Alemanha
45'
1 - 0
Hungria

Outrora celebradas, as descobertas de um inventor são agora vistas como desastres - e o mundo ainda está a recuperar

CNN
8 jun, 11:00
Thomas Migdley (GETTY IMAGES)

Em 1924, Thomas Midgley Jr., engenheiro químico da General Motors, demonstrou publicamente a aparente segurança do tóxico chumbo tetraetilo, uma invenção que trouxe consequências devastadoras e duradouras para a saúde pública e meio ambiente

Perante uma multidão de jornalistas, o inventor Thomas Midgley Jr. derramou um aditivo de chumbo nas mãos e inalou os seus fumos durante cerca de um minuto. Sem se deixar intimidar, disse que "podia fazer isto todos os dias sem ter qualquer problema de saúde”.

Pouco tempo depois, Midgley precisou de tratamento médico. Mas o ato teria consequências terríveis para além do seu próprio bem-estar.

O ano era 1924 e Midgley, na altura engenheiro químico da General Motors, tinha realizado a dita proeza para apoiar a sua mais recente e lucrativa descoberta: um composto de chumbo chamado chumbo tetraetilo. Adicionado à gasolina, resolvia um dos maiores problemas que a indústria automóvel enfrentava na altura - o bater do motor, ou pequenas explosões nos motores dos automóveis devido à baixa qualidade da gasolina, que resultavam num som irritante e em potenciais danos. O chumbo ajudou, mas com grandes custos, porque a substância é altamente tóxica para os seres humanos, especialmente para as crianças.

Midgley viria a deixar a sua marca na história com outra invenção destrutiva, também ela uma solução para um problema: a necessidade de substituir os gases nocivos e inflamáveis utilizados na refrigeração e no ar condicionado. Descobriu que os CFCs, ou clorofluorocarbonetos, eram um substituto ideal e inofensivo para os seres humanos. No entanto, revelaram-se mortais para o ozono na atmosfera, que bloqueia a perigosa radiação ultravioleta que pode causar cancros da pele e outros problemas de saúde, além de prejudicar as plantas e os animais.

Cem anos depois dessa proeza perante a imprensa em 1924, o planeta ainda está a recuperar dos efeitos nocivos de ambas as invenções de Midgley. A camada de ozono precisará de mais quatro décadas para sarar completamente e, como a gasolina com chumbo ainda era vendida em algumas partes do mundo até 2021, muitas pessoas continuam a viver com os efeitos a longo prazo do envenenamento por chumbo.

No entanto, Midgley - cuja história será contada num próximo filme desenvolvido pelo argumentista do filme de 2013 “O Lobo de Wall Street” - foi aclamado como um herói durante décadas.

Um inventor desde os seus primeiros dias

Nascido em Beaver Falls, na Pensilvânia, em 1889, Midgley tinha desde cedo uma propensão para encontrar aplicações úteis para substâncias conhecidas. No liceu, utilizou a casca mastigada dos ulmeiros para dar às bolas de basebol uma trajetória mais curva, uma prática que os jogadores profissionais viriam a adotar mais tarde.

Era conhecido por trazer sempre consigo uma cópia da tabela periódica, a sua principal ferramenta na procura da substância que marcaria a sua invenção revolucionária.

A tarefa de resolver o problema da batida dos motores coube a Midgley quando trabalhava na General Motors em 1916.

“Era o início da era do automóvel nos Estados Unidos e a Ford tinha desenvolvido o Modelo T, que não era muito potente”, disse Gerald Markowitz, professor de história na City University of New York. “A GM juntou-se à Standard Oil e à DuPont para tentar desenvolver motores mais potentes e, para isso, precisava de resolver o problema dos motores que batiam com o combustível que havia na altura".

