatras diferentes do hospital, que concluíram que não preenchia os critérios para o diagnóstico de distúrbio por consumo de álcool.

“Ela disse aos médicos que a sua religião não lhe permitia beber e o marido confirma que a mulher não bebia”, relata Zewude, que tratou a mulher e foi coautor de um relatório sobre o caso anónimo publicado no Canadian Medical Association Journal.

“Mas só na sétima consulta é que um médico das urgências disse finalmente: ‘Acho que isto parece a síndrome da autocervejeira’ e encaminhou-a para um especialista”, conta Zewude.

Fahad Malik, um gastroenterologista da United Heath Services em Binghamton, Nova Iorque, que tem atualmente 30 doentes com a síndrome, afirma, através de um e-mail, que ser tratado com descrença e ridicularização é comum para os doentes. O médico não participou do novo estudo de caso.

“A maioria dos pacientes foi desconsiderada como ‘bebedores de armário’ ou com problemas de comportamento antes do diagnóstico”, explica Malik, que também é instrutor assistente clínico na Universidade Estadual de Nova York Upstate Medical University.

Extremamente rara e frequentemente não reconhecida

A síndrome da autocervejeira, também conhecida como síndrome da fermentação intestinal, é uma doença extremamente rara em que bactérias e fungos do aparelho gastrointestinal transformam os hidratos de carbono dos alimentos do dia a dia em etanol. O primeiro caso conhecido ocorreu em 1946, em África, quando o estômago de um rapaz de cinco anos se rasgou sem razão aparente. A autópsia revelou que o abdómen da criança estava cheio de um líquido “espumoso” com cheiro a álcool.

Desde 1974, 20 casos diagnosticados de síndrome da autocervejaria foram relatados na literatura médica inglesa, de acordo com uma revisão de abril de 2021. Outros relatos de sintomas de autocervejaria tiveram lugar no Japão, onde a patologia é conhecida como meitei-sho, ou seja, a “síndrome de autointoxicação por álcool”.

A síndrome da autocervejaria ocorre quando certas espécies de bactérias e fungos sobrepovoam o microbioma intestinal de uma pessoa, transformando basicamente o sistema gastrointestinal num aparelho de destilação.

Os cientistas acreditam que o processo ocorre no intestino delgado e é muito diferente da fermentação intestinal normal no intestino grosso que dá energia ao nosso corpo.

Embora vários agentes patogénicos possam contribuir, a maioria dos casos deve-se a um crescimento excessivo de duas espécies de fungos: Saccharomyces e Candida. A Candida vive no corpo e na boca, no aparelho digestivo e na vagina, assumindo frequentemente o controlo quando as bactérias mais benéficas são eliminadas por uma ou duas doses de antibióticos.

Um relatório de julho de 2013 reportou o caso de um homem de 61 anos de idade que teve ataques frequentes de embriaguez inexplicável durante anos antes de ser diagnosticado com uma superabundância intestinal de Saccharomyces cerevisiae, isto é, levedura de cerveja - a mesma levedura utilizada para fazer cerveja.

Muitas pessoas com a síndrome conseguem funcionar com uma enorme quantidade de álcool gerado metabolicamente no seu sistema, por vezes só se apercebendo disso quando se metem em problemas com a lei.

Um homem na casa dos 40 anos, na Carolina do Norte, foi mandado parar por estar a conduzir embriagado, segundo a polícia. Negou ter bebido, apesar de ter uma taxa de álcool de 0,2%, o equivalente a ingerir 10 bebidas por hora e cerca de 2,5 vezes o limite legal no país.

“Não é tão raro como pensamos, é (apenas) raramente diagnosticado”, garante Cordell. “Penso que muitas pessoas andam por aí a sentir-se desorientadas e pensam que estão cansadas quando podem estar a fermentar álcool.”

"Uma tempestade metabólica"

Existem fatores de risco para a síndrome da autocervejaria. A diabetes e a doença hepática podem desempenhar um papel importante, assim como as patologias gastrointestinais, como a doença inflamatória intestinal e a síndrome do intestino curto, em que o intestino delgado é danificado ou encurtado, diz Zewude. Pode até haver uma predisposição genética relacionada com a forma como uma pessoa metaboliza o álcool.

“Mas todas estas coisas têm de colidir na altura certa”, afirma. “São necessários vários fatores de risco que interagem e criam uma tempestade metabólica para que esta síndrome surja num indivíduo”.

Para a paciente de Zewude em Toronto, essa tempestade metabólica começou em meados dos seus 40 anos, quando começou a ter infeções simultâneas do sistema urinário, cada uma tratada com uma série de antibióticos. As bactérias benéficas do seu aparelho intestinal começaram a morrer, permitindo que os fungos que estavam à espera tomassem conta dela.

Esta quantidade de levedura precisa de combustível, que obtém dos hidratos de carbono da dieta. Quando a mulher tinha 48 anos, o seu corpo estava a transformar quase todos os hidratos de carbono que comia em álcool.

“Se ela não comesse muitos hidratos de carbono, os sintomas não eram tão maus”, explica Zewude. "Mas depois podia comer uma fatia de bolo ou outra refeição rica em hidratos de carbono, o que levava a um aumento rápido do nível de álcool. Era nessas alturas que podia estar a preparar o almoço para os filhos e adormecia."

O tratamento da síndrome da autocervejeira começa com um curso de fungicidas prescritos depois de uma biópsia ou uma colonoscopia identificar os agentes patogénicos específicos que colonizaram o intestino, continua Zewude. Começar com um fungicida de largo alcance pode sair pela culatra.

“A resistência antimicrobiana é uma parte importante da síndrome, porque parte da razão pela qual as pessoas contraem esta doença é o uso frequente de antibióticos que perturba o seu intestino”, afirma. “É preciso começar de forma restrita e depois, se o doente se tornar resistente a esse fungicida, tentar outros.”

Para além de eliminar a levedura, espera-se que os doentes sigam uma dieta extremamente restrita e pobre em hidratos de carbono. “O melhor seria não ter hidratos de carbono, mas é quase impossível fazer isso”, constata Zewude. Os probióticos para reconstruir as bactérias benéficas também podem ajudar, acrescenta.

Atualmente, a mulher já não toma medicamentos antifúngicos, mas continua a fazer uma dieta muito pobre em hidratos de carbono depois de ter tido uma recaída. Como a experiência de cada pessoa é diferente, é importante que os doentes mantenham um contacto próximo com os médicos para gerir a sua condição, avisa Zewude.

“Neste caso, a mulher tem um marido que a apoia muito e que me telefonou imediatamente quando começou a sentir novamente o cheiro a álcool no hálito dela”, recorda Zewude. “Para qualquer pessoa que esteja a lidar com a síndrome, é importante que o seu cônjuge, amigo, colega de quarto ou o que quer que seja, conheça os sinais e sintomas e contacte os médicos ou leve a pessoa ao serviço de urgência quando isto ocorrer.”

Saúde

Mais Saúde

Mais Lidas

Patrocinados