“Sentiremos a sua falta hoje e todos os dias do resto das nossas vidas”. Especialistas procuram respostas entre os destroços do Titan

CNN , Elizabeth Wolfe e Rob Frehse
23 jun 2023, 13:28

Vítimas mortais do Titan, agora lembrados pelos familiares, enquanto especialistas continuam a realizar buscas no fundo do oceano.

Os investigadores continuam a vasculhar o fundo do oceano em busca de informações sobre como uma “implosão catastrófica” matou todos os cinco passageiros de um submersível que se dirigia ao Titanic e que subitamente perdeu a comunicação com o seu navio-mãe no fim de semana, informaram as autoridades oficiais.

A busca internacional, que durou um dia inteiro, foi concluída esta quinta-feira, depois de terem sido encontrados destroços do submersível - conhecido como Titan - a cerca de 500 metros dos históricos destroços do Titanic. Os peritos militares descobriram que os destroços eram consistentes com a desastrosa perda da câmara de pressão do submersível, segundo anunciou o Contra-Almirante da Guarda Costeira dos EUA John Mauger.

Os passageiros mortos eram um empresário paquistanês e o seu filho, Shahzada e Suleman Dawood; o empresário britânico Hamish Harding; o mergulhador francês Paul-Henri Nargeolet; e Stockton Rush, o presidente executivo da empresa que explorava o navio, a OceanGate Expeditions.

Enquanto as autoridades trabalham para determinar a cronologia e as circunstâncias do acidente, veículos operados remotamente serão usados para mapear o campo de destroços do navio, que está a mais de 3 quilómetros de profundidade no Oceano Atlântico Norte, disse Mauger.

As autoridades ainda não determinaram de forma conclusiva se a implosão devastadora ocorreu no momento em que o submersível parou de comunicar, cerca de 1 hora e 45 minutos após o mergulho, disse ainda Mauger.

Um alto funcionário da Marinha disse à CNN, no entanto, que uma análise da Marinha dos dados acústicos detetou uma “anomalia consistente com uma implosão ou explosão” no domingo na área geral onde o Titan estava a mergulhar quando ficou em silêncio.

A informação foi “imediatamente partilhada” com os comandantes no local que lideravam os esforços de busca e foi utilizada para restringir a área de busca, disse o responsável oficial. O som foi determinado como “não definitivo” e “foi tomada a decisão de continuar a nossa missão de busca e salvamento e fazer todos os esforços para salvar as vidas a bordo”.

Quando a busca começou, as equipas tinham boias de sonar na água “quase continuamente” e não detetaram nenhum “evento catastrófico”, disse Mauger.

Quando lhe perguntaram se os restos mortais de algum membro da tripulação poderiam ser recuperados, Mauger referiu o “ambiente incrivelmente implacável”, mas disse: “Não tenho uma resposta para perspetivas neste momento”.

No entanto, um perito médico disse a Anderson Cooper, da CNN, que uma implosão em águas profundas não deixaria restos mortais recuperáveis.

“Não haveria praticamente nada”, explicou Aileen Marty, especialista em medicina de catástrofes da Universidade Internacional da Florida, nos EUA. “É muito improvável que se encontre lá qualquer coisa de tecido humano.”

A expedição foi apresentada como uma experiência única na vida, “verdadeiramente extraordinária”, e faz parte da crescente indústria do turismo de aventura para os ultra-ricos. Um lugar na expedição custou a cada passageiro 250 mil dólares (230 mil euros ao câmbio atual), segundo uma versão arquivada do site da OceanGate.

Mas a tragédia provocou um novo escrutínio das operações da OceanGate e do desenvolvimento da embarcação Titan, de cerca de 10 toneladas, por entre relatos crescentes de preocupações de segurança, problemas mecânicos e um alegado desrespeito pelos processos regulamentares.

O cofundador da OceanGate, Guillermo Sohnlein, disse na quinta-feira que a morte dos membros da tripulação é uma “perda trágica para as famílias e para a comunidade de exploração oceânica em geral” e salientou o risco inerente a tais expedições.

“Aqueles de nós na comunidade que trabalham nessa profundidade sabem que isso é sempre um risco”, disse Sohnlein à CNN. “A pressão é tão intensa que, se houver uma falha, é uma falha instantânea e catastrófica”.

Cofundador da OceanGate defende a utilização do submarino durante o escrutínio

O submersível OceanGate Titan numa foto sem data. De OceanGate/FILE

Enquanto a OceanGate enfrenta questões sobre as suas operações e práticas de segurança após a implosão fatal do Titan, Sohnlein defendeu na quinta-feira a abordagem da empresa para projetar e implantar a embarcação.

Sohnlein disse ter “total confiança” no cofundador, Rush, que já tinha manifestado ceticismo em relação a regulamentos que pudessem abrandar a inovação.

“Eu quebrei algumas regras para fazer isso”, disse Rush ao bloguer de viagens Alan Estrada sobre o Titan em 2021.