Um composto de chumbo chamado chumbo tetraetilo foi comercializado sob a marca Ethyl e tornou-se um sucesso comercial. A Argélia foi o último país a suspender a utilização de gás com chumbo em 2021. Colin Creitz/The Enthusiast Network/Getty Images

Sob a direção de Charles Kettering, outro influente inventor americano e chefe de investigação da GM, Midgley pesquisou milhares de substâncias - incluindo arsénico, enxofre e silício - na tentativa de encontrar uma que reduzisse o ruído quando adicionada à gasolina. Acabou por chegar ao chumbo tetraetilo, um derivado do chumbo que era comercializado simplesmente como Ethyl. A gasolina com chumbo começou a ser vendida em Dayton, Ohio, em 1923, e acabou por se espalhar por todo o mundo.

De acordo com a UNICEF, o chumbo é altamente venenoso, não existindo um nível seguro de exposição, e pode afetar o desenvolvimento das crianças, provocando uma diminuição da inteligência e perturbações comportamentais. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, estima-se que cerca de 1 milhão de pessoas morrem anualmente de envenenamento por chumbo.

A toxicidade do chumbo já era bem conhecida quando Midgley o adicionou ao gás, mas isso não impediu o Ethyl de se tornar um sucesso comercial.

“Foram lançados alarmes, porque o chumbo era conhecido como uma toxina”, disse Markowitz. “Mas a posição da indústria era a de que não havia provas de que o chumbo que saía dos tubos de escape dos carros pudesse causar ferimentos nas pessoas. E foi essa falta de provas que acabou por levar o cirurgião-geral a não tomar medidas após uma conferência sobre saúde pública em 1925.”

No entanto, os trabalhadores do fabrico de etil depressa sentiram os efeitos negativos.

“Foi realmente o facto de as pessoas que trabalhavam nos laboratórios de produção de chumbo tetraetilo estarem a ficar doentes que criou uma crise”, disse Markowitz. “Ficavam literalmente loucas devido à sua exposição ao chumbo”.

Midgley chegou ao ponto de deitar o Ethyl nas mãos e inalá-lo durante a conferência de imprensa de 1924, numa tentativa de acalmar os receios.

Mas, na realidade, ele também estava a ser envenenado.

“Escreveu definitivamente numa carta em janeiro de 1923 que tinha um toque de envenenamento por chumbo, e teve envenenamento por chumbo durante o resto da sua vida”, disse Bill Kovarik, professor de comunicação na Universidade de Radford, na Virgínia. “O problema não desaparece quando se tem tanto chumbo no corpo. É uma deficiência grave e de longo prazo”.

Fazer um buraco

Poucos anos após a invenção do etil, Midgley - mais uma vez incentivado por Kettering - concentrou-se no desenvolvimento de uma alternativa não tóxica e não inflamável aos gases refrigerantes, como o amoníaco, que eram utilizados em aparelhos e sistemas de ar condicionado na altura e que conduziram a uma série de acidentes fatais na década de 1920.

Ele criou o Freon - um derivado do metano, composto por átomos de carbono, cloro e flúor - o primeiro CFC. Noutra demonstração pública, em 1930, Midgley inalou o gás e apagou uma vela com ele, numa ação destinada a demonstrar a sua segurança.

O Freon, bem como os CFC subsequentes, tornaram-se sucessos comerciais e fizeram disparar a adoção do ar condicionado nos Estados Unidos. Após a Segunda Guerra Mundial, os fabricantes começaram a utilizar rotineiramente os CFC como propulsores para todo o tipo de produtos, incluindo insecticidas e laca para o cabelo.

Após a Segunda Guerra Mundial, os fabricantes começaram a utilizar clorofluorocarbonetos, ou CFC, que destroem a camada de ozono, como propulsores para todo o tipo de produtos, como os sprays de aerossol. Joe Sohm/Visions of America/Universal Images Group/Getty Images

Foi em meados da década de 1970, três décadas após a morte de Midgley, que os danos causados pelas suas duas invenções se tornaram publicamente conhecidos. Os CFC tinham aberto um buraco na camada de ozono sobre a Antárctida; se não fosse controlado, o buraco teria aumentado ao ponto de acabar por ameaçar toda a vida na Terra.

Como resultado da pressão contínua do sector, a gasolina com chumbo só foi eliminada nos Estados Unidos em 1996 e, lentamente, em todo o mundo. A Argélia, o último país a eliminar a gasolina com chumbo, continuou a vendê-la até 2021 e os aditivos de chumbo continuam a ser utilizados no combustível para a aviação. Um estudo de 2022 estimou que metade da atual população dos EUA tinha sido exposta a níveis perigosos de chumbo na primeira infância, mas os danos para a saúde colectiva mundial são mais difíceis de quantificar.

Em 1987, o Protocolo de Montreal foi assinado para eliminar gradualmente os CFC de 1989 a 2010, após o que foram proibidos. (As emissões de CFC voltaram a aumentar recentemente, um sinal de que ainda podem ser produzidas ilegalmente). O buraco na camada de ozono está a ser recuperado e é provável que se cure no próximo meio século, numa rara vitória ambiental.

“A triste verdade é que não sabemos, sobretudo, o número de crianças que foram afetadas negativamente”, disse Markowitz. “Não existe um nível seguro de chumbo no corpo de uma criança. Estamos a falar de dezenas de milhões de crianças, centenas de milhões de crianças ao longo de meio século ou mais que foram afectadas negativamente, com as suas oportunidades de vida diminuídas devido ao pó de chumbo resultante dos gases de escape que entraram no solo ou nas ruas”.

Uma morte trágica

A vida de Midgley terminou em circunstâncias trágicas. Depois de contrair poliomielite em 1940, ficou gravemente incapacitado e concebeu mais uma invenção: uma máquina que o levantava da cama para uma cadeira de rodas de forma autónoma, através de cordas e roldanas. Mas, a 2 de novembro de 1944, ficou preso na máquina e morreu estrangulado.

Durante muito tempo, acreditou-se que era o cúmulo da ironia - o inventor morrer pela sua própria invenção. Mas a realidade pode ser ainda mais sombria, de acordo com Kovarik.

“A causa oficial da morte foi suicídio”, disse ele. “Ele tinha um enorme sentimento de culpa. A indústria dizia-lhe que ele era brilhante. Mas ele fez coisas que, em retrospetiva, foram bastante irresponsáveis. O envenenamento por chumbo pode ter contribuído para a sua psicose.”

Midgley recebeu vários prémios e distinções na fase final da sua vida. A Sociedade da Indústria Química atribuiu-lhe a Medalha Perkin em 1937; a Sociedade Americana de Química atribuiu-lhe a Medalha Priestley em 1941 e elegeu-o presidente no ano da sua morte.

Uma memória biográfica da Academia Nacional de Ciências, escrita pelo seu mentor Kettering em 1947, só contém elogios e termina dizendo que Midgley deixou “uma grande herança para o mundo de uma vida ocupada, diversificada e altamente criativa”.

A história tem outros exemplos de invenções que se revelaram involuntariamente mortíferas, como o TNT, que foi originalmente desenvolvido para ser utilizado como corante amarelo e só foi utilizado como explosivo décadas mais tarde. Midgley é o único a ter desenvolvido duas invenções deste género, mas embora seja tentador vê-lo como um vilão ambiental, os especialistas dizem que o seu papel era mais parecido com o de uma engrenagem na máquina.

Midgley, que contraiu poliomielite em 1940, recebeu várias distinções nos últimos anos da sua vida. Aqui, ele recebe o Prémio Willard Gibbs da secção de Chicago da Sociedade Americana de Química em 1942. Carl E. Linde/AP

“Ele era apenas um empregado”, disse Kovarik.

Markowitz concorda. “Foi uma investigação patrocinada por uma empresa”, disse. “Se não tivesse sido Midgley, tenho a certeza de que teria sido outra pessoa a apresentar estas soluções.”

A procura do crescimento e da inovação a todo o custo reflectia a conceção do progresso na primeira metade do século XX, acrescentou Markowitz. “Só com o movimento ambientalista que teve início nos anos 60 e 70 é que começámos a considerar as consequências do progresso tecnológico”, afirmou.

“Isso teve um efeito realmente preocupante, mas até aos anos 50 havia muito poucas vozes a questionar a ideia de que o progresso era o nosso produto mais importante.”

Relacionados

Ciência

Mais Ciência

Patrocinados