Sohnlein disse que Rush não era um “adepto de risco”, mas sim um "gestor de risco”.

“Não saberemos nada até que a investigação esteja completa e todos os dados sejam recolhidos, por isso vou reservar o meu julgamento”, disse Sohnlein. “Mas conheço-o há 15 anos e nada disto me faria mudar de ideias.”

Pelo menos dois ex-funcionários da OceanGate expressaram preocupações de segurança sobre o desenvolvimento do casco do submersível anos atrás, incluindo sobre os procedimentos de teste e a espessura de sua estrutura de fibra de carbono, noticiou a CNN.

Além disso, a incerteza após um mergulho de teste do Titan em 2021 levou o apresentador do programa “Expedition Unknown” do Discovery Channel, Josh Gates, e sua equipa, a decidir não filmar um segmento no submersível, pois “ficou claro para nós naquela época que havia muito que precisava ser trabalhado no submarino”, disse ele.

“Muitos dos sistemas funcionavam, mas muitos deles não funcionavam de facto. Tivemos problemas com os propulsores e com o controlo informático e coisas do género”, disse Gates. “No fim de contas, foi um mergulho difícil.”

A empresa também se debateu com uma série de problemas mecânicos e condições climatéricas adversas que forçaram o cancelamento ou o adiamento de viagens nos últimos anos, de acordo com registos em tribunal.

As dificuldades levaram a um par de ações judiciais, em que alguns clientes que pagaram muito dinheiro tentaram recuperar o custo de excursões que disseram não ter feito e alegaram que a empresa exagerou a sua capacidade de chegar aos destroços do Titanic.

A OceanGate não respondeu às reclamações em tribunal e não foi contactada para comentar o assunto.

Vítimas lamentadas como aventureiros intrépidos e familiares queridos

A partir da esquerda: Hamish Harding, Shahzada Dawood, Suleman Dawood, Paul-Henri Nargeolet e Stockton Rush. 

Além de Rush, que pilotava a expedição Titan, as vítimas incluem dois exploradores veteranos e uma dupla de pai e filho de uma importante família de empresários paquistaneses.

O aclamado mergulhador francês Paul-Henri Nargeolet acompanhava a missão como especialista familiarizado com conteúdos sobre os destroços do Titanic, de acordo com o sítio Web arquivado da OceanGate.

Nargeolet foi diretor de investigação subaquática da RMS Titanic Inc., a empresa que detém os direitos exclusivos de resgate de artefactos do navio. Realizou 35 mergulhos no naufrágio e supervisionou a recuperação de 5.000 artefactos, de acordo com a sua biografia no sítio Web da empresa.

A família do mergulhador recordou-o como um pai e marido amado que “será recordado como um dos maiores exploradores de águas profundas da história moderna”.

“Mas o que mais nos lembraremos dele é o seu grande coração, o seu incrível sentido de humor e o quanto ele amava a sua família. Sentiremos a sua falta hoje e todos os dias para o resto das nossas vidas”, disseram a sua mulher e os seus filhos numa declaração na quinta-feira.

Hamish Harding, um empresário britânico com um currículo notável de expedições extremas, participou em várias viagens que bateram recordes.

Harding foi membro de uma tripulação de voo em 2019 que quebrou o recorde mundial para a circunavegação mais rápida do globo através de ambos os polos e em 2020 tornou-se uma das primeiras pessoas a mergulhar no Challenger Deep no Oceano Pacífico, amplamente considerado o ponto mais profundo dos oceanos do mundo.

O “globetrotter” era proprietário da corretora de aviões Action Aviation e era amado pela mulher e pelos dois filhos, informou a família num comunicado.

“Era um explorador apaixonado - fosse qual fosse o terreno - que vivia a sua vida para a sua família, para o seu negócio e para a próxima aventura”, refere o comunicado. “O que ele alcançou durante a sua vida foi verdadeiramente notável e, se podemos tirar alguma pequena consolação desta tragédia, é que o perdemos a fazer o que ele amava.”

O bilionário paquistanês Shahzada Dawood e o seu filho Suleman também se encontravam no Titan. O negócio da sua família, a Dawood Hercules Corp, é uma das maiores empresas do Paquistão.

“Por favor, continuem a manter nas vossas orações as almas que partiram e a nossa família durante este difícil período de luto”, disseram o patriarca da família, Hussain Dawood, e a sua mulher, Kulsum, numa declaração na quinta-feira.

Bill Diamond, um amigo de Shahzada Dawood, disse à CNN na quarta-feira que o seu amigo era inteligente e perpetuamente curioso. Ele disse que não pensava em Shahzada Dawood como um aventureiro, mas acredita que ele estava ciente dos riscos da viagem no Titan.

Oren Liebermann, Curt Devine, Isabelle Chapman, Gabe Cohen, Kristina Sgueglia, Nouran Salahieh, Priscilla Alvarez, Mostafa Salem, Sofia Cox e Hira Humayun contribuíram para esta reportagem.

Viagens

Mais Viagens

Na SELFIE

Patrocinados